Progressista, PPS, Novo e PSDB declaram neutralidade no segundo turno

Após divulgação do resultado das eleições realizadas no último domingo, 7, partidos já começaram a se articular para declarar ou não apoio a candidatos que devem disputar segundo turno. Pelo menos três partidos emitiram nota afirmando posicionamento neutro, PP, PPS e Novo. Disputam o segundo turno Fernando Haddad, do PT,e Jair Bolsonaro, do PSL.

Em nota assinada pelo senador pelo Piauí e presidente do partido, Ciro Nogueira, o Partido Progressista afirmou que adotará postura de “absoluta isenção e neutralidade no segundo turno das eleições presidenciais”. Uma das justificativas para a isenção e a neutralidade está a compreensão da sigla de que “o eleitor quer o silêncio e o palco vazio de qualquer ruído ou informação que interfira na sua reflexão sobre qual candidato escolher”.

Ana Amelia, membro do partido e candidata a vice-presidência na chapa de Geraldo Alckmin declarou apoio ao candidato do PSL.

Foram eleitos pelo partido no último domingo, 7, 70 deputados estaduais, 37 deputados federais, cinco senadores e um governador, no Acre.

PPS

Já o presidente do Partido Popular Socialista, Roberto Freire, respondeu a comentário em rede social afirmando que defende que o partido “não apoie nenhum dos dois contendores nesse segundo turno. E se posicione desde logo como oposição responsável respeitando a Constituição de 88 e lutando pelas reformas, seja qual for o presidente eleito”.

Foram eleitos oito candidatos à Câmara dos Deputados e dois candidatos ao senado pelo partido.

Novo

O Partido Novo afirmou me nota divulgada nas redes sociais que não apoiará nenhum candidato à presidência e que o cenário do segundo turno não é aquele que o partido esperava. “O Novo não apoiará nenhum candidato à Presidência, mas somos absolutamente contrários ao PT, que tem ideias e práticas opostas às nossas”, declara a nota.

O candidato à presidência pelo Novo obteve 2.679.744 votos, 2,5% do total.

PSDB

Geraldo Alckmin anunciou nesta terça-feira, 9, que o PSDB não irá se posicionar oficialmente a favor de nenhuma das duas candidaturas que chegaram ao 2º turno, liberando os correligionários para apoiarem qualquer um dos candidatos. A decisão foi tomada em reunião da Executiva do partido, em Brasília, que ficou marcada pelo bate-boca entre Alckmin e o candidato tucano ao governo de São Paulo, João Dória.

O racha entre os tucanos ficou evidente durante uma discussão os financiamentos para as campanhas estaduais. Dória questionava a ausência de mais financiamento para campanha de São Paulo quando foi interrompido por Alckmin, que insinuou: “traidor, eu não sou”.

Apoios: 1 x 1

O Partido Socialismo e Liberdade (Psol) e o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) declaram a apoio aos candidatos que disputam a presidência. O Psol, à candidatura de Fernando Haddad; e o PTB, à candidatura de Jair Bolsonaro.

Com informações: Focus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *