Camilo diz se preparar para pior cenário

O governador do Ceará Camilo Santana (PT) afirmou ontem, em entrevista durante a inauguração da rádio O POVO/CBN Cariri, que fará reestruturação da máquina pública logo no início de seu novo mandato. A reforma, disse, vem em função da eleição de Jair Bolsonaro (PSL) e o quadro que se apresenta a partir disso. “Estou me preparando para o pior cenário”, afirmou.

Conforme já noticiado, o secretário do Planejamento e Gestão, Maia Junior, já havia apresentado proposta de ajuste fiscal no Ceará. Havia a indicação de que 11 pastas poderiam ser extintas.

Para o líder do Governo do Estado na Assembleia Legislativa, Evandro Leitão (PDT), com a declaração, o governador quis dizer que será um ano difícil para todos os estados do Brasil, interpretação que o deputado compartilha. “Temos que ter muita prudência para tomar decisões acertadas”.

Ele afirma ainda que a saída do senador Eunício Oliveira (MDB) do Congresso Nacional será um desafio na tentativa de construir um bom trânsito com Brasília. Assim, ele diz esperar atuação participativa não só dos senadores eleitos, mas dos deputados federais que estarão na Câmara dos Deputados.

Sobre o convívio de Camilo Santana (PT) com o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), Leitão diz acreditar que se dará de modo respeitoso, “em busca de melhorias para o nosso Estado”.

Já o secretário Maia Junior afirma que Camilo quis expressar que o alinhamento de qualquer governador do Nordeste com o Governo Federal é difícil. Em relação a Bolsonaro, adicionou que o que ele fará com o Nordeste é uma “incógnita”.

Ponderou, entretanto, que de toda a cadeia federativa espera-se espírito republicano, além de classificar o chefe do Executivo estadual como pessoa tranquila. “O que não quer dizer que tenhamos alinhamentos do ponto de vista político”. Além da incompatibilidade política, Maia acredita que a expressão “pior cenário” se deve aos quadros econômicos nacional e internacional, que “não animam ninguém”.

Com a saída de Eunício – considerada grande perda por Camilo – e de José Pimentel (PT), que “prestaram grandes serviços ao Ceará”, Maia diz esperar que os eleitos Cid Gomes (PDT) e Eduardo Girão (Pros) adquiram rapidamente experiência e conhecimento dos mecanismos de funcionamento do Senado para que mediem a relação entre governo Estadual e Federal. “Somado ao espírito público de Tasso, o Ceará terá boa representatividade”.

Por meio de nota, o senador eleito Eduardo Girão (Pros), que declarou voto em Bolsonaro na reta final da campanha, afirmou que não é hora para ter uma atitude derrotista. “Entendo que cada um precisa fazer a sua parte em todos os níveis, inclusive através de uma gestão que busca a racionalização e otimização dos recursos públicos, sem desperdícios”, defendeu.

Na opinião de Girão, o grande aliado do governador, diante da liberação de recursos ao Estado, foi o atual presidente Michel Temer, “desafeto do partido dele”. Por isso, acrescenta que a articulação no Congresso pode ser feita por qualquer senador ou deputado federal. “Se o governador quer a aproximação com o novo Governo Federal, poderia já estar participando das reuniões de governadores com o presidente eleito, por exemplo”, alfinetou. O senador eleito afirmou ainda ser importante “moderar o discurso, pacificar e unir esforços olhando pra frente”.

Braço direito de Bolsonaro no Ceará, o deputado federal eleito Heitor Freire (PSL) atendeu duas vezes as chamadas da reportagem, mas disse que estava ocupado, em reunião. Um dos compromissos de Freire foi a presença no anúncio do futuro ministro da Saúde, o deputado Henrique Mandetta (DEM-MS). Capitão Wagner (Pros) não atendeu as ligações.

O governador Camilo Santana também foi procurado por meio da assessoria de comunicação e do gabinete, que não se manifestaram sobre a declaração de Camilo até o fechamento desta matéria. A assessoria de Eunício também não retornou.

 

Com informações: O Povo

Tasso e Eduardo Girão devem definir trabalho conjunto na bancada

O senador Tasso Jereissati (PSDB) e o senador eleito Eduardo Girão (PROS) deverão ter encontro para discutir um trabalho integrado na bancada cearense no Senado, a partir de fevereiro de 2019. No início da semana, eles conversaram pelo telefone, quando Tasso parabenizou Eduardo pela vitória. Nestas eleições, PSDB e PROS integraram a aliança de oposição no Estado.

Eduardo tem mantido encontros com lideranças do PROS, nos quais avalia a sua eleição. Em entrevistas, Capitão Wagner – eleito deputado federal – tem admitido a necessidade de um trabalho estratégico das oposições com vistas às eleições municipais de 2020, em especial na sucessão de Fortaleza.

 

Com informações: Eliomar de Lima

 

“Ele já começou errado, a meu ver”, diz Camilo Santana sobre Eduardo Girão

O governador reeleito Camilo Santana (PT) afirmou nesta segunda-feira, 8, em entrevista ao programa CETV, da TV Verdes Mares, que o candidato eleito ao Senado Federal, Eduardo Girão (Pros), já “começou errado” sua caminhada na política.

“Primeiro, o partido dele apoia o Haddad (nacionalmente). Segundo, se ele prega tanto a paz, como ele defende o candidato que mais estimula a violência, as armas neste País?”, questionou. Se referiu ainda a Bolsonaro (PSL) como candidato que, em 27 anos de Câmara dos Deputados, não fez nada.

Ele afirmou, entretanto, que dialogará com todos os senadores eleitos no Ceará, inclusive Girão. “A responsabilidade dele agora é ajudar o Ceará, que não fique só no discurso”.

Camilo se disse surpreso com a derrota do aliado Eunício Oliveira (MDB). Ele destacou a alta possibilidade que o emedebista  teria, se fosse eleito, de voltar a presidir o Senado. Segundo Camilo, a reeleição de Eunício ajudaria muito o Ceará, já que quem preside o Congresso tem muita influência. “Acho que o Ceará perdeu”, opinou.

Procurada, a assessoria de comunicação do ex-presidente do Fortaleza Esporte Clube disse que o consultará sobre uma resposta ou não ao comentário do governador.

Com informações: O Povo

“Recolho-me agora à vida pessoal”, diz Eunício após derrota para Girão

Após perder vaga no senado em disputa acirrada com Eduardo Girão (Pros), o senador Eunício Oliveira (MDB) lançou nota agradecendo os 1.313.793 votos que teve na disputa. Dizendo receber “com reverência e respeito” o resultado das urnas, Eunício desejou boa sorte aos novos eleitos e disse que irá se “recolher à vida pessoal”.

“O voto é a forma como o povo se manifesta nas democracias. Foi a partir das urnas que os brasileiros, e os cearenses em particular, demonstraram os anseios de mudança. Recebo com reverência e respeito essa determinação imposta a todos nós pelas regras democráticas, pelas quais tanto lutei”, diz o senador.

“Agradeço, com muita honra e humildade, aos 1.313.793 cearenses que seguiram confiando em mim. Recolho-me agora à vida pessoal. Desejo boa sorte e energia para os que foram eleitos”, conclui nota do senador.

Eleito em 2010 com mais de 2,6 milhões de votos, Eunício ficou de fora do Senado após receber apenas quase 12 mil votos a menos que Eduardo Girão. A eleição do senador do Pros acabou sendo a maior vitória da oposição na disputa, sobretudo para o deputado Capitão Wagner (Pros).

Com informações: Blog de Política O Povo

Confira o resultado final das eleições no Ceará

GOVERNADOR

Candidato Votação % Válidos
CAMILO (PT) 3.457.556  (79,96%)
GENERAL THEOPHILO (PSDB) 488.438 (11,30%)
HÉLIO GÓIS (PSL) 282.456 (6,53%)
AILTON LOPES (Psol) 90.611 (2,10%)
GONZAGA (PSTU) 5.060 (0,12%)
MIKAELTON CARANTINO (PCO)* Indeferido 0 (0,00%)
Total de eleitores 6.342.532
Abstenção 1.099.042
Comparecimento 5.243.490
Brancos 246.430
Nulos 672.939
Votos válidos 4.324.121

SENADO

Candidato Votação % Válidos
CID GOMES (PDT) 3.228.533 (41,62%)
EDUARDO GIRÃO (PROS) 1.325.786 (17,09%)
EUNÍCIO (MDB) 1.313.793 (16,93%)
DRA. MAYRA (PSDB) 882.019 (11,37%)
PASTOR PEDRO RIBEIRO (PSL) 334.561 (4,31%)
ANNA KARINA (PSOL) 316.922 (4,09%)
DR MÁRCIO PINHEIRO (PSL) 183.949 (2,37%)
PASTOR SIMÕES (PSOL) 150.644 (1,94%)
JOÃO SARAIVA (REDE) 21.654 (0,28%)
ROBERT BURNS (PTC) *Indeferido 0 (0,00%)
ALEXANDRE BARROSO (PCO) *Indeferido 0 (0,00%)
Brancos 853.822 (8,14%)
Nulos 1.849.607 (17,64%)
Anulados 25.690 (0,24%)

PRESIDENTE

Candidato Votação % Válidos
CIRO GOMES (PDT) 1.998.597 (40,95%)
FERNANDO HADDAD (PT) 1.616.492 (33,12%)
JAIR BOLSONARO (PSL) 1.061.075 (21,74%)
CABO DACIOLO (PATRI) 54.786 (1,12%)
GERALDO ALCKMIN (PSDB) 53.157 (1,09%)
HENRIQUE MEIRELLES (MDB) 27.902 (0,57%)
JOÃO AMOÊDO (NOVO) 23.198 (0,48%)
MARINA SILVA (REDE) 18.071 (0,37%)
GUILHERME BOULOS (PSOL) 15.103 (0,31%)
ALVARO DIAS (PODE) 8.142 (0,17%)
VERA (PSTU) 1.563 (0,03%)
EYMAEL (DC) 1.261 (0,03%)
JOÃO GOULART FILHO (PPL) 808 (0,02%)
Brancos 111.881 (2,13%)
Nulos 252.676 (4,82%)
Votos válidos 4.880.155 (93,05%)

Com informações: O Povo