AL: Liberação de bebida em estádios volta ao debate

O bom momento do futebol cearense, com a possível permanência do Ceará na primeira divisão e o título do Fortaleza na Série B, migrando para a elite do Brasileirão, reacendem uma discussão que vem sendo travada nos últimos anos em arquibancadas, ruas e nos parlamentos: a bebida alcoólica deve ou não ser liberada nos estádios de futebol? A possível influência em episódios de violência e experiências positivas em outros estados ou mesmo na Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil, são dois lados de uma moeda polêmica, que, na forma de projeto de lei, está pronta para ser votada no Plenário da Assembleia Legislativa.

O Projeto de Lei 237/15, do deputado estadual Gony Arruda (PP), defende a liberação, no interior dos estádios, da venda e do consumo de bebidas alcoólicas com até 10% de teor alcoólico, como a cerveja. A proposta encontra resistência no próprio Estatuto do Torcedor, lei federal que define, como condições de acesso e permanência nos ambientes esportivos, “não portar objetos, bebidas ou substâncias proibidas ou suscetíveis de gerar ou possibilitar a prática de atos de violência”.

A Federação Cearense de Futebol (FCF) e os dois clubes com maior número de torcedores no Estado, Ceará e Fortaleza, manifestam posicionamento favorável à liberação, enquanto o Ministério Público Estadual (MPE) e o Sindicato dos Médicos do Ceará, por exemplo, criticam a proposta. Já deputados estaduais, que têm a prerrogativa de legislar, se dividem sobre o tema.

Divergências

Depois de um longo caminho desde a apresentação, em outubro de 2015, o projeto de lei foi aprovado na última comissão prevista, a de Orçamento, Finanças e Tributação, no último dia 6 de novembro, e está pronto para entrar na pauta de votação do Legislativo.

Para o deputado Gony Arruda, as comissões representam “um termômetro favorável”. “Não tem porque esse projeto não ter a devida acolhida no plenário”, defende. Ele cita como argumentos a aceitação de torcedores, a venda já “escancarada” de bebidas na informalidade e a liberação vista durante a Copa do Mundo.

Também favorável, o líder do Governo na Assembleia, deputado Evandro Leitão (PDT) diz que o presidente da Casa, Zezinho Albuquerque (PDT), ainda não pautou, mas considera pouco provável o avanço no Legislativo.

Por meio da assessoria da Presidência, Zezinho Albuquerque reafirma que é contra a venda de bebidas nos estádios e que, de fato, não pretende colocar a matéria em votação agora. “Há outras prioridades tramitando na Casa, e por acreditar que este assunto requer um maior de debate, já que alguns deputados também já se manifestaram contra a matéria”, diz em nota.

Entre os parlamentares contrários à proposta está Heitor Ferrer (SD), que percebe na bebida um incentivo à violência. “No momento em que mesmo sem álcool ainda há violência, se amanhã nós liberarmos, vamos sustentar uma barra de já aumentar a violência nos estádios, quebra de cadeiras, agressões entre torcidas. Vamos patrocinar isso? É arriscado”, sustenta.

Neste debate, o coordenador do Núcleo de Desporto e Defesa do Torcedor (Nudtor), do Ministério Público do Estado do Ceará, promotor Edvando França, mantém posição firme no tema. Ele entende que uma lei estadual não pode se sobrepor ao Estatuto do Torcedor, uma lei federal. Diz que há estatísticas e análises de psicólogos e psiquiatras sobre a interferência da bebida no comportamento humano.

Edvando destaca que “há um movimento político” em prol da aprovação da matéria, mas revela que tem visitado gabinetes na Assembleia e manteve conversas com o próprio presidente Zezinho Albuquerque. “As assembleias aprovam na marra e o Ministério Público fica correndo atrás pela inconstitucionalidade nos tribunais”, comenta.

“Aqui, estão querendo aprovar e nós estamos segurando isso como trem desgovernado. Não é fácil a gente, da área jurídica, segurar o Parlamento. O Parlamento é independente. A gente torce para que não façam isso”, completa.

A permissão de venda e consumo de bebida alcoólica durante a Copa do Mundo de 2014, segundo ele, foi uma questão específica, de uma lei temporária apenas durante o evento. “Se aqui liberar, eu vou para o Tribunal de Justiça pedir a suspensão”.

Na mesma corrente está o Sindicato dos Médicos do Ceará. Para o presidente, Edmar Fernandes, o consumo de álcool traz grandes prejuízos à sociedade, sendo um dos principais fatores motivadores de “práticas de atos violentos”.

Clubes

Já dentro das agremiações esportivas, a proposta é vista com bons olhos. O presidente do Ceará Sporting Club, Robinson de Castro, afirma que já existe venda legalizada na porta do estádio. “O que a gente quer é transformar em uma venda oficial, uma venda formal e não uma venda informal, que é como acontece hoje fora do estádio”. Para o dirigente, a mudança poderia evitar tumultos e riscos de acidentes percebidos hoje, com a entrada de última hora dos torcedores que ficam bebendo nas imediações da Arena Castelão, por exemplo.

O presidente do Fortaleza Esporte Clube, Marcelo Paz, consultado sobre o assunto, diz apenas que a “essa pauta é legislativa” e que “não cabe ao clube opinar”, mas o vice-presidente do time, Marcelo Desidério, acredita que é preciso assegurar ao torcedor o direito de consumir cerveja no interior das praças esportivas.

“A gente entende que o consumo da bebida alcoólica dentro do estádio vai facilitar a acessibilidade do torcedor, porque ele vai chegar antes, vai consumir dentro, não fora do estádio. É uma discussão que está madura para ser feita. Ano que vem vamos ter grandes públicos”, ressalta.

Diretor jurídico da Federação Cearense de Futebol, Leandro Vasques manifesta posicionamento favorável, “desde que os excessos sejam modulados”. A ideia, explica ele, é a venda de bebida apenas durante o primeiro tempo e no intervalo da partida, para “desacelerar o torcedor”. O vereador Márcio Martins, com articulação junto às torcidas organizadas no Ceará, afirma que é preciso “parar de hipocrisia”, citando possíveis prejuízos para a Arena Castelão com a restrição vigente.

Com informações: Diário do Nordeste

Garantido nas oitavas de final, Fortaleza abre vaga para Atlético-CE na Copa do Brasil de 2019

Ao conquistar o título da Série B do Campeonato Brasileiro, o Fortaleza assegurou o direito de entrar na Copa do Brasil de 2019 direto na fase de oitavas de final. Diante disso, a vaga que seria do Tricolor do Pici na 1ª fase da competição foi herdada pelo Atlético (ex-Uniclinic), 3º colocado no Campeonato Cearense deste ano, ficando atrás de Leão e Vovô, times com vaga assegurada no torneio nacional.

Assim, o Futebol Cearense terá quatro representantes na Copa do Brasil de 2019: Ceará (campeão cearense), Fortaleza, Ferroviário (campeão da Taça Fares Lopes deste ano) e Atlético. Será a 1ª vez que o Atlético, comandado pelo jogador cearense naturalizado russo Ari, disputará o mais democrático torneio de clubes do futebol brasileiro.

Com a participação total de 91 clubes, a Copa do Brasil de 2019 terá início no dia 6 de fevereiro e tem o seu encerramento programado para o dia 11 de setembro.

 

Com informações: O Povo

Cearense Ari é convocado para a seleção da Rússia

Vídeo incorporado

Arrendador do Atlético Cearense, ex-Uniclinic, Ariclenes da Silva Ferreira, também conhecido como “Arigol”, foi convocado para a Seleção Russa de futebol. Cearense natural de Fortaleza, Ari tem dupla nacionalidade e está atuando no futebol russo desde 2010. No FK Krasnodar desde o início da temporada 2018/2019, o atacante marcou sete gols em 11 jogos e tem quatro assistências.

Com o corte do atacante Artem Dzyuba por lesão, Ari, de 32 anos, recebeu a oportunidade e deve jogar nos jogos contra a Alemanha, em amistoso, e Suécia, na Liga B pela Liga das Nações, certame disputado por seleções da Europa.

O atacante já treinou com o grupo russo de olho no amistoso contra os alemães, na quinta (15).

A Rússia fará amistoso com a Alemanha na próxima quinta-feira (15), às 16h45 (horário da capital cearense), na Red Bull Arena, nos Leipzig (ALE). Na outra terça (20), os russos enfrentam Suécia, às 15h45 (horário cearense), no estádio Friends Arena, pela Liga das Nações, em Estocolmo, na Suécia.

 

Com informações: Diário do Nordeste

De olho na renovação, presidente do Fortaleza quer implantar o ‘Padrão Ceni’ desde as categorias de base do clube

Depois de cumprir e bem as suas metas para o fim desta temporada, com a conquista do acesso e dotítulo da Série B, o Fortaleza começa a olhar para 2019. E a diretoria do clube já sabe qual é a primeira e mais desafiadora missão que tem pela frente: lutar pela permanência de Rogério Ceni. Em entrevista nesta terça-feira (13), o presidente tricolor, Marcelo Paz, revelou que um dos trunfos para convencer o treinador a renovar o contrato é a implantação do “Padrão Ceni’ em todas as divisões de base do Leão.

 

“Algo que nós vamos propor a ele é a criação do Padrão Ceni de futebol, que é fazer com que o modelo que ele enxerga no futebol seja implantado desde as categorias de base. Fazer com que o Fortaleza tenha o método de trabalho dele em todas as divisões, para que quando o atleta chegar ao profissional já saiba como o clube trabalha, assim como o Barcelona fez com o Cruyff. Vamos propor isso e no tempo certo vamos conversar para discutir a renovação. Ele (Rogério Ceni) é a nossa prioridade”, cravou Paz.

Outro ponto que será colocado na negociação é o tempo de contrato. “Se ele (Ceni) quiser um contrato com mais tempo, estou disposto a dar. Ele se adaptou bem ao clube. Já sinalizamos o desejo de renovar contrato com ele há mais de um mês, até para acabar com qualquer tipo de especulação. Veremos tudo o que ele tem a dizer, sobre tempo de contrato, condições. Tenho certeza de que o Fortaleza será o primeiro clube que ele vai ouvir”, afirmou.
Rogério Ceni, por sua vez, deixou o futuro em aberto, mas disse em entrevista recente que pensa nisso todas as noites. No último domingo, ao término da carreata da comemoração do título da Série B, no Aterro da Praia de Iracema, a torcida gritou “Fica, Rogério!”.

Com informações: O Povo

Em 2019, a Série A pode ter a presença de até seis clubes nordestinos

A elite do futebol brasileiro pode ter participação recorde de clubes do Nordeste no formato de disputa de pontos corridos, em 2019. O melhor dos cenários aponta para seis equipes nordestinas disputando a próxima edição da Série A, incluindo os dois principais times cearenses, Ceará e Fortaleza.

O recorde de representantes da região em uma única edição da Série A desde a adoção dos pontos corridos, é de quatro. O caso ocorreu justamente neste ano, com as presenças de Ceará, Bahia, Sport-PE e Vitória-BA.

No próximo ano já estão garantidos pelo menos dois nordestinos na Série A. Um deles é o Fortaleza, que carimbou o acesso para a elite do futebol antecipadamente. A outra garantia é devido à confirmação de rebaixamento antecipado do Paraná. Desta forma, só podem cair mais três times, o que assegura que um dos quatro representantes do Nordeste na atual edição da Primeira Divisão permanecerá para o ano que vem.

O melhor dos cenários prevê o acesso do CSA-AL, junto ao Fortaleza, para a Série A e a permanência de Ceará, Bahia, Sport e Vitória. Entretanto, esta é uma projeção improvável. A maior probabilidade é de o recorde ser batido com a participação de cinco nordestinos.

Na atual Série A, o Vitória é o segundo clube com a maior chance de rebaixamento, com mais de 72%, após a confirmação da descida do Paraná. América-MG e Chapecoense-SC, das regiões Sudeste e Sul, fecham o Z-4 com as probabilidades mais altas de descenso, com 89,3%% e 64,1%. Os dados estatísticos são do Departamento de Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Na briga contra o rebaixamento, mas com condições mais favoráveis, estão Ceará, Bahia e Sport. Do trio, os pernambucanos possuem a chance de queda mais elevada, com 29,3%, porém, é menos do que a metade da apresentada pela Chapecoense, conforme os dados da UFMG. O tricolor baiano tem chances remotas de cair, com 1,2%, enquanto os cearenses possuem 13,6%.

