Rosa Weber toma posse na presidência do TSE

A ministra Rosa Weber toma posse hoje (14), às 20h, no cargo de presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em sessão solene no plenário da Corte. A solenidade será transmitida ao vivo pela TV Justiça e pelo canal do TSE no YouTube.
Rosa Weber será a segunda mulher a presidir o TSE em mais de 70 anos de criação do tribunal. A primeira foi Cármen Lúcia, em 2012. O primeiro desafio da ministra será a organização das eleições de outubro, que serão realizadas no dia 7.

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, durante a segunda e última audiência pública sobre descriminalização do aborto.
A ministra do STF Rosa Weber (Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil)
Rosa Weber, que é ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), já ocupa a vice-presidência do tribunal e vai suceder a Luiz Fux, que concluiu período máximo de dois anos no cargo. O mandato irá até agosto de 2020.

Na mesma sessão, serão empossados os ministros Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF),  e Jorge Mussi, do Superior Tribunal de Justiça. Barroso assume como vice-presidente do TSE e Mussi será corregedor-geral da Justiça Eleitoral.

O TSE é formado por sete ministros, dos quais três são do STF, sendo um o presidente da Corte. Dois ministros são do STJ, um dos quais é o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, e dois juristas que representam os advogados e são nomeados pelo presidente da República.

Nas eleições de outubro, caberá ao tribunal, além de organizar o pleito, deferir os registros de candidatura de candidatos à Presidência da República e todos os recursos que os envolvem.

Histórico

A ministra nasceu em Porto Alegre e fez carreira como magistrada da Justiça do Trabalho no Rio Grande do Sul. Antes de ser nomeada para o STF em 2011, Rosa ocupava o cargo de ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Graduou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), foi juíza do Trabalho no período de 1981 a 1991, integrou o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) de 1991 a 2006. Rosa Weber assumiu a presidência do TRT da 4ª Região de 2001 a 2003.

Com informações: Agência Brasil

Camilo Santana vai subir no palanque de Ciro Gomes no próximo sábado?

Definida a data de lançamento da candidatura de Ciro Gomes (PDT) em Fortaleza (sábado, dia 18), a pergunta que ronda a cabeça de petistas e pedetistas no Ceará é uma só: aliado do presidenciável, o governador Camilo Santana (PT) vai subir no palanque de Ciro?

Convidado a participar do encontro, que reúne a cúpula do PDT nacional e estadual, além dos irmãos Cid, Ciro e Ivo Gomes, Camilo pode encarar uma saia-justa nos próximos dias.

Se se negar a tomar parte na agenda cirista, deixará de prestar apoio ao grupo responsável pela sua eleição ao Governo do Estado em 2014.

Caso atenda ao chamado do PDT e compareça ao evento, entretanto, o petista vai de encontro às diretrizes da legenda da qual faz parte, indiretamente demonstrando que pode estar ao lado do candidato pedetista.

Duas semanas atrás, no dia 4 de agosto, o PT lançou, em ato oficial em São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como o nome da sigla na corrida eleitoral. Do PT, Camilo foi o único chefe de Executivo estadual a não estar presente.

No mesmo dia e horário, o governador declarava voto em Eunício Oliveira na convenção do senador em Fortaleza – o emedebista, que se reaproximou do governismo, concorre à reeleição.

No dia seguinte, 5/8, em discurso na convenção da coligação oficial que tem PT e PDT entre seus componentes, Camilo não faria qualquer menção a Lula. Os irmãos Ferreira Gomes faltaram ao evento.

No Ceará, os dois partidos tentam encontrar um meio termo para a campanha presidencial, já que defendem duas candidaturas diferentes, mas dispõem de um único palanque – o de Camilo.

Internamente, o PT pressiona o governador para que ele se manifeste publicamente e se declare eleitor de Lula, postura que Camilo tem evitado nas últimas semanas.

Em entrevista na semana passada, o deputado federal José Guimarães (PT) disse que o partido “não abrirá mão do apoio do governador ao candidato nacional” da agremiação.

O parlamentar defendeu que Camilo terá de fazer as “mediações” necessárias para que Lula ou o indicado para substituí-lo na disputa não fique sem palanque no Ceará.

O encontro do próximo sábado é a largada oficial da campanha de Ciro num estado cujo eleitorado vota majoritariamente em Lula.

No último evento do PDT na Capital, exatamente um mês atrás, dia 13/7, foi Camilo quem desfalcou o time dos aliados, que se reuniram no Pirata Bar.

O prazo final para registro das candidaturas é quarta-feira desta semana. A partir de quinta, dia 16, os partidos e candidatos estão liberados para pedir diretamente o voto do eleitor.

Com informações: Blog de Política O Povo

Novas regras vão facilitar renovação da carteira de motorista

O Governo Federal vai editar medida provisória criando mais facilidades e menos burocracias na renovação da carteira nacional de habilitação. Segundo a Folha de S.Paulo,  a MP determinará que a partir da expedição da CNH, motoristas façam apenas exames médicos a cada cinco anos, e não mais precisem passar pela burocracia para renovar o documento.

“A proposta em estudo prega que a redução de exigências para renovação da CNH valha para todos os motoristas que tiverem até 55 anos. Após essa idade, a atualização do documento seria obrigatória a cada cinco anos, e a realização de exames a cada dois anos e meio”, informa a Coluna Painel, da Folha de S.Paulo.

Com informações: Focus

Fernando Haddad diz que espera estar junto com Ciro no segundo turno

O candidato a vice-presidente pelo PT, Fernando Haddad, afirmou que espera estar junto com Ciro Gomes, candidato a presidente da República pelo PDT, no segundo turno. Foi o que ele disse nesta segunda-feira durante entrevista concedida ao programa O POVO no Rádio, apresentado pelo jornalista Luiz Viana.

Haddad, que pode virar o candidato ao Planalto caso Lula não tenha registro acatado pela Justiça Eleitoral, elogiou Ciro, definindo-se como “amigo”, lembrando que com ele foi ministro do Governo Lula: Haddad na pasta da Educação e Ciro como titular da Integração Nacional.

“Ciro é um grande amigo e tenho certeza que vamos estar juntos  no segundo turno”, disse Haddad.

Bom lembrar que essa dupla sempre foi cogitada por Camilo Santana (PT). Em várias entrevistas, o governador defendeu a candidatura de Ciro para presidente tendo Haddad como candidato a vice.

Com informações: Eliomar de Lima

Ciro diz que é ‘doce de coco’ e que não elevará o tom

Um dia após o primeiro debate presidencial na TV, o candidato do PDT, Ciro Gomes, disse que não pretende subir o tom para ter mais visibilidade na disputa. A estratégia, segundo ele, é seguir enfatizando as propostas de sua campanha.

— Acho que o povo brasileiro está tão sofrido, machucado, descrente, que temos que ser muito respeitosos, cuidadosos, delicados. É o que vou procurar fazer — disse a jornalistas, após evento promovido pela ONG Todos Pela Educação, nesta sexta-feira. — Ontem consegui ser duro, em certos momentos, mas sem levantar a voz, sem ser grosseiro. Não precisa ser. Esse monstro que criaram ao meu redor, da minha imagem, não guarda a menor coerência da minha vida. Sou um doce de coco, pode acreditar nisso — afirmou.

Ciro disse que sempre foi “paz e amor”, mas que, ao mesmo tempo, sabe brigar e que não está na luta política para “alisar”, pois não faz parte da máfia, na qual vigora “a lei do silêncio”.
— Então, eu não falo do teu rabo de palha e você não fala do meu. E eu não pertenço à máfia. Então o Ciro é ‘bocão’ — disse.

