Fortaleza terá blitz ‘em todos os turnos e em diversos locais’, diz AMC

Ações de mobilidade vão reformular a sinalização e a fiscalização de velocidade em algumas vias de Fortaleza, a partir do segundo semestre deste ano. Outra mudança para tentar reduzir o número de acidentes é reforçar as blitze na capital cearense.

“A gente quer ampliar esse tipo de fiscalização, realizar blitze em todos os turnos e em diversos locais da cidade para que o motorista perceba isso e pense duas vezes antes de beber, dirigir e provocar um acidente”, destacou o superintendente da Autarquia Municipal de Trânsito (AMC), Arcelino Lima, em fórum realizado nesta quinta-feira (19).

Redução de velocidade

Via com o maior número de acidentes na cidade, a primeira ação ocorre na Avenida Osório de Paiva, com a instalação dos semáforos ainda no mês de julho. Lá haverá readequação da velocidade média.

Na Avenida Leste-Oeste não haverá fiscalização punitiva a partir de agosto, embora a AMC tenha informado na coletiva que infrações seriam aplicadas na via a partir do dia 7 daquele mês. A fiscalização em caráter educativo, ou seja, sem que a falta se converta em multas, permanece por um período ainda indeterminado. A mudança também foi informada pela autarquia na noite desta quinta-feira (19).

Já a Avenida Valparaíso, no Bairro Jangurussu, e a Avenida Dionísio Leonel Alencar, que liga a BR-116 a Messejana, receberão radares para melhorar a segurança viária, especialmente de ciclistas e pedestres.

“Fortaleza tem conseguido reduzir o número de acidentes e, consequentemente, de óbitos no trânsito, mas esse intercâmbio de ideias já acontece pela segunda vez e muitas ações foram realizadas com base no que aprendemos no ano passado”, enfatizou o secretário de Conservação e Serviços Públicos, Luiz Alberto Sabóia.

O anúncio das mudanças foi feito pelo superintendente da AMC nesta quinta-feira (19), durante o segundo Fórum Internacional de Boas Práticas em Fiscalização de Trânsito. O evento debate a fiscalização de trânsito como facilitador para prevenir e reduzir os acidentes em Fortaleza.

34 mil fiscalizações da Lei Seca

Na primeira edição do Fórum em 2017, as discussões se concentraram em evitar acidentes causados por alcoolemia, um dos principais fatores de risco que mais provocam acidentes com mortos e feridos em todo o mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os números apresentados nesta quinta-feira mostram que, com a fiscalização da lei seca entre janeiro e junho deste ano, apenas as equipes da AMC já realizaram 34.206 testes e 558 condutores foram autuados.

“A gente quer ampliar esse tipo de fiscalização, realizar blitze em todos os turnos e em diversos locais da Cidade para que o motorista perceba isso e pense duas vezes antes de beber, dirigir e provocar um acidente”, destacou Arcelino Lima.

Já com relação a fiscalização sobre o uso correto do capacete, para os motociclistas, foram realizadas 16.687 abordagens no mesmo período. Resultado desse trabalho é a redução no índice de óbitos por 100 mil habitantes em 35%, se comparados os dados de 2011. Em 2011, o número absoluto de pessoas que morreram nas ruas e avenidas de Fortaleza foi de 381, contra 256 mortes em 2017.

Com informações: G1 Ceará

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *