Governo declara estado de emergência em Forquilha após foco de peste suína

Portaria publicada no Diário Oficial do Estado desta quinta-feira, 11, declarou estado de emergência zoossanitária no município de Forquilha (Região Norte) por prazo de 12 meses. A medida se dá após confirmação de foco de peste suína clássica. Assim, estão interditadas todas as propriedades rurais e demais estabelecimentos com suínos e produtos “que representem risco para manutenção ou difusão da doença”. O comércio de suínos do Ceará – produção escoada apenas entre os estados do Nordeste -, permanecerá impedido.
A publicação, assinada pelo secretário da Agricultura, Pesca e Aquicultura (Seapa), Euvaldo Bringel, antecipa que “a área de emergência zoossanitária poderá ser alterada, por ato normativo da Secretaria, de acordo com a evolução das investigações epidemiológicas e dos trabalhos de vigilância zoossanitária em execução”.
Está proibida a saída de suínos e demais produtos de risco para peste suína, justificada pela necessidade da “imediata aplicação de medidas específicas para contenção e eliminação” do vírus, prevenindo a disseminação para outras áreas do Estado.
Alastramento 
Partes dos município de Sobral e Groaíras também seguem em alerta devido ao foco da doença, identificado em Forquilha, numa propriedade familiar pequena, no distrito de Mulungu. As localidades vizinhas estão dentro do perímetro de vigilância externa.
Pelo menos 109 porcos serão abatidos por conta do vírus. A Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri) informou que foram intensificadas as ações de vigilância epidemiológica e que todas as medidas mitigatórias estão sendo tomadas para o controle da doença e de consequentes prejuízos econômicos ao setor.
A doença 
A peste suína clássica é fatal para os suínos domésticos e selvagens mas não traz riscos à saúde humana e nem às demais espécies de animais domésticos.
A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informou que não há riscos de disseminação da doença que afete a produção nacional. O problema foi informado à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).
A ABPA esclareceu que a Peste Suína Clássica é menos grave que a Peste Suína Africana e tem processo de erradicação mais eficiente.
Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o caso não deve interferir nas exportações do Brasil, cujos produtos são de criações de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
Amorim Sobreira, diretor de Sanidade Animal da Adagri, informou que o sacrifício dos 109 animais vai ser feito nos próximos dias. “Precisamos providenciar alguns detalhes, como o local, a máquina para cavar as valas onde os animais serão enterrados”
Amorim detalha que no Ceará existem aproximadamente 20 grandes produtores com produção a partir de 300 matrizes, com população de suínos em torno de 1,1 milhão de animais.
Prejuízos 
Segundo Paulo Hélder, presidente da Associação de Suinocultores do Ceará (Asce), fundos do Rio Grande do Sul e Santa Catarina serão direcionados para ressarcir o produtor da propriedade em que o foco foi encontrado.
Os dois estados têm interesse na resolução do problema, por serem grandes exportadores da carne para o exterior. Paulo alerta que os estados poderiam ser prejudicados, já que um foco da peste existe no País e poderia impedir essa exportação.
Marcelo Lopes, presidente Associação Brasileira de Criadores de Suínos, acrescenta que os procedimentos de biossegurança devem proteger as produções que comercializam os porcos. “Tomamos todos os cuidados, como bloquear o transporte de animais de um estado para o outro”.
Com informações: O Povo

Estratégia de Ciro mira 2022 – Por Paulo César Norões

Quem conhece política sabe que nada é por acaso. Se Ciro Gomes estabelece que vai dar apenas ‘apoio crítico’ a Fernando Haddad, pode ter certeza de que existe uma razão por trás. Uma razão política, claro. Ciro sabe que não pode se omitir numa disputa como essa, em razão da polarização entre esquerda e direita. Mas, sabe também que não será fácil para o petista tirar a diferença. E aí vem a pergunta: por que ele vai se matar por um partido que fez tudo o que pôde para inviabilizar sua candidatura? Por esse ângulo, o tal ‘apoio crítico’ está de bom tamanho. O PT não fez tanta questão de ter candidato próprio? Pois que trate de elegê-lo. Se o quadro atual se mantiver e Haddad perder a eleição, o pedetista comprova que estava certo e fica em posição confortável para liderar uma frente de esquerda de oposição ao governo Bolsonaro, já de olho em 2022.