Na sequência, citou alguns dos políticos que já denunciou por malfeitos, como o ex-deputado Eduardo Cunha, o presidente Michel Temer, e o senador Eunício Oliveira, com quem seu irmão e coordenador de campanha, Cid Gomes, firmou uma aliança informal no Ceará.

Ciro nega que tenha tido uma repercussão tímida no debate, mas a avaliação interna de sua equipe é de que o formato o desfavoreceu. Estes assessores admitem que outros oponentes, como o tucano Geraldo Alckmin e a candidata da Rede, Marina Silva, tiveram mais visibilidade por terem tido mais oportunidades de falar ao eleitor.

No debate, Ciro prometeu tirar 63 milhões de brasileiros que estão com o nome sujo no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). Questionado sobre como irá fazê-lo, explicou:

— Trata-se de entender o volume da dívida, que humilha 63 milhões de pessoas. De descontar do volume dessa dívida, com a mediação poderosa de um governo que sabe o que faz, de descontar todos os desaforos, como juros sobre juros, correção monetária, multas, entre outros, e refinanciar o que sobrar — afirmou.

Segundo Ciro, ao fazer isso, a dívida média por cidadão é de R$ 1,4 mil, o que seria factível de negociar mediante ações como o afrouxamento dos compulsórios dos bancos.

— Essa é a questão: quando é para rico é muito rápido e simples e quando é para pobre, todo mundo quer botar defeito.

Durante a sua exposição, Ciro criticou fortemente a emenda 95, do chamado teto de gastos, aprovada pelo governo de Temer, e que ele comparou a um “torniquete de pescoço”. Segundo Ciro, o próximo presidente do Brasil “será derrubado em seis meses” diante da falta de condições de governar, caso não revogue a proposta.

— O baronato financeiro vai pedir o meu fígado na eleição — disse, em referência às críticas que têm feito à medida e aos elevados ganhos dos bancos com juros. — Nosso problema é conflito distributivo, porque a gente gasta muito com despesas financeiras — complementou.

Programa de Governo mais detalhado

De acordo com o coordenador de campanha de Ciro, Nelson Marconi, uma versão mais detalhada de seu programa de governo, que contempla 12 áreas, será divulgada no site do candidato até a próxima segunda-feira, dia 13.

A ênfase será a área econômica, mais especificamente sobre a meta de criação de 2 milhões de empregos no primeiro ano de governo. O programa também tratará de reformas, como a da Previdência, e explicará o projeto de Ciro de fortalecimento da indústria e da infraestrutura nacional.
— Serão diretrizes gerais e abertas à discussão com os setores envolvidos em cada uma das áreas — diz Marconi.

Com informações: Ceará Agora / O Globo

Canais Esporte Interativo deixarão de existir nos próximos dias

A Turner, empresa que detém os direitos sobre a marca Esporte Interativo removerá os canais nos próximos 40 dias de todas as operadoras de TV por assinatura. Mesmo com o término, o grupo garante que vai honrar com os compromissos assumidos com clubes brasileiro e a Uefa, transmitindo o Campeonato Brasileiro em 2019 e também a Liga dos Campeões pelos próximos três anos.

As transmissões continuarão nos canais TNT e Space, pertencentes à Turner, que comprou o Esporte Interativo. Os canais não serão dedicados apenas aos conteúdos esportivos mas, sim, divididos com a programação variada de séries, eventos e filmes já existentes com os conteúdos de esportes.

O Esporte Interativo também seguirá como marca nas redes sociais. A página do Facebook da emissora, por exemplo, continuará a ter postagens. Além disso, apesar de não confirmar oficialmente, as transmissões da Liga dos Campeões devem acontecer na fanpage do canal, em acordo que ainda será assinado.