Os dados da Série A foram colhidos antes do término de Santos x Chapecoense.

O CSA deve carimbar o acesso nas próximas rodadas. Vice-líder da Série B, atrás apenas do Fortaleza, os alagoanos têm mais de 92% de chances de subida, faltando duas rodadas para o fim da competição.

Fernando Ferreira, sócio-diretor da Pluri Consultoria, empresa referência em pesquisas sobre o futebol, atribui o cenário positivo à evolução na gestão dos clubes nordestinos. O Fortaleza e o Bahia, ressalta o especialista, são os grandes destaques da região atualmente. “Isso está se refletindo dentro de campo. O Fortaleza fez uma campanha em campo como os principais clubes brasileiros fazem quando jogam a Série B. É fruto de gestão”, analisou.

Segundo o consultor, clubes de médio porte têm sido mais ágeis e eficientes na busca por inovação e melhorias do que os maiores do País. Para Fernando, se as equipes seguirem nessa linha de gestão, elas tendem a se consolidar, principalmente as marcas mais fortes do Nordeste: Ceará, Bahia e Pernambuco. “Para o Brasileirão é muito bom, porque são clubes de apelo popular, que enchem estádios e movimentam cidades. Acho que ano que vem tem chance de ter a maior média de público do futebol brasileiro nos últimos anos”, afirma.

Ouvidos, os presidentes de Ceará e Fortaleza, Robinson de Castro e Marcelo Paz, apontam a logística como um dos fatores positivos da maior presença do Nordeste na Série A, além da própria valorização do futebol da região.

“Valoriza a própria Copa do Nordeste por conta de os clubes estarem dentro do calendário nacional”, diz Robinson. “Isso é ótimo. Fortalece a região do país que tem muito público consumidor, que adora ir aos estádios”, afirma Paz.

 

Com informações: O Povo

Torcida tricolor recebe Fortaleza de Ceni com festa e comemora título com carreata pela capital

As ruas de Fortaleza foram tomadas por um mar branco, azul e vermelho na tarde deste domingo (11). Isso porque jogadores e comissão técnica do Tricolor do Pici desembarcaram na capital cearense às 15h (horário local) e se juntaram à carreata da torcida.

Com ponto de partida no Aeroporto Velho, a comemoração do título de campeão da Série B do Campeonato Brasileiro seguiu até a Avenida Beira-Mar, onde a delegação se apresentou a um jantar, na churrascaria Rascos.
Durante o percurso, muita festa tricolor e carinho da torcida. A delegação foi recebida com fogos e faixas. Centenas de torcedores puderam soltar o grito de campeão junto com a equipe, que faturou a taça em uma partida fora de casa, contra o Avaí. Foram homenageados jogadores que fizeram uma grande campanha com o clube, como Diego Jussani e Gustavo. Ceni desistiu de ir a São Paulo para comemorar em Fortaleza e foi recebido com muito carinho pela torcida.

O Jogo do Título

No último sábado, 10, o Leão venceu o Avaí por 1 a 0 e garantiu o título da Série B. Um feito inédito na história clube – que fez 100 anos no último dia 18 de outubro – e do futebol cearense, que até então só tinha títulos nacionais na Série D, com Ferroviário (2018) e Guarany de Sobral (2010).

O gol da vitória foi marcado no último lance do jogo, aos 49 minutos. Após contra-ataque fatal, Rodolfo recebeu na área, limpou na área e bateu no canto. Com o resultado, o Leão chegou aos 68 pontos, abriu nove pontos do vice-líder CSA, que empatou em 0 a 0 com o Atlético-GO, no estádio Rei Pelé, em Maceió.

Restando mais seis pontos em disputa, o Fortaleza não pode ser mais alcançado e agora jogará diante de sua torcida, na quinta-feira (15), as 17h15min (horário local), contra o Juventude, na Arena Castelão, na partida que marcará a entrega da taça de campeão da Série B.


