Dias Toffoli é eleito presidente do Supremo com mandato até 2020

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli foi eleito hoje (8) pelo plenário para ocupar o cargo de presidente da Corte a partir do próximo mês. A votação foi feita de maneira simbólica porque Toffoli é o vice-presidente da Corte e já ocuparia o cargo, conforme o regimento interno do STF.
Toffoli entrará no cargo atualmente ocupado pela ministra Cármen Lúcia, que está há dois  anos na presidência do STF e não pode continuar no posto. O novo vice-presidente será o ministro Luiz Fux. Eles tomarão posse no dia 13 de setembro, e o mandato é de dois anos.
Após a votação, Toffoli agradeceu aos colegas e disse que terá grandes desafios à frente do tribunal e do Judiciário brasileiro.
“A responsabilidade neste encargo é enorme, os desafios são gigantescos, mas, se por um lado, temos essa dificuldade, até pela gestão tranquila e firme que Vossa Excelência [ministra Cármen Lúcia] teve nestes dois anos tão difíceis pela nação brasileira, com tantas demandas chegando a este STF e ao Conselho Nacional de Justiça, por outro lado, é muito facilitado”, disse Toffoli.
Toffoli tem 50 anos e foi nomeado para o STF em 2009 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Antes de chegar ao Supremo, o ministro foi advogado-geral da União e advogado de campanhas eleitorais do PT.
Com informações: Ceará Agora/Agência Brasil

Confira o tempo na propaganda da TV dos candidatos a presidente

Com a definição das coligações para a campanha eleitoral deste ano, o candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, acabou abiscoitando o maior tempo de TV que outros cinco rivais somados (Lula, Henrique Meirelles, Alvaro Dias, Ciro Gomes e Marina Silva).

Ao todo, segundo levantamento com base em estudo de analistas do banco BTG Pactual, Alckmin terá direito a 6 minutos e 3 segundos de tempo de TV em cada bloco de propaganda, cujo tempo total é de 12 minutos e 30 segundos.

Juntos, Lula (PT), Henrique Meirelles (MDB), Alvaro Dias (Pode), Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) terão direito a 5 minutos e 7 segundos.

Tempo na propaganda

Geraldo Alckmin (PSDB, PP, PTB, PSD, SD, PRB, DEM, PPS, PR): 6min3seg

Lula (PT, PCdoB, PROS, PCO): 2min7seg

Henrique Meirelles (MDB, PHS): 1min38seg

Alvaro Dias (Pode, PSC, PRP, PTC): 33seg

Ciro Gomes (PDT, Avante): 33seg

Marina Silva (Rede, PV): 16seg

Com informações: Eliomar de Lima

Receita libera consulta ao 3º lote do Imposto de Renda

A Receita Federal liberou consulta ao terceiro lote de restituição do Imposto de Renda de 2018. Também foi liberado consulta do dinheiro para quem saiu da malha fina entre os anos de 2008 e 2017.

O contribuinte pode ver se sua declaração foi liberada pela página da Receita na internet ou por meio do aplicativo para tablets e smartphones ou pelo telefone 146.

Cerca de 2,85 milhões de contribuintes são contemplados neste lote, totalizando R$ 3,6 bilhões de reais, que serão pagos no dia 15 de agosto.

Do valor, R$ 342 milhões são destinados a pessoas com prioridade. Entre eles estão 5.493 idosos acima de 80 anos, 43.345 entre 60 e 79 anos, 7.913 pessoas com alguma deficiência física ou mental ou doença grave e outros 77.492 cidadãos cuja principal fonte de renda é o magistério.

A restituição fica disponível no banco durante um ano. Caso o contribuinte não faça o resgate nesse prazo, os valores terão de ser solicitados pela internet, utilizando o “Formulário Eletrônico-Pedido de Pagamento de Restituição”, ou diretamente no extrato da declaração, no e-CAC, serviço de atendimento virtual da Receita.

Se o valor não for creditado, o contribuinte pode contatar pessoalmente qualquer agência do BB ou ligar para a Central de Atendimento por meio do telefone  4004-0001  (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos)  para agendar o crédito em conta-corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco.

Com informações: O Estado/Ceará

TRF-4 nega liberar Lula para debates na TV e atos de campanha

A juíza do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) Bianca Arenhart negou nesta 2ª feira (6.ago.2018) pedido do PT para autorizar a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no debate eleitoral desta 5ª feira (9.ago) na TV Bandeirantes. O programa reunirá candidatos à Presidência da República.

A magistrada está substituindo o juiz João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato na Corte, que está afastado por motivos de saúde. O partido sugere que a participação fosse por videoconferência ou por vídeos gravados previamente.

Para o PT, como pré-candidato, Lula tem direito de participar do debate. A juíza decidiu rejeitar o pedido por razões processuais e entendeu que o partido não tem legitimidade para fazer o pedido em nome do ex-presidente.