Campeonato Cearense e Copa do Nordeste

O futebol cearense, assim como o de todo o Nordeste, será diretamente impactado com o fim dos canais Esporte Interativo (EI) na TV, anunciado pelas redes sociais. A continuidade da transmissão de competições como a Copa do Nordeste e as Série C e D, que ganharam espaço de destaque nunca visto numa emissora de canal fechado, tem futuro incerto diante da atual situação.

O torcedor cearense pôde ver conquistas relevantes pela TV, como o título do Ceará na Copa do Nordeste em 2015, a trajetória do Fortaleza na Série C até o acesso em 2017 e a campanha histórica do Ferroviário na Série D 2018.

Garantidos na edição da Copa do Nordeste em 2019, os dirigentes Ceará e Fortaleza afirmam que não foram procurados até o momento, mas adotam postura de tranquilidade diante do momento de indefinição. O Esporte Interativo possui direito de transmissão da competição até 2022, além de contratos com os clubes participantes que envolvem cotas que chegam a R$ 26,4 milhões para o próximo ano.

“A Copa do Nordeste é um produto importante. Se não houver continuidade dos atuais (detentores), eles vão primeiro cumprir as cláusulas do contrato, e o mercado vai assumir a competição, que tem grande repercussão”, afirmou o presidente do Ceará, Robinson de Castro.

Vice-presidente do Fortaleza, Marcello Desidério espera que os contratos sejam honrados. “É um produto que transcende o canal de televisão. Se não for com ela (emissora), garanto que a competição não acaba”, disse. Não conseguimos contato com o presidente do Ferroviário, Walmir Araújo.

Campeonatos estaduais do Nordeste, como o Cearense, devem deixar de ser transmitidos pela emissora, mas o impacto será bem menor, tendo em vista a tradição da transmissão dos estaduais pela Rede Globo. O presidente da Federação Cearense de Futebol (FCF), Mauro Carmélio, aguarda definição, mas conta que as federações do Nordeste já começaram a se movimentar. “Tem que ver como vai ficar a posição da CBF em relação ao torneio (Nordestão). Ainda não nos comunicaram nada oficialmente. O contrato da transmissão do Cearense termina em 2019.”

A Liga Nordeste, por meio de nota, assegurou “a continuidade do crescimento financeiro da competição”. Segundo a entidade, os contratos comerciais com a Turner serão cumpridos, assim como as cotas aprovadas para o torneio de 2019.

A decisão pelo fim do Esporte Interativo na TV é do grupo Turner, dono da emissora esportiva. Os principais produtos do canal, como a transmissão da Liga dos Campeões da Europa e do Campeonato Brasileiro (a partir de 2019), serão exibidos nos canais TNT e Space, da mesma companhia.

Entre as razões do fim do EI na TV, estão o alto custo para manter dois canais no ar e dos direitos de transmissão das competições e retrações do mercado publicitário e de TV por assinatura, como afirmou o gerente geral do grupo Turner no Brasil, Antônio Barreto, em entrevista ao site Tela Viva.

Ceará e Fortaleza vão receber na 1ª fase do torneio, em 2019,  R$ 3,12 milhões, conforme a cota aprovada. Os times estarão na mesma chave, de acordo com o regulamento

Confira a nota da Emissora:

Nós do Esporte Interativo/Turner, agora uma afiliada AT&T, anunciamos hoje que estamos migrando a nossa programação de TV com o futebol nacional e internacional para as marcas TNT e Space. A Turner continua comprometida com a Liga dos Campeões da UEFA pelas próximas três temporadas, iniciando as transmissões a partir deste mês. Além disso, a partir do ano que vem, começaremos a transmitir a série A do Campeonato Brasileiro até 2024.

Os canais do Esporte Interativo na TV serão desativados nos próximos 40 dias e deixaremos de transmitir competições que nos orgulhamos muito durante os últimos anos. Entretanto, as nossas atividades no mundo digital seguem firmes, e continuaremos levando a emoção que o Brasil merece pra vocês através do nosso Facebook, Instagram, Youtube, Twitter, EI Plus e qualquer outra plataforma digital em que os apaixonados por esporte estejam presentes.

