Caucaia: 4.376 alunos do segundo ano são avaliados no começo do “Aprova Caucaia”

Os 4.376 alunos do segundo ano do Ensino Fundamental da rede pública municipal participaram nesta terça-feira (18/9) do “Aprova Caucaia”, um programa da Prefeitura para identificar o perfil dos alunos a partir de habilidades e competências em Língua Portuguesa e Matemática.

Conforme a titular da Secretaria Municipal de Educação (SME), professora Lindomar Soares, “trata-se de um instrumento para possibilitar aos estudantes a familiarização com avaliações como o Spaece (Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará) e o seu similar nacional, o Saeb.”

Segundo a SME, o “Aprova Caucaia” avaliará também alunos do quinto e do nono ano do Ensino Fundamental. Serão analisados, ao todo, 13.176 estudantes de 531 turmas.

De posse dos resultados, a Prefeitura terá em mãos um mapa fiel da rede municipal de ensino e poderá planejar intervenções importantes para a melhoria da aprendizagem discente. “Assim, os melhores vão se tornar melhores ainda, os médios vão ser melhores e os que estão em pior situação vão crescer a um nível aceitável”, sintetiza Lindomar Soares.

O “Aprova Caucaia” encerra na próxima sexta-feira (21/9).

Com informações: ASCOM da Prefeitura de Caucaia

Itapajé: Cursos de Graduação do Campus da UFC no município são autorizados pelo CNE

O deputado federal Danilo Forte (PSDB-CE) anunciou em primeira mão que nesta quarta-feira (12) o Conselho Nacional de Educação (CNE) aprovou parecer autorizando o funcionamento de cursos superiores no Campus Jardim Anita da Universidade Federal do Ceará (UFC), em Itapajé. O economista Maurício Romão foi relator do documento que será encaminhado para homologação do Ministério da Educação.

A unidade será voltada para a formação de professores da Escola Básica e a lista inicial prevê 11 cursos de licenciatura a serem ofertados gradualmente: Biologia, Física, Geografia, História, Letras-Português/Inglês, Matemática, Licenciatura Intercultural Indígena, Pedagogia, Artes Cênicas e Química.

Principal motivador da interiorização do ensino superior no Ceará, Danilo Forte tem buscado agilizar a abertura da unidade. “O Ministério da Educação já autorizou a publicação de editais para a contratação de professores e técnicos, como também para seleção de alunos, mas de acordo com a lei isso só poderá acontecer trinta dias depois das eleições”, afirma o parlamentar que desde 2012 assegura emendas para garantir a construção da parte física dos Campi de Itapajé, Russas, Sobral e Crateús.

A seleção de alunos deverá adotar o sistema de bônus regional na nota do Enem para atender aos estudantes dos municípios da Região Norte do Ceará, entre os quais estão: Amontada, Miraíma, Itapipoca, Itarema, Trairi, Uruburetama, São Luís do Curu, Umirim, Caucaia, General Sampaio, Apuiarés, Pentescoste, Tejuçuoca, Paramoti, Caridade, Canindé, Irauçuba e Itapajé.

 

Estados e municípios pedem Fundeb permanente e mais recursos da União

O Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) esperam que a próxima legislatura do Congresso Nacional, a ser eleita em 7 de outubro, torne permanente o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), previsto para acabar em 2020.

De acordo com o vice-presidente do Consed, Fred Amancio, “existe consenso” sobre a importância do fundo e “o fim do Fundeb não é mais uma preocupação”. Segundo ele, “o fundo é uma garantia de recursos permanentes para a educação”.

Para o presidente da Undime, Alessio Costa Lima, o Fundeb é a “forma mais descentralizada” de uso de recursos da educação e assegura autonomia a estados e municípios.

Além de tornar o fundo perene, estados e municípios querem que a União aumente a complementação estabelecida em lei, como preveem duas propostas de emenda à Constituição (PECs) em discussão no Congresso Nacional, uma na Câmara dos Deputados e outra no Senado Federal.

A expectativa de estados e municípios, tratada nas discussões das duas emendas, é que a União aumente gradativamente os seus repasses e, em dez anos, a complementação suba dos atuais 10% e alcance entre 30% e 40%.

O fundo cobre toda a educação básica, da creche ao ensino médio, é a principal fonte para o pagamento dos professores da rede pública em todo o país e ainda pode ser usado para a manutenção de escolas, aquisição de material didático e capacitação dos docentes, entre outras despesas. Em 2017, o Fundeb movimentou R$ 145,3 bilhões (dados do Tesouro Nacional).

O Fundeb é formado por dinheiro proveniente dos impostos e das transferências obrigatórias aos estados, Distrito Federal e municípios (fundos de participação constitucionais). Além desses recursos, a União faz aporte complementar em alguns estados o que, no ano passado, representou R$ 13 bilhões. O recurso da União é repassado quando o valor por aluno no estado não alcança o mínimo definido nacionalmente (atualmente, R$ 3.016,17 ao ano).

Em cada estado, os recursos apurados são redistribuídos conforme o número de alunos das redes de ensino estaduais e municipais. O Fundeb foi instituído pela Emenda Constitucional nº 53, de 19 de dezembro de 2006, em substituição ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), criado em 1996.

Fora da campanha

Apesar do alto volume de recursos mobilizados, da importância do Fundeb para a educação básica e do impacto nas contas da União com eventual aumento de repasse, chama a atenção dos representantes das secretarias de educação e de especialistas a ausência de debate sobre o futuro do fundo na campanha eleitoral.

“Eu ainda não vi os candidatos falarem especificamente do Fundeb”, observa Fred Amancio, do Consed.

“Os mecanismos de financiamento da educação básica deveriam ser uma das prioridades do governo federal. Por causa do vencimento em 2020, a discussão terá que ser feita em 2019. Infelizmente vem sendo pouco debatido nesse período eleitoral”, avalia Gabriel Corrêa, gerente de Políticas Educacionais do movimento Todos pela Educação.

Para Corrêa, “há oportunidades” para o próximo presidente da República perpetuar o Fundeb e “propor avanços na redistribuição de recursos”. Ele defende que a complementação da União e a redistribuição nos estados contemplem a situação do gasto por aluno por município. Segundo ele, a mudança tem potencial de aumentar em 30% o gasto do Fundeb nos municípios mais pobres.

Corrêa defende que a União aumente o repasse de recursos ao Fundeb, mas assinala que é preciso fazer “estudo de viabilidade” respeitando o desafio fiscal. De acordo com projeção do governo federal, em 2021, as despesas obrigatórias atingirão 98% do orçamento da União.

Controle social

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) fez estudo sugerindo que estados e municípios invistam, integralmente no Fundeb, o mínimo constitucional (25% de toda a arrecadação) destinado a educação. Atualmente, estados e municípios já investem esse percentual em educação, mas não são obrigados a fazê-lo via Fundeb.

Segundo Camillo de Moraes Bassi, especialista do Ipea, o Fundeb precisa ganhar mais importância e o aumento de gastos investidos pelos estados e municípios teria a vantagem de fazer todo investimento local em educação básica “ganhar controle social e visibilidade”.

Alessio Costa Lima, da Undime, critica a ideia. “Essa alternativa é boa apenas para a União”, destacando que, sem mais recursos federais, não haverá como aumentar as matrículas em creches, lema de campanha de diferentes candidatos.

Com informações: Agência Brasil

Caucaia: Escolas do Município vão a Salvador participar de evento da Unesco

Oito das 19 unidades educacionais de Caucaia integrantes do Programa de Escolas Associadas (PEA), da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), enviaram nesta terça-feira (11/9) representantes a Salvador (BA) para o Encontro Nacional 2018.

Nos próximos dias 12, 13 e 14, eles receberão certificado que lhes dará direito, como escolas membro, a utilizarem a logomarca Pea-Unesco e do Ano Internacional, em vigor. Também receberão materiais da instituição e participarão de concursos.

Com a marca Pea-Unesco, as escolas alinham-se aos princípios da Unesco contidos nos conceitos de visão global, compreensão internacional, paz e diálogo cultural. No Brasil, pesam também a obediência aos quatro pilares da Educação para o século XXI, encerrados nos temas aprender a conhecer, a fazer, a ser e a viver.

As escolas caucaienses com representantes em Salvador são: Maria de Lourdes, Aba Tapeba, Nair Magalhães Guerra, José Pontes Filho, Nossa Senhora da Conceição, Patronato Pio XI, Francisca Alves do Amaral e Alice Moreira de Oliveira.

Com informações: ASCOM da Prefeitura de Caucaia

Caucaia: Município cresce 10,4% em Língua Portuguesa no Saeb

A nova metodologia de ensino implementada pela Prefeitura na rede educacional de Caucaia já está dando resultados positivos para a cidade. Segundo o Sistema Nacional de Educação Básica (Saeb), a cidade melhorou no último biênio 10,4% em Língua Portuguesa no quinto ano e 6% no nono ano do Ensino Fundamental.