“De fato, nos termos da Lei de Execução Penal, cabe ao próprio executado, por meio de sua defesa constituída ou, na sua falta, à Defensoria Pública da União, pleitear benefícios ao preso”, decidiu a magistrada.

Lula está preso desde 7 de abril na sede da Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba. Cumpre pena de 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O PT confirmou seu nome como o candidato da sigla ao Planalto no último sábado (4.ago).

Com informações: Poder 360 / Agência Brasil

Em sabatina, Ciro diz que adversários querem decidir eleição nos gabinetes ou em celas

Candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, afirmou nessa segunda-feira, 6, que adversários que o isolaram na disputa eleitoral querem decidir a eleição de dentro de gabinetes e celas, limitando seu tempo de televisão a apenas 33 segundos – Ciro só conseguiu apoio do nanico partido Avante.

“Querem resolver a eleição nos gabinetes ou em celas, o que é até pior em certos aspectos”, afirmou, em crítica velada à aliança do Centrão (DEM, PP, PR, PRB e SD) com Geraldo Alckmin (PSDB) e às articulações promovidas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para que PSB e PC do B não aderissem à sua campanha.

Após mais de uma hora de sabatina com empresários ligados à Coalizão pela Construção, coletivo de entidades que representam o setor, Ciro fez críticas nominais a seus adversários. Aos jornalistas, disse que o PT fez aliança de neutralidade do PSB por medo e acusou Lula de agir diretamente para levar o Centrão para Alckmin.

“O Lula trabalhou para o Valdemar Costa Neto [comandante do PR] ir para o Alckmin. O Lula trabalhou para o PR ir para o Alckmin. E eu me recusei a conversar com o Valdemar por razões antigas. Tá tudo certo. Eu só acho que é um erro grave. E não é nobre, mas ninguém precisa ser nobre. E pegou mal pra cacete. O que é, afinal de contas? É tirar o meu direito de falar uns segundinhos a mais”, afirmou.

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) também foi alvo de críticas por se esquivar de perguntas sobre economia. O candidato de direita foi convidado, porém não participou do evento. “No Brasil, iniciou-se de um tempo para cá, a apologia da ignorância. Porque isso dá uma certa afinidade com o nosso povo. Virou um atributo. ‘Sei de nada não, vou chamar o posto Ipiranga’”, ironizou Ciro Gomes.

Ciro também justificou sua aliança com a senadora Kátia Abreu (PDT), oficializada como sua vice, que, aliás, ele chamou de vice-presidenta. Ela foi ministra da Agricultura do governo Dilma Rousseff e era ligada a pautas conservadoras.

“Duvido que tenha um petista que tenha sido mais heroico e mais sacrificado do que a Kátia Abreu foi, com decência e fidelidade à democracia, ao Brasil e a [ex-presidente] Dilma [Rousseff], ao PT. Ela foi expulsa do partido [MDB] pelos quadrilheiros golpistas porque foi fiel [na época do impeachment]”, disse Ciro Gomes.

Aos empresários da construção, falou de quatro pontos que pretende atacar caso seja eleito: os colapsos do crescimento e fiscal, o endividamento do empresariado e o desequilíbrio da balança comercial brasileira.

O presidenciável criticou a concentração de bancos no país, comparando com o número em países como os Estados Unidos. “No Brasil, de forma absolutamente irresponsável, permitimos ao longo dos últimos 15 anos que 85% das transações financeiras do país se concentrem em cinco bancos, dois dos quais estatais [Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal], que participam do cartel”, afirmou.

O candidato disse também que Banco do Brasil e Caixa têm que ser forçados a competir com outras instituições financeiras e criticou qualquer possibilidade de privatizar os bancos estatais. Ao contrário do que aconteceu em sabatina da Confederação Nacional da Indústria (CNI), quando foi vaiado, há pouco mais de um mês, desta vez Ciro foi aplaudido pelos empresários.

O candidato criticou o que considera abusos regulatórios e, para exemplificar, disse que um “garoto do Ministério Público” dita as regras e que órgãos de fiscalização como o Tribunal de Contas da União (TCU) “tem mais engenheiro que os órgãos de execução, só para botar defeito no trabalho dos outros”.

Afirmou que, eleito, fará uma série de mudanças nas leis de improbidade, das licitações, de desapropriações e na estrutura de órgãos de controle. Ciro prometeu “passar uma lupa” nas despesas de estado e nos R$ 354 bilhões de renúncia fiscal. Se comprometeu também a levar a taxa de câmbio a um patamar estimulante.

O presidenciável criticou o pensamento de estimular a economia através do consumo. “Não podemos mais acreditar que o consumo vai fazer o país crescer.” Ciro também criticou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), afirmando que ele “jogou no lixo” a oportunidade de reformar o país.