Não dá pra negar que estamos tristes com o fim dos canais Esporte Interativo na TV, mas ao mesmo tempo estamos ansiosos e animados com o futuro, em que estaremos todos os dias na TNT e Space, com as mesmas narrações, comentários e brincadeiras que nos acostumamos a ouvir nos últimos 11 anos. E claro, seguiremos juntos, diariamente, com a nossa família de mais de 20 milhões de fãs nas redes sociais. Muito obrigado pelo apoio de sempre. Contamos com vocês nessa nova caminhada. Tamo junto!

Com informações: O Povo

União PT-PSDB? Haddad não descarta apoio a Alckmin no 2º turno

Candidato à vice-presidência pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad afirmou que, caso a sigla fique de fora do 2º turno, não está descartada a possibilidade de apoio ao PSDB de Alckmin. A declaração foi dada nesta quinta-feira (9) pelo ex-prefeito de São Paulo durante entrevista promovida pelo banco BTG Pactual.
A resposta de Haddad veio após ter sido questionado sobre eventual segundo turno entre Geraldo Alckmin (PSDB) e Jair Bolsonaro (PSL) e se ele recomendaria o apoio do PT ao PSDB. Sem dar uma resposta clara, ele lembrou das eleições de 1998, quando Marta Suplicy, à época deputada federal pelo PT, declarou apoio a Mário Covas, do PSDB, na corrida pelo governo de São Paulo.
“Eu não seio o que o PT vai fazer nesse caso, o que eu acho é o seguinte: o PT e o PSDB aqui em São Paulo mesmo, tiveram episódios muito interessantes. Em 98, por exemplo, a Marta era candidata e quase foi pro segundo turno, foi o Covas, e a Marta declarou apoio ao Covas, e não integramos o governo Covas. Dois anos depois tiramos a recíproca, a Marta foi pro segundo turno e como era o mesmo adversário, o Covas retribuiu. E a Marta foi eleita em 2000 com o apoio do PSDB.O que eu estou querendo dizer é o seguinte: o PT não tem esse preconceito, então é muito difícil responder a sua pergunta na conjuntura atual”.
Haddad participou do evento na condição de representante do PT, já que o ex-presidente Lula está preso em Curitiba e não conseguiu liberação da Justiça para participar de eventos e sabatinas como candidato.

Com informações: Roberto Moreira

Primeiro debate presidencial tem tom morno e poucos ataques

Em um primeiro debate morno, promovido pela Bandeirantes, os candidatos à Presidência evitaram, com algumas exceções, ataques diretos e trazer temas polêmicos à tona na noite desta quinta (9).

Presidenciáveis como Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT) não foram confrontados com seus pontos fracos, como o escândalo da Dersa, no caso do ex-governador de São Paulo, ou o temperamento explosivo do ex-governador do Ceará.

A ausência de Lula, preso em Curitiba por corrupção e lavagem de dinheiro, contribuiu para um embate menos caloroso. Nesse cenário, Guilherme Boulos, do PSOL, tentou assumir o papel de porta-voz da esquerda e se apresentou como “do partido de Marielle Franco”, vereadora assassinada no Rio de Janeiro em março.

Foi ele, inclusive, que protagonizou um dos únicos confrontos em que o tom das acusações se elevou. Boulos questionou Jair Bolsonaro (PSL) sobre a funcionária de seu gabinete Walderice Santos da Conceição, que, segundo mostrou a Folha de S. Paulo, trabalha num comércio de açaí em Angra dos Reis, onde o deputado federal tem uma casa.

“Quando a Folha de S.Paulo foi lá, ela estava de férias. Ela é essa senhora, humilde, trabalhadora”, disse Bolsonaro.