Afinado

O gesto de Ciro não foi isolado. Ato contínuo o irmão Ivo, prefeito de Sobral, se posicionou em seu perfil no Facebook. “#EleNão e oposição a quem quer que vença as eleições. Embora haja um mal maior, nenhum dos dois projetos serve ao Brasil”, escreveu Ivo Gomes. Mais direto, impossível.

#HaddadSim

Já Camilo Santana tem razões de sobra para querer a vitória de Haddad. Além de petista como ele, a chance do governador ser prestigiado por um eventual governo de Bolsonaro é mínima. O próprio candidato do PSL já deixou claro que vai dar preferência aos aliados.

Encontro

Camilo reúne na noite de segunda-feira (15), no Marina Park, prefeitos, deputados, vereadores, apoiadores e lideranças políticas em geral e de movimentos sociais. Vai agradecer o apoio à sua reeleição e convocar a todos para a campanha de Haddad, no Ceará.

Com informações: Paulo César Norões

TRE-CE disponibiliza dados detalhados da votação

Já estão disponíveis os dados detalhados da votação dos candidatos no primeiro turno em cada município, zona eleitoral e seção do estado do Ceará. Basta o interessado acessar o site do TRE-CE, em “Eleitor e Eleições” / “Eleições”/ “Resultados” ou http://apps.tre-ce.jus.br/tre/eleicoes/resultados/2018/.

Em breve, serão disponibilizados novos relatórios.

Os eleitores também pode verificar, no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os boletins de urna (BUs) com o quantitativo de votos apurados no primeiro turno das Eleições 2018. O link Boletim de urna na web permite consultar os resultados de cada urna em qualquer parte do país e do exterior. Para efetuar a pesquisa, basta preencher os campos unidade da federação, município, zona e seção. Para consultar as urnas do exterior, basta selecionar no campo “UF” a sigla ZZ.

Com informações: ASCOM do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Ceará

Tasso e Eduardo Girão devem definir trabalho conjunto na bancada

O senador Tasso Jereissati (PSDB) e o senador eleito Eduardo Girão (PROS) deverão ter encontro para discutir um trabalho integrado na bancada cearense no Senado, a partir de fevereiro de 2019. No início da semana, eles conversaram pelo telefone, quando Tasso parabenizou Eduardo pela vitória. Nestas eleições, PSDB e PROS integraram a aliança de oposição no Estado.

Eduardo tem mantido encontros com lideranças do PROS, nos quais avalia a sua eleição. Em entrevistas, Capitão Wagner – eleito deputado federal – tem admitido a necessidade de um trabalho estratégico das oposições com vistas às eleições municipais de 2020, em especial na sucessão de Fortaleza.

 

Com informações: Eliomar de Lima

 

Com expressiva votação AJ Albuquerque é conduzido à Câmara Federal

Pela primeira vez na disputa por uma das 22 vagas na Câmara Federal, AJ Albuquerque (Progressistas) figura entre os 10 deputados federais mais bem votados.
Filho do presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, deputado Zezinho Albuquerque e atualmente ocupando a presidência estadual do Progressista, AJ foi eleito com mais de 130 mil votos de cearenses dos 184 municípios do Estado.
Uma de suas grandes votações aconteceu em Caucaia, onde recebeu o apoio do grupo político liderado pela presidente da Câmara daquela cidade, vereadora Natécia Campos e obteve mais de 6.000 votos.
Favorável às transformações e reformas sociais, AJ faz parte de um novo momento da política cearense. “Representamos a renovação da Câmara Federal. Com nosso espírito público e juventude vamos trabalhar, sobretudo, para fortalecer a educação de nossas crianças e jovens. Essa é a nossa principal bandeira”. destaca.
Com informações: Roberto Moreira

Morre o técnico e ex-jogador Argeu dos Santos

Morreu na madrugada desta quinta-feira (11) o técnico e ex-jogador do Ceará Argeu dos Santos. Ele lutava contra um câncer de próstata.

Desde 2015, Argeu lutava contra problemas de saúde. A informação foi confirmada por uma amiga próxima da família.

Argeu foi um dos maiores zagueiros da história do futebol cearense. Além de ter jogado no Ceará, o atleta passou, como treinador, por vários clubes do futebol local, conseguindo vários acessos e levando outros a finais de turno e campeonato, como Horizonte e Guarany.

Ele tinha 63 anos e chegou a se afastar do futebol entre 2014 e 2015 por problemas decorrentes de uma hérnia de disco, anormalidade na próstata e uma ferida na perna.

Biografia

Argeu dos Santos iniciou a carreira como jogador em 1972 pelo Vasco da Gama. Zagueiro técnico e de boa velocidade e marcação, logo chegou ao time titular ajudando o clube carioca a conquistar o título brasileiro de 1974. Após passagens pelo Vasco, Campinense e América de Natal, Argeu foi contratado pelo Ceará no início dos anos 1980 onde ajudou a conquistar o certame local de 1980, 1981, 1984 (marcou três gols no certame) e 1986. Após atuar pelo time Alvinegro, Argeu tem uma rápida passagem pelo Central de Pernambuco e Fluminense de Feira de Santana.

Nos anos de 1991 e 1992, Argeu se tornou ídolo do Fortaleza depois das conquistas do cearense. O atleta ainda vestiu as camisas do Ferroviário, Moto Club, Tiradentes/CE, 4 de Julho e encerrou a carreira no Quixadá em 1994.

Como treinador, Argeu dos Santos ficou conhecido como o “rei do acesso”, por ajudar muitos clubes do Interior a realizar conquistas. Trabalhou como técnico no Quixadá, Fortaleza, Ferroviário, Uniclinic, River do Piauí, Boa Viagem, Maranguape, Crateús, Central de Pernambuco, 4 de Julho, Botafogo/PB e Horizonte.

Um dos seus maiores trabalhos como treinador foi com o Horizonte em 2008. Com ele no comandado, o Galo realizou uma das suas melhores campanhas no certame local. Com um time formado por Jefferson, Izaquiel, Gilmak, Eusébio, Júnior Cearense, Raul, Léo Jaime e Stênio, o Horizonte chegou a decidir o 2º Turno com o Fortaleza. Primeiro jogo da final saiu 3 a 1 para o Fortaleza. No segundo o Galo venceu por 1 a 0. Na decisão nos pênaltis deu Tricolor pelo placar de 5 a 4.

Ceará, Fortaleza e Ferroviário divulgam nota de pesar pelo falecimento de Argeu dos Santos

O Ceará, clube onde Argeu se destacou notadamente, lamentou e decretou luto no clube por um dia.

“O futebol cearense perde um dos seus grandes símbolos e um pouco da sua memória”, trecho da nota ofical do Ceará Sporting Club”

Pelo Alvinegro, foi campeão estadual em 1984 e 1986. O retrospecto no Ceará Sporting Club, entre 1982 e 1988, foi de 269 jogos e 24 gols marcados.

Já o Fortaleza Esporte Clube, onde Argeu atuou no início dos anos 90, também demonstrou apoio.

“Fortaleza se solidariza com família e amigos de Argeu dos Santos, ao tempo que presta as condolências”

O Ferroviário, clube onde o ex-zagueiro não apenas atuou mas também foi técnico, também mandou a sua mensagem.

“O Ferroviário Atlético Clube lamenta profundamente o falecimento do ex-atleta e técnico Argeu dos Santos. Com toda uma vida dedicada ao futebol, Argeu foi um dos maiores zagueiros do futebol cearense e teve grande destaque como técnico no futebol local”.

Argeu dos Santos é velado na manhã desta quinta-feira, no Ginásio Joaquim Domingos Neto, do Horizonte Futebol Clube. O sepultamento acontece no Cemitério Municipal de Horizonte.

Em 2016, Argeu lembrou ao Diário do Nordeste o dia em que enfrentou Romário no Castelão, 30 anos antes. Assista:

Com informações: Diário do Nordeste

Derrotas em redutos de aliados tiraram Eunício do Senado

Derrotas em redutos dominados por candidatos da base aliada foram decisivas para o fracasso de Eunício Oliveira (MDB) contra Eduardo Girão (Pros) na disputa pelo Senado. Entre os 33 municípios do Ceará onde o emedebista perdeu para o adversário, apenas dois não deram votações expressivas para deputados eleitos aliados de Camilo Santana (PT).

Em todos os outros, pelo menos um candidato próximo do governo foi eleito com grande votação que não se refletiu em votos para Eunício. Observando o mapa das vitórias de Girão, real empenho de deputados da base pela vitória do emedebista fica sob suspeita. Durante a campanha, foram vários os rumores sobre “traições” de aliados contra Eunício.

 

Em alguns casos, municípios que deram votações expressivas para mais de um deputado da base só arregimentaram poucos votos para o emedebista. Apesar de ter conseguido a maior parte da votação na Região Metropolitana de Fortaleza, Eduardo Girão teve municípios do Interior como “fiéis da balança” para os menos de 12 mil votos que lhe garantiram a vitória.

Segundo o coronel Plauto de Lima, um dos articuladores da campanha de Girão, não houve qualquer tipo de acordo entre o candidato do Pros e deputados da base. Ele destaca, no entanto, ter notado perceptível movimento de lideranças locais em “abrir” o 2º voto para o Senado, sem pedir apoio a Eunício. “Deram uma de Pôncio Pilatos: lavaram as mãos”.

Casos notáveis envolvem os deputados José Guimarães (PT) Dr. Sarto (PDT). Em três municípios onde eles foram os mais votados, Eunício teve pequena votação e acabou derrotado. “A rigor, não fiz campanha para o Eunício. Deixei as bases à vontade, só tinha um senador, que era o Cid”, admite Sarto, que em setembro prometia pedir votos ao emedebista.

“Meu grupo ficou chateado com apoio de Eunício a grupos opostos em Acopiara (base do deputado), então acabou optando por outra candidatura. Ainda ponderei que Camilo e Cid tinham pedido pelo Eunício, mas não deu”, explica Sarto. “Ele tentou puxar voto para aliados na base de outros, então criou uma ambiência muito ruim. Foi muito pouco hábil”, disse.

Plauto destaca ainda que, em várias regiões, líderes locais mesmo os ligados à base aliada enxergaram a disputa entre Eunício e Girão como oportunidade de fazer uma “prévia” da eleição municipal de 2020. “Como o MDB tinha muitos desses prefeitos, muita gente da oposição viu nisso uma oportunidade de ver as chances para 2020”, diz.

Em Quixeramobim, reduto histórico de José Guimarães e onde Girão venceu por mais de 10 mil votos de diferença, pesou nesse sentido racha entre o prefeito, Clébio Pavone (SD), e o vice, Sargento Rogério (Pros). Em cidades como Santa Quitéria, circularam adesivos que uniam Camilo, Guimarães, o deputado estadual Bruno Pedrosa (PP) e Eduardo Girão.

A reportagem tentou entrar em contato com José Guimarães para falar sobre o caso. O deputado, no entanto, não atendeu ligações. A assessoria de Eunício Oliveira disse que ele não irá se manifestar sobre o assunto.