Com informações: Ceará Agora / Folha de São Paulo

Eleição presidencial terá o maior número de candidatos em 29 anos

As convenções partidárias confirmaram 13 candidatos à Presidência da República – o segundo maior número desde 1989, quando foram 22 concorrentes, já que o comunicador Silvio Santos teve a candidatura impugnada. Neste período, somente o PSDB e o PT disputaram todas as eleições presidenciais com candidatos próprios.

Partido com maior número de filiados – 2,4 milhões -, o MDB não tinha candidatura própria há quatro eleições. Depois que o ex-governador de São Paulo e ex-presidente do partido, Orestes Quércia, ficou em quarto lugar na disputa de 1994, o MDB transitou entre chapas do PSDB e do PT – legendas que monopolizaram as eleições desde aquele ano.

Após o lançamento do Plano Real, o tucano Fernando Henrique Cardoso venceu a eleição no primeiro turno em 1994, com 54,3% dos votos. Naquele ano, o cardiologista Eneas Carneiro (morto em 2007), conhecido pelo discurso agressivo e o bordão “meu nome é Eneas”, surpreendeu o país conquistando cerca de 4,6 milhões de votos, mais do que Quércia e do que o pedetista Leonel Brizola (morto em 2004).

Em 1998, Fernando Henrique Cardoso foi reeleito, novamente vencendo no primeiro turno, com 53% dos votos. Naquele ano, 12 candidatos participaram da eleição presidencial. As eleições de 2002 marcaram o começo da hegemonia do PT: foram quatro vitórias seguidas, todas contra o PSDB.

Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito e reeleito em 2002 e 2006. Depois, Dilma Rousseff conquistou o Palácio do Planalto em 2010 e foi reeleita em 2014, mas não completou o mandato.

Nas quatro últimas eleições presidenciais, a decisão veio no segundo turno.

Saiba quem são os candidatos a presidente nas eleições 2018:

Álvaro Dias (Podemos) 

O senador Álvaro Dias foi escolhido pelos convencionais do Podemos para ser candidato à Presidência da República. A candidatura do parlamentar pelo Paraná foi oficializada em Curitiba, durante convenção nacional do partido. Na primeira fala como candidato, Álvaro Dias anunciou que, se eleito, vai convidar o juiz federal Sérgio Moro para ser ministro da Justiça, e repetiu a promessa de “refundar a República”.

Ele vai compor a chapa com o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, cujo partido, o PSC, havia decidido lançar candidatura própria à Presidência, mas desistiu em favor de uma aliança com o Podemos. Além do PSC, fazem parte da coligação até agora os partidos PTC e PRP.

Podemos confirma Álvaro Dias como candidato a presidente da República, nas eleições de 2018
Podemos confirma Álvaro Dias candidato a presidente da República – Direitos reservados

Cabo Daciolo (Patriota)

A convenção nacional do Patriota oficializou a candidatura do deputado federal Benevenuto Daciolo Fonseca dos Santos, o Cabo Daciolo. O evento ocorreu no município de Barrinha, no interior de São Paulo. O candidato foi escolhido por unanimidade. A candidata a vice é Suelene Balduino Nascimento, do mesmo partido. Ela é pedagoga com 23 anos de experiência e atua na rede pública de ensino do Distrito Federal.

Daciolo defende mais investimentos em educação e segurança por considerar áreas essenciais para o crescimento do país. Em discurso durante a convenção, Daciolo se posicionou contrário à legalização do aborto e à ideologia de gênero.

Cabo Daciolo é confirmado como candidato do Patriota nas eleições 2018
Cabo Daciolo é o candidato do Patriota em 2018 – Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Ciro Gomes (PDT)

O PDT confirmou, no dia 20 de julho, a candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República, na convenção nacional que reuniu filiados do partido. A chapa é composta com a senadora Kátia Abreu (PDT-TO).

Esta é a terceira vez que Ciro Gomes será candidato à Presidência da República: em 1998 e 2002, ele concorreu pelo PPS. Natural de Pindamonhangaba (SP), construiu sua carreira política no Ceará, onde foi prefeito de Fortaleza, eleito em 1988, e governador do estado, eleito em 1990. Renunciou ao cargo de governador, em 1994, para assumir o Ministério da Fazenda, no governo Itamar Franco (1992-1994), por indicação do PSDB, seu partido na época. Ciro Gomes foi ministro da Integração Nacional de 2003 a 2006, no governo do ex-presidente Lula. Tem 60 anos e quatro filhos.