Titular da Secretaria Municipal de Educação (SME), a professora Segundo Lindomar Soares destaca iniciativas como o programa “Nas Ondas da Leitura”, que está promovendo alunos de cinco a 16 anos a escritores e ilustradores de obras. “O esforço dos professores e do corpo gestor das escolas nos deu essa valorização do ensino, mas estamos interferindo pesadamente”, pontua a gestora.

Para melhorar os índices educacionais de Caucaia, a SME implantou 29 projetos desde janeiro do ano passado. Alguns voltados à elevação da proficiência em Matemática, especialmente no quinto e nono anos, por exemplo.

O programa Ludis, que trata de questões socioemocionais dentro e fora das escolas, contribui para essa melhoria já registrada no desempenho da rede municipal. “Empreenderei todas as ações que nos permitam guiar Caucaia ao patamar correspondente ao seu tamanho e importância”, conclui Lindomar Soares.

Com informações: ASCOM da Prefeitura de Caucaia

Itapajé: Escola Adriano Nobre alcança melhor nota no IDEB 2017 entre as escolas estaduais de ensino médio

A escola de educação profissional Adriano Nobre conseguiu mais um feito. Na edição 2017 do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB, os estudantes do terceiro ano do ensino médio alcançaram nota 7, a maior entre as escolas públicas do Estado do Ceará. A média estadual dos alunos do último ano do ensino médio foi de 3,8, mesma média nacional. A meta nacional estipulada pelo Ministério da Educação para os estudantes desta faixa era de 4,7 pontos.

Os números do IDEB 2017 foram divulgados na última segunda-feira, 3, e colocam o Ceará em posição de destaque no País. O Estado superou com folga a meta estabelecida e continua com esse resultado pelo sexto IDEB consecutivo. Com média 6,1 obtida, foi superada a expectativa de 4,5 projetada pelo Governo Estadual. A nota é formada pela taxa de aprovação dos alunos e média de avaliações de português e matemática.

Com informações: Blog do Mardem Lopes

82 das 100 melhores escolas públicas do Brasil são cearenses, diz Camilo Santana

Mais uma grande notícia para o nosso estado: novo Ideb aponta que o Ceará tem hoje 82 das 100 melhores escolas do Brasil no ensino público fundamental.E colocamos, pela primeira vez, 13 escolas estaduais cearenses de ensino médio entre as 100 melhores do Brasil. #OrgulhoDaNossaEducação#JuntosSuperandoDesafios

Publicado por Camilo Santana em Quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Das 100 melhores escolas públicas de ensino fundamental do Brasil, 82 estão localizadas no Ceará. O anúncio foi feito nesta quarta-feira, 5, pelo governador Camilo Santana (PT) e toma como base o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), divulgado na última segunda-feira, 3. Já no ensino médio, segundo ele, 13 instituições de ensino médio cearenses também estão no grupo das escolas de maior qualidade do País.

Infográfico: Governo do Estado do Ceará

“Isso mostra os avanços, estamos no caminho certo: dando educação de qualidade para as futuras gerações. Isso (o índice) está relacionado às escolas municipais, que o Governo do Ceará apoia e incentiva”, ressaltou.Conforme os dados, Sobral é a cidade cearense com o melhor ensino fundamental. A média no município subiu de 8,8, em 2015, para 9,1. Incluindo também o ensino médio, a nota subiu de 6,7 para a marca de 7,2. Os números colocam a educação da cidade com a mesma avaliação de países desenvolvidos.

Infográfico: Governo do Estado do Ceará

As cidades de Deputado Irapuan Pinheiro, Jijoca de Jericoacoara e Milhã também tiveram boa avaliação, ficando entre as sete melhores educações do País.

Ceará

A expectativa do Governo era de que a média para o Estado fosse de 4,5. Contudo, a meta foi superada com folga e chegou a 6,1. “É o que nos estimula e nos dá energia para continuar nosso trabalho”, ressaltou o petista.

Desde 2016, os resultados das escolas públicas cearenses eram comemorados pelo Estado. O Ideb 2015 revelou que, nos primeiros cinco anos do ensino fundamental, 77 das 100 melhores escolas públicas do Brasil estavam no Ceará. À época, as 24 primeiras posições eram todas ocupadas por escolas do Estado.

Infográfico: Governo do Estado do Ceará

Com informações: O Povo