Não reeleitos, dirigentes de partidos têm comando ameaçado no Ceará

O resultado das eleições deste ano pode provocar novos arranjos dentro de alguns partidos no Ceará. Isso porque ao menos seis deputados que comandam legendas no Estado perderam força depois de não conseguirem renovar seus mandatos. Agora, ainda como dirigentes, eles têm como desafio manter a liderança sobre os filiados.

O Partido da República (PR), presidido pela deputada federal Gorete Pereira, que não foi reeleita, deve virar alvo de disputa entre a dirigente e o único deputado federal eleito pelo partido no Ceará, Jaziel Pereira.

“Quero que o Jaziel fique com o PR, porque quero o que é justo. Tenho certeza que a Gorete fará parte de algum cargo importante tanto no Estado como no próprio Governo Federal. Quero dar essa cara extremamente feliz e conservadora ao PR”, afirma a deputada estadual reeleita Silvana Oliveira, esposa de Jaziel. Ele, por sua vez, diz que os dois vão procurar o presidente nacional do PR, Valdemar Costa Neto, para tratar do assunto.

Confiança

Silvana frisa que não “tripudia” de Gorete Pereira, mas lembra do momento em que a parlamentar também disputou a presidência do PR, no início deste ano, com o então presidente de honra de legenda, Roberto Pessoa, eleito deputado federal. Gorete levou o PR para a base governista, enquanto Pessoa queria manter a sigla na oposição.

Já Gorete Pereira considera “difícil” ser retirada do comando do PR. “Tenho mais de 20 anos nesse partido. Não vai ser ela (Silvana), que está acabando de chegar ao partido, que vai conseguir. A Silvana e o marido são deputados de segmentos religiosos. O partido precisa ser plural, não é de segmento, e confio muito no meu partido por ser uma pessoa muito ligada ao presidente nacional”, afirma Gorete, confiante.

Presidente do DC no Ceará, o deputado estadual Ely Aguiar diz que deixou a sigla “à disposição” da direção nacional. “Não sei se o partido vai aceitar, mas a minha decisão é de ficar no partido até o último dia do meu mandato. O partido não atingiu a cláusula de desempenho. Não atingindo, fica pouco atraente, porque não terá espaço na mídia, não terá verba para a sua manutenção”, justifica.

Indefinição

Deputado estadual reeleito, Audic Mota (PSB) acredita que o partido deve passar por uma “oxigenada” no Ceará. Além dele, a legenda elegeu no Estado um deputado federal, Denis Bezerra, mas não reelegeu o atual presidente estadual, o deputado Odorico Monteiro.

“Certamente, essa estrutura partidária vai ter que ser repactuada, como vários outros partidos vão passar por isso, em função da grande renovação, mas são cenas dos próximos capítulos. Vai depender muito da conjuntura nacional também”, avalia Mota. Já Odorico Monteiro não atendeu às ligações da reportagem.

O presidente estadual do Avante, deputado federal Cabo Sabino, também não conseguiu se reeleger. Ele, no entanto, diz que continuará no comando da sigla, “buscando gente nova, pessoas que queiram participar de uma política nova”, argumenta.

Adail Carneiro, presidente estadual do Podemos, também não foi reeleito deputado federal. Ao ser questionado sobre o futuro no partido, diz apenas que está “apolítico” neste momento. O deputado federal Ronaldo Martins, dirigente do PRB no Estado, também não foi reeleito. Ele não atendeu às ligações.

Com informações: Diário do Nordeste

Empresários e profissionais liberais são maioria na nova Câmara

Dois terços dos 513 deputados federais eleitos e reeleitos no último domingo (7) são empresários e profissionais liberais, segundo levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Os demais dividem-se entre assalariados e profissionais de atividades diversas, como ator, humorista, sacerdote e pastor evangélico, além de estudantes.

Conforme o levantamento, 133 eleitos se declararam empresários, porém ainda há 14 produtores do setor de agronegócio e sete comerciantes. Segundo o Diap, esse grupo tende a ser maior, porque “um advogado, dono de um grande escritório de advocacia, embora possa viver dos dividendos de seu negócio, prefere se apresentar como profissional liberal do que como empresário”.

 O plenário da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 6433/13, que permite ao delegado de polícia adotar medidas de urgência para proteger mulheres vítimas de agressão.
Plenário da Câmara – Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil

Entre os profissionais liberais estão advogados e graduados em Direito, médicos, economistas, administradores, jornalistas, engenheiros, enfermeiros, corretores, contadores, médicos veterinários e agrônomos. Nessa categoria, com cerca de 200 deputados, estão os profissionais cuja renda é proveniente do trabalho sem vínculo empregatício.