Brasília: PDT confirma Ciro Gomes como candidato à Presidência da República em  convenção nacional que reuniu filiados do partido. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
PDT confirma Ciro Gomes como candidato à Presidência – Marcelo Camargo/Agência Brasil
Geraldo Alckmin (PSDB)

Em convenção nacional realizada na capital federal, o PSDB confirmou, nesse sábado (4), a candidatura do presidente do partido e ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, à Presidência da República nas eleições de outubro. Dos 290 votantes, 288 aprovaram a candidatura de Alckmin. Houve um voto contra e uma abstenção. A senadora Ana Amélia (PP-RS) é a vice na chapa.

No primeiro discurso como candidato, Alckmin disse que quer ser presidente para unir o país e recuperar a “dignidade roubada” dos brasileiros. Ele defendeu a reforma política, a diminuição do tamanho do Estado e a simplificação tributária para destravar a economia.

Convenção Nacional do PSDB, em Brasília, lança Geraldo Alckmin como seu candidato à Presidência da República.
PSDB lança Geraldo Alckmin como candidato à Presidência – José Cruz/Agência Brasil
Guilherme Boulos (PSOL)

O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores SemTeto (MTST), Guilherme Boulos, foi lançado, no dia 21 de julho, como candidato à Presidência da República pelo PSOL, na convenção nacional em São Paulo. Também foi homologado o nome de Sônia Guajajara, representante do povo indígena, para vice-presidente.

Boulos destacou que irá defender temas que pertencem aos princípios do partido, como o direito ao aborto e à desmilitarização da polícia.

O  PSOL confirmou a candidatura de Guilherme Boulos à Presidência da República, na convenção nacional que reuniu filiados do partido
PSOL confirma a candidatura de Guilherme Boulos à Presidência – Rovena Rosa/Ag. Brasil
Henrique Meirelles (MDB)

O MDB confirmou, no dia 2 de agosto, o nome de Henrique Meirelles, ex-ministro da Fazenda, como candidato à Presidência da República. O partido informou que Germano Rigotto, ex-governador do Rio Grande do Sul, será o vice na chapa.

Henrique Meirelles destacou como prioridades investimentos em infraestrutura, para diminuir as distâncias no país, além de saúde e segurança pública. O presidenciável também prometeu reforçar o Bolsa Família. Para gerar empregos, Meirelles disse que pretende resgatar a política econômica, atrair investimentos e fazer as reformas para que o país cresça 4% ao ano.

O ex-ministro Henrique Meirelles durante convenção Nacional do MDB em Brasília.
MDB confirmou candidatura de Henrique Meirelles – Antonio Cruz/Agência Brasil
Jair Bolsonaro (PSL)

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), 63 anos, foi confirmado, no dia 22 de julho, como o candidato à Presidência da República nas eleições deste ano pelo PSL. O vice é o general Hamilton Mourão, do PRTB.

Na convenção, Bolsonaro adiantou que, se eleito, quer excluir o ministério das Cidades e fundir pastas como Fazenda e Planejamento, assim como Agricultura e Meio Ambiente. O candidato prometeu ainda privatizar estatais.

PSL lança candidatura de Jair Bolsonaro  à presidência da República.
PSL lança Jair Bolsonaro à Presidência da República – Fernando Frazão/Ag. Brasil
João Amoêdo (Partido Novo)

João Dionisio Amoêdo foi oficializado candidato à Presidência da República pelo Partido Novo durante convenção na capital paulista, no dia 4 de agosto. O cientista político Christian Lohbauer foi escolhido como candidato à vice-presidente. Entre as principais propostas de Amoêdo estão equilibrar as contas públicas, acabar com privilégios de determinadas categorias profissionais, melhorar a educação básica e atuar fortemente na segurança. O presidenciável também é favorável à revisão do Estatuto do Desarmamento.

João Amoêdo disse que quer levar renovação à política e mudar o Brasil. O presidenciável defendeu a privatização de empresas estatais.

Partido Novo confirma João Amoêdo como candidato a presidente
Novo confirma João Amoêdo como candidato a presidente – Rovena Rosa/Ag. Brasil
João Goulart Filho (PPL)

O PPL lançou, no dia 5 de agosto, João Goulart Filho como candidato à Presidência da República. Ele é filho do ex-presidente João Goulart, o Jango, que teve mandato presidencial, de 1961 a 1964, interrompido pela golpe militar. É a primeira vez que João Goulart Filho concorre ao cargo.

O candidato a vice é Léo Alves, professor da Universidade Católica de Brasília. Algumas propostas do candidato são a redução drástica dos juros da dívida pública para dar condições ao Estado de investir no desenvolvimento social, o resgate da soberania, o controle das remessas de lucros das empresas estrangeiras e a revisão do conceito de segurança nacional.

PPL lança João Goulart Filho a candidato a presidente nas eleições de 2018
João Goulart Filho concorrerá a presidente pelo PPL – PPL/Direitos reservados

José Maria Eymael (DC)

O partido Democracia Cristã (DC) confirmou, no dia 28 de julho, durante convenção na capital paulista, a candidatura de José Maria Eymael à Presidência da República, nas eleições de outubro, e do pastor da Assembleia de Deus Helvio Costa como vice-presidente.

Na área econômica, as diretrizes gerais de governo do DC incluem política macroeconômica orientada para diminuição do custo do crédito ao setor produtivo, apoio e incentivo ao turismo e a valorização do agronegócio com ações de governo específicas, que ainda não foram divulgadas, e apoio aos pequenos e médios produtores rurais.

Convenção Nacionald do Partido Social Democrata Cristão lança Eymael como seu nome para a disputa pela Presidência da República
DC lança Eymael candidato a Presidência – Bruno Murashima/DC/Direitos Reservados
Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

A convenção nacional do PT escolheu, por aclamação, no dia 4 de agosto, o nome de Luiz Inácio Lula da Silva para ser o candidato à Presidência da República. O encontro também homologou o apoio do PCO e do PROS à candidatura do PT. O vice é o petista Fernando Haddad, que foi ministro da Educação e prefeito de São Paulo.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está preso em Curitiba, desde 7 de abril, após ter sido condenado em segunda instância no caso do triplex de Guarujá. O ator Sérgio Mamberti leu, na convenção, uma carta escrita por Lula, onde ele afirmou que “querem fazer uma eleição presidencial de cartas marcadas, excluindo o nome que está à frente na preferência popular em todas as pesquisas”.

Convenção Nacional do PT para lançamento da candidatura de Lula para presidente, na Casa de Portugal.
PT escolheu Lula para candidato a presidente – Rovena Rosa/Agência Brasil
Marina Silva (Rede)

A primeira convenção nacional da Rede Sustentabilidade confirmou, por aclamação, no dia 4 de agosto, o nome Marina Silva como candidata da sigla à Presidência da República. O candidato à vice na chapa, o médico sanitarista, Eduardo Jorge, do Partido Verde (PV), também foi apresentado oficialmente no encontro.

A presidenciável prometeu uma campanha limpa, sem notícias falsas e sem destruir biografias. Se comprometeu com as reformas da Previdência, tributária e política, que acabe com a reeleição e incentive candidaturas independentes. Se eleita, Marina também disse que pretende fazer uma revisão dos “pontos draconianos” da reforma trabalhista que, segundo ela, seriam feitas a partir de um diálogo com o Congresso.

Marina Silva e Eduardo Jorge participam de convenção da REDE (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Marina Silva é candidata a presidente pela Rede  – Fabio Rodrigues Pozzebom/Ag. Brasil
Vera Lúcia (PSTU)

Em convenção nacional, o PSTU oficializou, no dia 20 de julho, a candidatura de Vera Lúcia à Presidência da República e de Hertz Dias como vice na chapa. A escolha foi feita por aclamação pelos filiados ao partido presentes na quadra do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, na zona leste da capital paulista.

De acordo com Vera Lúcia, o plano de governo prevê reforma agrária, redução da jornada de trabalho sem redução de salário e um plano de obras públicas para atender as necessidades da classe trabalhadora.

O PSTU decidiu que não fará nenhuma coligação para a disputa presidencial, nem alianças nas eleições estaduais.

Vera Lúcia do PSTU
Vera Lúcia é a candidata do PSTU – Romerito Pontes/Direitos Reservados
Com informações: Agência Brasil

Após desistências de apoios, Ciro fala em ‘rasteira’ e ‘punhalada pelas costas’

Com tom de desabafo, o candidato do PDT à sucessão presidencial, Ciro Gomes, criticou nesta segunda-feira (6) o PT e o PSDB e acusou as estruturas políticas tradicionais de darem “rasteira” e “punhalada pelas costas”.

Em anúncio da senadora Kátia Abreu como sua candidata a vice-presidente, ele atacou a “confrontação amesquinhada” dos dois partidos que, desde a disputa presidencial de 1994, polarizam a corrida ao Palácio do Planalto.

“É só fuxico, é só tratativa de gabinete, é só conchavo, é só rasteira, é só punhalada pelas costas. Porque a base moral da falta de escrúpulo na política é a mesma base moral de quem tem falta de escrúpulo diante do dinheiro publico”, disse.

No mês passado, após semanas de negociações, os partidos do chamado centrão desistiram de apoiar o presidenciável para anunciar aliança com Geraldo Alckmin, do PSDB. Em uma articulação conduzida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o PSB, que estava prestes a fechar com o PDT, decidiu no domingo (5) ficar neutro na disputa presidencial.

“Curioso”
Para Ciro, é curioso que as estruturas tradicionais de poder não estejam apoiando os candidatos à sucessão de Michel Temer mais bem colocados nas pesquisas de intenções de voto, como Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede) e ele. “É muito curioso que, neste momento, um candidato elegível, que está à frente nas pesquisas, está sozinho. O segundo lugar também está sozinho. E o terceiro a mesma coisa. Você vai encontrar lá no final as estruturas todas ao redor de uma confrontação que tem feito muito mal ao Brasil. Essa confrontação amesquinhada do PT e do PSDB”,disse.

Jogadas
Para ele, parece que as estruturas tradicionais “não aprenderam nada” e desrespeitam de forma acintosa “a mínima regra de palavra dada é para ser cumprida”. Segundo ele, elas fazem jogadas dentro de gabinetes, sem incluir a população. “Estão jogando cartas e excluindo da população candidaturas como a de Marília Arraes, em Pernambuco, e Marcio Lacerda, em Minas Gerais. Dois anos depois que as pessoas, estimuladas pelos seus partidos, foram se preparando”, ressaltou.

Acordo
Em um acordo entre PT e PSB, as duas candidaturas ao governo estadual foram rifadas pelas cúpulas nacionais das siglas, o que gerou protestos e reações nos diretórios regionais. “Se eu não tenho escrúpulo para te dar minha palavra e cumprir, por que, diante de uma montanha de dinheiro difusamente pertencente ao povo, eu vou deixar de roubar? Isso é o que está na base do apodrecimento e isso é um fim de ciclo que vamos apontar para o povo”, afirmou.

Estilo
Criticado pela verborragia, Ciro disse que agora tem evitado usar “palavra mais azeda” ao criticar o estabelecimento de taxas de juros por instituições financeiras. Ele já foi alertado pelo irmão, Cid Gomes, a usar menos palavrões em discurso públicos. “É preciso entrar forte para combater esse cartel e fazer a taxa de juros se acomodar a um mínimo de compostura, que não é mais irracionalidade econômica, é falta de compostura, para não dizer uma palavra mais azeda, porque agora eu sou o futuro presidente do Brasil, não sou mais um particular”, disse.

Vice
Em seu primeiro pronunciamento oficial desde a sua confirmação na chapa presidencial, Kátia Abreu disse que o desafio será talvez o maior de sua vida. Ela disse que antes mesmo de mudar do MDB para o PDT já tinha escolhido Ciro como seu candidato a presidente e afirmou que será uma vice-presidente disciplinada, como Marco Maciel. Ele ocupou o posto durante os dois mandatos de Fernando Henrique Cardoso. “Nós gostaríamos de ter alianças com outros partidos, mas não foi possível e eu não fujo a luta”, disse. “Faremos uma campanha sem atacar as pessoas, sem ficar procurando a vida pregressa”, garantiu.

Com informações:Política com K / Folha de São Paulo

 

Tempo na TV: Alckmin terá mais de 5 minutos e Bolsonaro 7 segundos

Os candidatos a presidente da República terão direito a dois blocos fixos de 12 minutos e 30 segundos. Cada bloco vai ao ar  à tarde e à noite, às terças-feiras, quintas-feiras e sábados ao longo de 35 dias. Geraldo Alckmin (PSDB) vai ter nada mais, nada menos do que 44% de cada bloco. Algo em torno de 5 minutos e 32 segundos por bloco.

Na sequência, a chapa do PT terá cerca de 20% do tempo de cada bloco. Portanto, pouco mais de dois minutos. Henrique Meirelles (MDB) terá tempo aproximadamente 17% do tempo total, que vai equivaler a menos de dois minutos. Os números ainda serão fechados pela Justiça Eleitoral depois do dia 15.

Jair Bolsonaro (PSL) terá direito a apenas 7 segundos por programa, menos de 1% do tempo total de cada bloco. Marina Silva (Rede) aparecerá por 24 segundos (cerca de 3%). Ciro Gomes (PDT) terá aproximadamente 15 segundos por bloco.

Porém, as mais poderosas armas na propaganda da TV e do rádio são as inserções ao longo da programação das emissoras. Para se ter uma ideia, Bolsonaro, líder nas pesquisas, terá uma inserção de 30 segundos a cada três dias. Alckmin, apenas o quarto ou quinto colocado (a depender do cenário) terá 12 inserções por dia de 30 segundos. Ou 24 de 15 segundos.

Com informações: Focus

PT define Haddad como vice de Lula na disputa eleitoral e fecha com PCdoB

O PT oficializou, na noite deste domingo, 5, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como candidato a vice-presidente na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República. A composição da chapa, no entanto, ainda pode mudar, porque o partido fechou uma aliança com o PCdoB, convidando a deputada gaúcha Manuela D’Ávila para ser a vice após a Justiça Eleitoral definir a situação de Lula na disputa. A parlamentar ainda não respondeu oficialmente se aceita o convite.

Haddad, visto como um “plano B” do PT para substituir Lula na disputa, foi apresentado como um “vice tampão” para representar o ex-presidente na campanha, enquanto a condição jurídica de Lula não é definida.