Com informações: G1 Ceará

Fortaleza se une a Ferroviário e Guarany de Sobral entre cearenses campeões nacionais

O futebol cearense é um dos mais tradicionais do Nordeste e do país, pela representatividade de Ceará, Fortaleza e Ferroviário, com grandes campanhas e médias de público em qualquer divisão, mas ainda com poucos títulos no cenário nacional.

O Fortaleza foi vice-campeão da Taça Brasil em 1960 e 1968 e o Ceará foi 3º colocado da Taça Brasil em 1964 e vice-campeão da Copa do Brasil em 1994, mas o ano de 2018 entrou para a história com dois títulos nacionais. Duas grandes forças locais, Fortaleza e Ferroviário levantaram taças nas Séries B e D, respectivamente, coroando suas temporadas, já gloriosas com acessos. Foram as duas primeiras taças nacionais entre times da capital, se juntando ao título nacional do Guarany de Sobral na Série D em 2010.

As trajetórias de Fortaleza e Ferroviário nos torneios nacionais em 2018 são exemplos de superação após anos de dificuldades. Enquanto o Tricolor de Aço amargou 8 anos seguidos de Série C (2010/2017) e conquistou o acesso para a Série A com uma campanha histórica, integrando o G4 por todas as rodadas, o Ferroviário, renasceu no cenário local e nacional ao chegar na final do Cearense em 2017 – o clube só jogou o certame após a desistência do Alto Santo – garantindo vaga na Série D do ano seguinte e se sagrando campeão em agosto batendo o Treze/PB.

 

Com informações: Diário do Nordeste

É Campeão!

O Fortaleza tem um novo título em sua galeria de troféus. E pode considerá-lo o maior de sua história centenária. Com gol nos acréscimos, o Tricolor do Pici superou o Avaí por 1 a 0, ontem, na Ressacada, e carimbou a faixa de campeão da Série B 2018, conquista inédita no futebol cearense e apenas a terceira de um clube do Nordeste.

O feito do Leão, justamente no ano do centenário, coroa uma campanha praticamente perfeita e dominante, campeã com duas rodadas de antecedência. Uma glória que nenhum clube brasileiro conseguiu conquistar na temporada em que completou 100 anos. Um título mais do que merecido para o time comandado por Rogério Ceni, líder incontestável desde a 5ª rodada do campeonato.

Quando entrou em campo na Ressacada, o Leão poderia sair dele campeão mesmo com o empate. O placar em branco assegurava a taça até os 49 minutos do 2º tempo. Naquela altura do confronto, o jogo do CSA contra o Atlético-GO já havia terminado com igualdade no placar, o que garantia a ida da taça para o Pici.

Mas foi neste momento que surgiu um personagem inusitado para abrilhantar ainda mais a conquista do Tricolor. Rodolfo, que fazia apenas a sua quarta partida pelo Fortaleza e não entrava em campo há mais de um mês, saiu do banco de reservas para marcar o gol da vitória e do título para delírio dos torcedores do Leão presentes em minoria na Ressacada.

O triunfo sobre o Avaí também premia a força do coletivo. A equipe não tem o melhor ataque, nem a defesa menos vazada da competição, mas possui como destaque o equilíbrio do elenco. Contra os catarinenses, que estão na briga pelo acesso, Rogério Ceni poupou os principais jogadores da equipe: o goleiro Marcelo Boeck, o atacante Gustavo, o volante Felipe, o meia Dodô e o zagueiro Jussani. Quem entrou deu conta do recado e teve a chance de protagonizar o jogo do título.

“É trabalho de um planejamento de muitas mãos, de gestão profissional do clube, de profissionais dedicados. É a coroação do centenário. A torcida, que conseguiu os maiores públicos do ano (na Série B). É o maior título do futebol cearense”, comemorou o presidente do clube, Marcelo Paz.

Com o campeonato na bagagem, a delegação do Fortaleza desembarca hoje, às 14h50min, no Aeroporto Velho, no bairro Vila União. Em seguida, está prevista carreata com os campeões até o Aterro da Praia de Iracema.

Ficha Técnica:

Avaí 4-2-3-1: Kozlinski; Guga, M. Silva, Aírton e I. Fernandes (Capa); Judson, e M. Barbosa; Renato, Pedro Castro (A. Moritz) e Getúlio (D. Amorim); Rodrigão. Téc: Geninho

Fortaleza 4-3-3: M. Walef; Tinga, R. Carvalho, Ligger e B. Melo; Derley, N. Bonilha e Marlon (Rodolfo); Romarinho (Marcinho), Éderson (I. Henrique) e Wilson. Téc. Ceni.