Com informações: O Povo

Ceará gera 4,6 mil vagas de trabalho com carteira assinada em agosto de 2018, das quais 3,2 mil no interior

Os dados mais recentes, de agosto de 2018, mostram que foram criadas no Ceará 4.661 vagas de trabalho com carteira assinada, sendo o interior responsável por 3.295 e a Região Metropolitana de Fortaleza por 1.366 vagas. Com o resultado, o Estado ocupou a quarta posição no Nordeste e a oitava no Brasil na geração de empregos. O acumulado de empregos com carteira assinada até agosto de 2018, quando totalizou 15.175 postos, representou um crescimento de 1,35% sobre o estoque de empregos celetistas observado no Estado em dezembro de 2017.

O resultado em agosto de 2018 é bem diferente do saldo acumulado negativo de empregos observado no mesmo período do ano anterior (-5.217 postos de trabalho), refletindo uma recuperação do mercado de trabalho cearense. Os dados estão no Enfoque Econômico nº 200 – Desempenho do Emprego Celetista Cearense – Agosto de 2018, que acaba de ser publicado Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Ceará.

De acordo com o estudo, elaborado pelo analista de Políticas Públicas Alexsandre Lira Cavalcante, que contou com a colaboração do estagiário Heitor Gabriel Silva Monteiro, Fortaleza foi o município que mais contratou no mês de Agosto de 2018 (+1.294 postos), puxado pelas atividades de ensino; comércio varejista; transportes e comunicação. Foi seguido por Várzea Alegre, com 337 postos; Sobral, com 290 postos; Granja, com 276; Limoeiro do Norte, com 221; Juazeiro do Norte (217); Icapuí (205); Iguatu (165); Aracati (151) e Maranguape (125).

Os municípios que apresentaram menores saldos negativos foram Aquiraz, com -110 postos, resultado devido à atividade de alojamento e alimentação; Maracanaú (-80 postos), consequência das demissões na indústria mecânica, de vestuário e atividades imobiliárias e mobiliárias e serviços técnicos. Seguido por Senador Pompeu (-47 postos), resultado influenciado pela indústria de calçados. O trabalho tem como fonte dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho para o mês de Agosto de 2018.

O documento também traz a informação sobre a dinâmica da geração de empregos com carteira assinada para o acumulado do ano e até o mês em análise nos últimos nove anos. O acumulado até agosto de 2018 foi o primeiro positivo da série ajustada desde o agravamento da crise em 2015, assim é possível observar um encerramento do ciclo recessivo das contratações celetistas e o início de um ciclo de crescimento dessas. Pelos movimentos da série histórica, espera-se um maior ritmo de contratações nos meses restantes do segundo semestre.

O Enfoque Econômico nº 200 mostra ainda que sete das oito atividades apresentaram saldos positivos de empregos em agosto de 2018 no Ceará com exceção de SIUP. A maior contribuição foi novamente dada pelo setor de Serviços (+1.517 vagas), puxada pela atividade de ensino, seguido pelo Comércio (+1.056 vagas) e pela agropecuária (+950 vagas) para citar as três maiores. O Brasil, em agosto deste ano, apresentou um saldo positivo, entre admissões e desligamentos, de 110.431 postos de trabalho. O setor de Serviços foi responsável por 60 por cento do saldo mensal (66.256 vínculos), puxado pelas atividades de ensino e comércio e administração de imóveis, valores mobiliários e serviços técnicos. Somente a atividade da agropecuária registrou saldo negativo (-3.349 vagas).

 

Com informações: ASCOM do Governo do Estado do Ceará

Futuros ex-deputados traçam planos e esperam lugar no governo

Enquanto alguns deputados cearenses que não obtiveram êxito nas urnas neste ano ainda amargam a derrota, sentenciada no último domingo (7), outros já traçam planos sobre o que farão após a conclusão do atual mandato. Na Assembleia Legislativa, onde novatos ocuparão 17 das 46 cadeiras a partir de 2019, parlamentares da base governista que perderam a disputa estão na expectativa de serem chamados para ocupar cargos na segunda gestão do Governo Camilo Santana (PT).