O acordo com o PCdoB garantiu ao partido que Manuela será a vice do PT independentemente de quem for a cabeça de chapa, em caso de impugnação do ex-presidente. Haddad ficará no posto de vice para cumprir exigência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), fazer campanha para Lula no País e representar o ex-presidente nos debates e entrevistas que participar.

Inicialmente, o PT queria manter a vaga de vice em aberto até o registro da candidatura, em 15 de agosto. Técnicos do TSE, no entanto, informaram que a coligação e a chapa precisariam ser definidas até este domingo. A comunicação ao tribunal foi feita cinco minutos antes da meia-noite.

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), classificou a situação como mais uma tentativa de barrar a candidatura de Lula, preso e condenado na Lava Jato. “É uma ação que foi feita exatamente para se colocar mais um obstáculo na candidatura do presidente Lula, uma intervenção da Justiça Eleitoral”, disse a dirigente. Ela reiterou que o partido manterá a candidatura de Lula “até as últimas consequências” e registrará seu nome como candidato no dia 15 de agosto.

Carta

Para oficializar a escolha, a Executiva do PT recebeu uma carta de Lula indicando Haddad como vice e pedindo que o partido insistisse na aliança com o PCdoB e no convite para Manuela ser vice. Na mensagem, Lula disse que Haddad seria o melhor nome para defender suas ideias. O ex-governador da Bahia Jaques Wagner, sondado anteriormente, fez chegar ao PT que não gostaria de ser indicado como vice.

Com a decisão tomada e a negociação com o PCdoB amarrada, os dirigentes petistas tentaram fazer chegar a Lula o resultado do acordo, mas, devido ao horário em que o ex-presidente está autorizado a receber recados na Polícia Federal em Curitiba, não deu tempo. A notícia da aliança com o PCdoB deve chegar ao ex-presidente na manhã desta segunda-feira, 6.

Em seu discurso, Haddad disse que será “um prazer” andar pelo País defendendo as ideias do ex-presidente. Ele ressaltou que os programas de governo do PT e do PCdoB “só têm coisas em comum” e serão compatibilizados. O ex-prefeito e ex-ministro de Lula classificou a coligação, que também integra PROS e PCO, como uma “grande aliança para resgatar o País”.

Já a presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos, afirmou que o convite para Manuela ser vice “honra” o partido e que a legenda defendeu a união da esquerda nas eleições desde o começo, tendo tido sucesso na “unidade que foi possível.” Ela lamentou que a aliança não tenha sido mais ampla. O partido conversou também com o PDT, que lançou Ciro Gomes como candidato. “Vamos fazer o bom combate e com debate de ideias e vamos ganhar a quinta eleição consecutiva”, disse a dirigente.

Manuela D’Ávila, no entanto, ainda não respondeu oficialmente se aceita ser vice do PT. A assessoria de imprensa da deputada gaúcha disse que ela não se manifestaria no momento.

Com informações: Isto É / Estadão

Saiba quem são os 13 candidatos a presidente da República e seus vices

Em 1989, a primeira eleição depois da redemocratização do país, um governo enfraquecido pela CPI da Corrupção e por inflação mensal de 80% fez a maioria dos partidos testar a força nas urnas. Desta vez, a situação não é muito diferente. A Lava-Jato e seus desdobramentos levaram Lula para a cadeia e solaparam a popularidade do governo Michel Temer, que tentava ganhar confiança para recuperar a economia. Diante desse quadro, o número de candidatos a presidente da República se multiplicou, atingindo 14. Só não é maior por causa da lição do pleito de 1989. Lá atrás, com tantos postulantes ao cargo, passaram ao segundo turno os extremos do espectro político e com um discurso da antipolítica — Fernando Collor de Mello, do então minúsculo PRN, e Luiz Inácio Lula da Silva, candidato de um PT bem mais modesto. Nesta eleição, o esforço por alianças, nos últimos dias, foi justamente para tentar evitar que a história se repita.
Na disputa de 1989, o PSDB lançou Mário Covas; o PTB, o ex-ministro dos Transportes, Affonso Camargo; o PL, Guilherme Afif Domingos; o PSD, Ronaldo Caiado; o PFL (atual DEM), o ex-ministro e ex-vice presidente Aureliano Chaves. Agora, DEM, PTB, PSD (atual partido de Afif Domingos) se uniram ao PSDB para evitar que o segundo turno termine na mão dos extremos representados por Jair Bolsonaro (PSL) e um nome de esquerda, seja Ciro Gomes, seja quem chegar pelo PT.
A engenharia política dos últimos 10 dias levou para Alckmin nove partidos e a maior coligação eleitoral. Mas não foi suficiente para tirar o senador Alvaro Dias (Podemos-PR) do páreo. Assim como em 1989, o PTB de Affonso Camargo não quis conversa com o PSDB nem com o PDT, tampouco Marina Silva, que vai para a campanha com uma estrutura semelhante àquela que Fernando Gabeira, o candidato do PV, obteve à época. Gabeira, num mundo sem internet, “morreu na praia”.
Os especialistas, no entanto, não colocam Marina entre os candidatos marcados para morrer na praia. Eles listam, hoje, seis com chances reais de chegar ao segundo turno, porém, consideram difícil fugir da polarização PT-PSDB. “Ainda vejo essa polarização como uma realidade concreta, porém não está garantida por causa do surgimento de outras opções que se mostram viáveis”, diz Cristiano Noronha, da Arko Advice.