GOL: 49MIN/2T – Rodolfo recebeu passe de Marcinho, driblou o zagueiro e colocou no fundo das redes

Local: Ressacada, em Florianópolis-SC

Data: 10/11/2018

Horário: 16h30 (horário de Fortaleza)

Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (FIFA-RJ)

Assistentes: Rodrigo Figueiredo (FIFA-RJ) e Carlos Henrique Alves (RJ)

Cartões amarelos: Igor, Matheus Barbosa, André Moritz, Capa e Gabriel (Avaí); Ligger, R. Carvalho e Rodolfo (Fortaleza)

Com informações: O Povo

Fortaleza joga pelo título da Série B

A caminhada do Tricolor do Pici na Série B do Campeonato Brasileiro poderá ser coroada de pleno êxito e além das expectativas do início do ano, caso vença o Avaí, às 16h30 de hoje (horário de Fortaleza), no Estádio da Ressacada.

A partida é válida pela 36ª rodada do campeonato e vai reunir dois times com interesses parecidos: a vitória. O Leão já conseguiu o primeiro grande objetivo da temporada, que era subir para a Série A do Brasileirão, ao passo que o adversário ainda quer alcançar esse grande privilégio. Para não depender de outros resultados, o time orientado pelo técnico Rogério Ceni levanta a taça de campeão se vencer por qualquer placar.

Indagado sobre qual seria a estratégia para esse jogo contra o Avaí, o técnico Rogério Ceni respondeu: “A nossa postura é sempre a mesma, mas temos que avaliar a situação dos jogadores. Não adianta nada você escalar um atleta só porque ele é titular, estando ele morto de cansado, o que vai acontecer é ele ter uma lesão ou apresentar um rendimento abaixo do que ele é capaz de ter”, disse Rogério.

Retrospecto

Quanto à Série B do Campeonato Brasileiro, o Fortaleza e o Avaí já estiveram duelando 11 vezes, sempre com um certo equilíbrio. Ao todo foram 4 vitórias do Tricolor, 2 delas ocorridas no Estádio da Ressacada, 3 vitórias dos catarinenses e 4 empates; o Leão marcou 16 gols e o Avaí, 11.

No primeiro turno, pela 17ª rodada, Tricolor do Pici e Avaí empataram por 1 a 1, na Arena Castelão, com um gol de pênalti para cada equipe.

Rogério Ceni prevê um duelo muito difícil com o Avaí. “Vai ser um jogo duro, como aliás, foi o primeiro no Castelão. Naquela oportunidade, nós dominamos o jogo, e eles tiveram, a rigor, uma grande chance que foi o gol”, disse. No Leão do Pici, o lateral-esquerdo Bruno Melo retorna, após cumprir suspensão.

Avaí

O técnico Geninho não poderá contar com o zagueiro Betão, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. O seu substituto mais provável é Airton, entrando ao lado de Marquinhos Silva. O meia-atacante Getúlio retorna ao time.

 

Com informações: Diário do Nordeste

TV Verdes Mares irá transmitir a partida entre Avaí/SC x Fortaleza no sábado (10)

A partida do próximo sábado (10) entre Avaí/SC e Fortaleza, no estádio Ressacada, pela 36ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro será transmitida ao vivo pela TV Verdes Mares, com narração de Kaio Cézar e comentários de Juscelino Filho, a partir das 16h30 (horário da capital cearense).

Líder isolado da competição com 65 pontos e com acesso já garantido, o Tricolor do Pici pode se sagrar campeão na capital catarinense em caso de vitória sobre o time do técnico Geninho.

Em quarto lugar com 57 pontos, três a mais que o Londrina/PR com 54, o time de Florianópolis precisa da vitória para seguir dentro do G4, zona de classificação para à elite do futebol nacional.

Em jogo válido pelo primeiro turno, na 17ª rodada da Segundona, os times empatados por 1 a 1, na Arena Castelão. O Tricolor abriu o placar aos três minutos do primeiro tempo com o meia Dodô e a equipe de Santa Catarina empatou aos 35 do segundo com Guga.

Fortaleza reduz preço dos ingressos para jogo contra o Juventude

Em reunião de providências para a partida Fortaleza e Juventude/RS, marcado para o dia 15 de novembro, às 17h15 (hora de Fortaleza), dirigentes do clube e demais autoridades envolvidas no espetáculo decidiram reduzir em 20% o valor do preço dos ingressos a serem praticados nesse compromisso, o último pela Série B de 201’8 na capital cearense.

De acordo com o diretor de operação de jogo do clube e representante do Leão junto à Federação Cearense de Futebol (FCF), Tahim Fontenele, foi solicitada a carga máxima de ingressos para a Arena Castelão: 57.223 entradas.

“Nós procuramos baratear um pouco mais para o torcedor. Embora precisando de dinheiro para arcar com os compromissos assumidos na reta final de Brasileiro, procuramos contemplar os torcedores que ainda não puderam ir ao estádio”, disse o dirigente.

Tahim disse ainda que, no domingo, o retorno da delegação do Fortaleza, vindo de Santa Catarina, após o jogo contra o Avaí, ocorrerá por volta das 15 horas. “Caso venhamos a ganhar o título da Série B, por uma combinação de resultados ou viermos a vencer, procuraremos acomodar a nossa torcida no Aterro da Praia de Iracema, para que não haja problemas com outros eventos ocorrendo no mesmo horário, como jogo do Ceará contra o Internacional/RS e o Enem,”, completou.

Com os ingressos já disponíveis para compra em diferentes pontos, o Tricolor vendeu 4.543 bilhetes.

Veja a tabela de preços abaixo.

Cadeiras superiores, central e Sul: R$40 inteira e R$20 a meia Inferior, Suil e Norte: R$40 inteira e R$20 a meia

Inferior Central (Bossa Nova): R$50 inteira e R$25 meia

Especial: R$60 inteira e R$30 meia

Setor Premium: R$150 inteira e R$75 meia

 

Com informações: Diário do Nordeste

Rogério Ceni: permanência no Fortaleza não depende de fatores financeiros; conheça a proposta

A diretoria do Fortaleza já tem desenhado um plano para apresentar ao técnico Rogério Ceni quando for a hora: dois anos de contrato e dois aumentos salariais em 2019. O primeiro, até abril, colocaria os rendimentos dos atuais R$ 150 mil para R$ 200 mil; o segundo, quando a Série A tiver início, atingirá R$ 250 mil (números divulgados pelo jornalista Sérgio Ponte da Rádio O POVO/CBN). Para além de tais questões essenciais, o técnico seguirá responsável por diversos aspectos da modernização do clube – gramado, local de treinamento, alimentação, fisiologia, academia – como já foi desde a sua chegada.

A diretoria do Fortaleza mantém esperança na permanência de Rogério. O ex-goleiro admite que vai trabalhar onde estiver feliz e é justamente o caso da atual passagem do técnico pelo Pici. O fator financeiro não será essencial, a não ser que uma proposta estratosférica de fora do Brasil apareça. Ceni sempre foi um atleta acima da média no aspecto intelectual e tem patrimônio e investimentos suficientes para escolher onde vai trabalhar, independente do salário. Importa efetivamente o projeto e é o que ele tem dito para dirigentes do clube.

O Blog apurou que pessoas ligadas ao treinador trabalham a perspectiva de encaixe do técnico em times grandes do Rio de Janeiro, já que em São Paulo sua única porta aberta é justamente o São Paulo. No Sul, Inter (Odair Hellmann), Grêmio (Renato Gaúcho) e Atlético-PR (Tiago Nunes) indicam que seus técnicos atuais vão permanecer, situação também do Cruzeiro com Mano Menezes. O Atlético-MG, que tentou tirar o treinador no meio deste ano do Tricolor, surge como possibilidade.

Restando quatro rodadas para o fim da Série B, é fundamental que a decisão de Rogério seja tomada o quanto antes porque o trabalho da diretoria para a Série A já começou. A diferença da Série C para a Série B é muito menor do que a distância da Série B para a Série A.

 

Com informações: Blog Futebol do Povo