A deputada estadual Rachel Marques (PT) foi uma das que perderam a disputa por cadeira na Câmara dos Deputados. Ela, que só foi efetivada na Assembleia após a saída de deputados eleitos prefeitos, em 2016, atribuiu a derrota ao cenário político. “Em relação ao crescimento de pessoas ligadas ao (Jair) Bolsonaro, que nunca tiveram uma atuação política. Isso é um fenômeno que ocorreu nessas eleições, inclusive, (afetou a eleição) de deputado federal”.

Sobre o futuro, Rachel não descarta ser chamada para assumir eventuais funções no governo estadual. “Não tivemos nenhuma conversa com o governador, nem com a Executiva do PT, mas é algo possível. Venho com a experiência de ter sido gestora na Companhia Docas do Ceará”, menciona. A petista, porém, ainda trabalha com a possibilidade de ocupar uma cadeira no Legislativo Federal. “O partido poderá discutir se algum parlamentar poderia ir para secretaria e eu assumo (cadeira) na Câmara Federal. Isso ocorria muito na Assembleia”.

Ocupando até o fim deste ano o quarto mandato na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Lucílvio Girão (PP), por sua vez, afirmou que não conseguiu se reeleger devido ao acirramento da disputa na região de Maranguape, sua terra natal.

arte

“Foram oito (candidatos) pesados, fora os que vêm de fora. Eu caí por dois mil votos. Só que sou o primeiro suplente da coligação grande, vamos estar no rodízio e vou entrar direto (na Assembleia)”, disse o parlamentar, confiante sobre ser efetivado na próxima legislatura. Isso porque ele aposta que deputados eleitos na sua coligação deverão ser escalados para o governo. “Toda vida chamam. Se (eu) não entrar, a gente vai continuar a profissão de médico, que eu nunca abandonei”.

Internet

O deputado Ely Aguiar (DC) concorreu ao quarto mandato, mas considerou que um dos motivos de não ter sido bem-sucedido nas urnas foi a falta de investimento em redes sociais durante a campanha. “É possível ser eleito se souber usar a rede social. O maior exemplo disso é o Bolsonaro, que não participou de nenhum debate”.

Ele também reclama, contudo, do “rolo compressor” de candidatos apadrinhados pela máquina pública, “com uma estrutura jamais vista”. Segundo Aguiar, tais candidatos teriam “engolido” os votos dele em colégios eleitorais. “Tanto é que eu tive só dois mil votos na minha cidade. Antes, tive sete mil”, comparou.

Agora, sem a chance de voltar para novo mandato no Legislativo, Ely, que é jornalista por formação e apresentador de programas de TV, disse que ficará “à disposição do mercado da comunicação”. Ele, que também é servidor público, disse que aproveitará para solicitar a aposentadoria parlamentar. Pelas regras da Assembleia Legislativa, todo deputado efetivado que tiver, no mínimo, 20 anos de contribuição e 15 anos de contribuição de outro sistema público pode ter direito à aposentadoria, que corresponde a 80% das contribuições pagas pelos parlamentares.

Também de fora

Além de Ely Aguiar, outros três deputados estaduais ficam de fora da Assembleia a partir do ano que vem. Ontem, no retorno das atividades da Casa, após o recesso parlamentar aprovado para as duas últimas semanas de campanha, a deputada Bethrose (PP) não compareceu à sessão plenária. Nas palavras de um aliado, ela, na verdade, “nunca esteve na relação” dos eventuais reeleitos, por conta da votação “baixa” obtida em 2014, com 31.666 votos.

O deputado Carlos Matos (PSDB) também não foi para a Assembleia, ontem, e nem deve ir ao longo desta semana. Interlocutores dizem que o tucano estava “certo” de que conquistaria a reeleição, quando foi surpreendido com o resultado. Mário Hélio (Patriota) foi outro que não marcou presença nas atividades. Ele era suplente em 2014 e só conquistou a vaga de titular com a saída dos parlamentares eleitos prefeitos, em 2016.

 

Com informações: Diário do Nordeste