Com chances

Além de Alckmin e do candidato do PT, que dificilmente será Lula, Noronha cita Jair Bolsonaro, do PSL; Alvaro Dias, do Podemos; Marina Silva, da Rede Sustentabilidade; e Ciro Gomes, do PDT, como os que têm de ir adiante. Ou seja, seis das oito candidaturas que fecharam coligação.
A probabilidade de uma das outras oito candidaturas chegar longe na campanha é ínfima. Seja por falta de capilaridade nos estados, seja por falta de recursos. Dessas, duas formaram aliança. O MDB, de Henrique Meirelles, e o PSol, de Guilherme Boulos, ambas com chapas puras. Mas nem mesmo eles alçarão voos altos. Os socialistas são pequenos e não conseguirão crescer em uma frente da esquerda, que já conta com Ciro e o PT.
Os emedebistas também terão vida difícil, devido à imagem vinculada ao governo Temer, pondera Noronha, da Arko. “Meirelles não é unanimidade no MDB, e a associação dele com a popularidade muito frágil do governo, que tem um alto índice de rejeição, é uma situação muito prejudicial”.
Dos seis mais cotados, Ciro e Alvaro têm chances equiparáveis. O pedetista conta com prestígio de boa parte de eleitores da esquerda, mas os poucos minutos que terá de televisão são obstáculo para expor ideias e abocanhar eleitores do PT. A lógica envolvendo o senador do Podemos não é muito diferente. Ele é pouco conhecido fora do Sul do país, e a coalizão montada não garante muita visibilidade. “Também é uma estrutura modesta”, pondera Noronha.
O cenário de Marina não é muito melhor. Ela ainda tem um eleitorado cativo das duas últimas eleições. No entanto, diferentemente de 2010 e 2014, o ambiente é mais hostil. Não no sentido de rejeição, mas de dificuldades. Há postulantes com maior potencial de crescimento nas eleições, como Alckmin, ou eleitores mais fiéis, como os de Bolsonaro. Pesa contra Marina a fraca coligação montada. Há quatro anos, depois da morte de Eduardo Campos, ela passou a liderar uma aliança do PSB com outros cinco partidos, montada pelo ex-governador de Pernambuco, que faleceu num acidente aéreo em 13 de agosto de 2014. Dessa vez, Marina conta apenas com o PV. Os recursos também caíram. Eram R$ 45 milhões. Agora, a Rede tem um limite de R$ 10 milhões para gastar com todas as campanhas.
O ambiente acaba sendo propício para Bolsonaro, Alckmin e o PT. O primeiro conta com um eleitorado cativo e com a onda conservadora que cresce na América Latina e no mundo. Mas não dispõe de minutos de televisão e precisará apostar muito no marketing digital, onde a tendência ao longo da campanha é de que o jogo fique empatado. O tempo de televisão é fator positivo para Alckmin, que caminha para 12 inserções diárias na programação normal das emissoras. O PT terá no máximo cinco inserções diárias e Bolsonaro, uma a cada dois dias.
A capacidade de Bolsonaro de se manter no topo das eleições com uma estratégia limitada às redes sociais é questionada pelo sociólogo e cientista político Paulo Baía, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Por esse motivo, ele também aposta numa desidratação de Bolsonaro e a volta de uma polarização entre o PSDB, fortalecido pelo centrão, e o PT, que deve montar uma tática para transmitir os votos de Lula ao candidato que vier a ser o “plano B, provavelmente, Fernando Haddad.
Ciente de que, em 1989, quase perdeu a vaga no segundo turno para o PDT, de Leonel Brizola, o PT tentou até o último minuto “limpar a área”. Queria, na verdade, reconstruir a coligação PT-PSB-PCdoB que, naquele ano, guindou Lula ao segundo turno por uma diferença de 0,6% dos votos em relação a Brizola. Agora, os petistas conseguiram tirar fôlego do candidato do PDT, que estava prestes a conseguir um acordo com o PSB. Os socialistas se afastaram de Ciro depois que PT ofereceu apoio à reeleição do governador Paulo Câmara, em Pernambuco.

Com informações: Correio Braziliense