Ao ser questionado por Boulos se ele não tinha vergonha de manter uma “funcionária fantasma” e de ter auxílio moradia da Câmara mesmo tendo imóvel em Brasília, Bolsonaro respondeu que teria vergonha se “tivesse invadindo as casas dos outros”, numa provocação ao líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).

“E não vim pra cá bater boca com um cidadão desqualificado como esse aí”, completou Bolsonaro, encerrando sua fala antes do tempo.

Além de Boulos, o Cabo Daciolo (Patriota) também destoou do clima mais ameno, atirando sobre praticamente todos os opositores.

Dos 13 candidatos à Presidência definidos nas convenções, apenas oito participaram do debate: além de Bolsonaro, Alckmin, Ciro, Boulos e Daciolo, foram convidados Marina Silva (Rede), Álvaro Dias (Podemos) e Henrique Meirelles (MDB).

Todos se enquadram na determinação da lei eleitoral de que devem ser convidados candidatos de partidos ou coligações que tenham pelo menos cinco congressistas.

O outro seria Lula. O PT chegou a pedir à Justiça que ele fosse autorizado a participar via videoconferência. Com o pedido negado, o partido resolveu fazer um debate paralelo, com o vice e potencial titular da chapa, Fernando Haddad.

Alckmin e Bolsonaro

O ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) foi o mais demandado pelos opositores mais bem posicionados nas pesquisas de intenção de voto, que evitaram Bolsonaro.

Marina, por exemplo, pressionou o ex-governador de São Paulo por sua aliança com o chamado “centrão” (DEM, PP, PR, PRB e SD).

“O sr. diz que é candidato à Presidência porque quer mudar o Brasil. No entanto, fez aliança com o centrão, que é a base de sustentação do governo Temer. […] O sr. acha que isso é fazer mudança?”, questionou a candidata da Rede.

Ciro, por sua vez, disse que a reforma trabalhista, defendida no debate por Alckmin como “necessária”, “foi um erro” e “introduziu muita insegurança” no país. “Essa selvageria nunca fez nenhum país do mundo prosperar”, afirmou o candidato do PDT.

Questionado em temas como violência contra a mulher e segurança pública, Bolsonaro manteve posições como a defesa da castração química para estupradores e um referendo para facilitar a venda de armas aos “cidadãos de bem”.

“A violência só cresce no Brasil devido a uma equivocada política de direitos humanos. […] O cidadão de bem, esse foi desarmado. O bandido continua bem armado.”

Alvaro Dias foi um dos que mais tratou do tema da Lava Jato, dizendo que a operação “deve ser institucionalizada” como política de combate à corrupção, e citando novamente o juiz Sergio Moro como seu futuro ministro da Justiça. Segundo a assessoria da Bandeirantes, o debate teve pico de 7,5 pontos de audiência, segundo o Ibope, e média de 6,1 pontos na Grande São Paulo. Cada ponto representa 71.855 casas ou 201.061 telespectadores.

Com informações: O Estado/Ceará

Ciro investirá nas redes sociais e nos espaços de aliados

O candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, com menos tempo de TV que esperava, vai investir nas redes sociais para alcançar o público jovem. O postulante também participará das inserções de candidaturas ao Governo do Estado, Senado e Câmara Federal para compensar os 38 segundos que terá de propaganda eleitoral durante a campanha.
As informações foram repassadas pelo coordenador do programa econômico da campanha do pedetista, Mauro Filho, que é candidato a deputado federal pelo Ceará. Segundo ele, o candidato a presidente terá recursos para poder viajar pelo País apresentando suas propostas e aproveitará também as atividades dos outros candidatos pedetistas para se apresentar à população.
“O jovem está nas redes sociais, e o Ciro começou desde segunda-feira passada a utilizar mais essas ferramentas. Elas serão um espaço de muita relação com a juventude, que vai compreender que ele é o único com capacidade de retirar o Brasil dessa crise”.
Questionado sobre o temperamento do postulante, que poderia ter contribuído para perdas de alianças consideráveis, como as do PSB e Centrão, o coordenador da campanha de Ciro disse que não há pobre que reclame da postura do candidato.
“Quem está com medo é o rico. O Ciro não aceita corrupção, não aceita o toma lá, dá cá. O Ciro não tem ato de gestão pela língua ou pelo temperamento. Na realidade, ele é o único com boas características, e a única que querem increpar é que ele é temperamental”.
Segundo ele, de acordo com pesquisas qualitativas, o povo exige que o futuro presidente incorpore a experiência, conhecimento e estatura moral para recompor a confiança junto à população. “Somente um candidato consegue incorporar tudo isso, que é o ex-prefeito, ex-governador e ex-ministro da Fazenda, Ciro Gomes. Ele é quem tem um programa com foco principal na gestão de emprego”, disse.

Ele destacou ainda que o presidenciável deve apresentar nos próximos dias um programa que vai permitir que ao menos 63 milhões de brasileiros tenham seus nomes retirados do sistema SPC e Serasa. O economista não quis adiantar como o presidenciável implementaria tal projeto, mas afirmou que tal medida será de extrema importância para trazer de volta ao mercado de trabalho aquele trabalhador que não tem como pagar as contas em dia devido o desemprego.
Questionado sobre o ainda pouco conhecimento do eleitorado com o candidato cearense, Mauro Filho disse que isso só deve acontecer depois do início da campanha eleitoral, quando o eleitorado, enfim, estará atento aos postulantes que se apresentaram para o pleito deste ano. “A população agora quer é pagar suas contas, viver a vida dela. Isso só vai começar a partir do dia 16 de agosto”, defendeu.
Ainda de acordo com ele, nos últimos três anos o Brasil vem enfrentando uma crise econômica séria, e que o Ceará tem passado por este momento sendo um dos estados menos afetados. “Dos 27 estados, eu diria que pelo menos 20 não têm um centavo para investimento, não paga fornecedores e nem servidores. Como é o caso do Rio Grande do Sul, de Minas Gerais e Rio de Janeiro”.
Segundo disse, o Ceará conseguiu se organizar para ter recursos para investir em estradas, Areninhas, escolas em dois turnos e construir novas estradas, no programa “Ceará de Ponta a Ponta”.
“Hoje, o Ceará é o que mais investe em todos os estados. Isso significa aproximadamente R$ 2,6 bilhões nas mais diversas áreas. Onde você imaginar, o governador terá obra para quando chegar em determinado Município fazer a prestação de contas que se espera”, destacou Mauro Filho.

Com informações: Edison Silva

Band inicia embate entre presidenciáveis; confira as datas de sabatinas e debates

Os debates entre os candidatos nas Eleições 2018 iniciam amanhã, às 22 horas, na Band. Mediado por Ricardo Boeachat, o encontro recebe os presidenciáveis Geraldo Alckmin, Marina Silva, Jair Bolsonaro, Ciro Gomes, Guilherme Boulos, Álvaro Dias, Cabo Daciolo e Henrique Meirelles. De acordo com as regras da emissora, o formato do debate prevê 60 confrontos diretos entre os concorrentes, além de perguntas do público e de jornalistas.

Cerca de 120 profissionais da imprensa foram credenciados para o debate, incluindo correspondentes da China, Japão, Estados Unidos e agências internacionais. Esta será a primeira sabatinada para a campanha que, oficialmente, inicia no dia 16 de agosto. Outros oito veículos de comunicação e emissoras abrem espaço para os candidatos apresentarem suas propostas. 

Confira os dias:

09/08 – Band
17/08 – RedeTV
27/08 – Rádio Jovem Pan
09/09 – TV gazeta
19/09 – VEJA
20/09 – TV Aparecida
26/09 – SBT
30/09 – Record TV
04/10 – Rede Globo

Com informações: Focus