No terceiro grupo estão os assalariados – professores, servidores públicos, policiais e bancários -, além dos que exercem atividades de natureza diversa, como pastores, sacerdotes, celebridades, humoristas, apresentadores de TV, atores e cantores. Na categoria celebridades, além do ator Alexandre Frota (PSL-SP) e do humorista Tiririca (PR-SP), estão o ativista e conferencista Kim Kataguiri (DEM-SP) e o cantor de pagode Igor Kannario (PHS-BA).

O levantamento mostra que 20 deputados eleitos declararam atividades ligadas à religião – 15 pastores evangélicos, dois sacerdotes, um frade franciscano, um teólogo e um ministro do evangelho. No grupo dos religiosos encontram-se Padre João (PT-MG), Sóstenes (DEM-RJ), Frei Anastácio (PT-PB) e Paulo Freire Costa (PR-SP). Os deputados eleitos Léo Motta (PSL-MG) e Olival Marques (DEM-PA) apresentam-se como cantores gospel.

Na nova Câmara haverá 26 professores, 26 servidores públicos e 32 militares, policiais e bombeiros. Três deputados eleitos se identificaram como políticos: o tucano Lucas Redecker, atualmente na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, João Daniel (PT-SE) e André Abdon (PP-AP), já exercendo mandato na Câmara.

Algumas categorias, como apresentador de TV, agente administrativo, comunicólogo, gerente, gestor público, industriário, motorista, pescador, escritor e promotor de Justiça, elegeram apenas um representante. Na Bahia, um dos deputados eleitos foi o pescador Raimundo Costa (PRP), presidente da Federação da Pesca do estado. Sergipe elegeu o motorista Valdevan Noventa (PSC), o Acre, a magistrada Vanda Milani (SD), e Minas Gerais, a escritora e professora universitária Margarida Salomão (PT-MG).

Com informações: Agência Brasil

André diz que PT foi “irresponsável e safado” ao afirmar que PDT pediu cargos para apoiar Haddad

O presidente estadual do PDT, André Figueiredo, aumentou ainda mais a sua zanga (pra não dizer repugnância) para com o PT. Trata-se de uma reação ao que, segundo o Estadão, “petistas graúdos” relataram à jornalista Andreza Matais que o PDT teria pedido a Casa Civil, o Planejamento, o BNB, a presidência do Senado para Cid Gomes e mais um ministério para Carlos Lupi em troca do apoio à candidatura de Fernando Haddad.

Leiam a seguir o que André, que foi ministro das Comunicações de Dilma Rousseff (PT), disse ao Focus.jor  a respeito: É o PT sendo PT, né? Nunca aconteceu. A gente não ia pedir nem sequer a vaga de porteiro do Palácio do Planalto. Estamos assumindo a responsabilidade de não pregar a neutralidade por conta de que a eleição de Bolsonaro será uma tragédia. O PT cada vez mais mostra realmente a sua verdadeira face. Espalhar essa notícia absolutamente… é… eu não sei nem o termo que utilize. Irresponsável, safado. Isso mostra bem a índole de alguns que fazem o PT. Se entregassem todo o Ministério o PDT não aceitaria. O PDT tem outro projeto, que não é do PT. Todas essas colocações apenas mostram o que realmente esse partido fez com o Brasil e que leva o País aos braços de Bolsonaro. Lamento muito ver essas notícias colocadas na imprensa. O PDT não exigiu a vaga de porteiro da garagem do Palácio do Planalto para declarar apoio crítico. Se viesse todo o ministério o PDT não aceitaria porque o nosso projeto é bem diferente do projeto do PT.

Ciro não sobe no palanque de Haddad, sai de férias e PDT projeta seu nome para 2022

Ao sair do encontro do PDT que definiu “apoio crítico” do partido a Fernando Haddad (PDT), o presidente nacional da sigla, Carlos Luppi, reafirmou que o projeto é lançar a candidatura de Ciro Gomes nas eleições presidenciais de 2022. Segundo o presidente do PDT, “a partir de agora”, o partido “está decidindo lançar a candidatura Ciro 12 em 2022”.

Ciro não quis falar com a imprensa na saída do encontro do PDT. Segundo uma fonte, a ideia é não se expor para não ligar seu nome ao de Fernando Haddad, ratificando a posição de independência do pedetista. Lupi informou que Ciro não fará campanha para Haddad e não subirá no palanque do petista. Para ficar ainda mais distante da disputa do segundo turno, Ciro planeja sair de férias com a família e só retornar ao Brasil para a votação do segundo turno.

Com informações: Fábio Campos/Focus

Proposta de Bolsonaro de pagar 13º no Bolsa Família é de senador petista

Apresentada por Jair Bolsonaro (PSL) como uma ideia do seu vice, Hamilton Mourão, a proposta que institui o pagamento de 13ª parcela para beneficiários do Bolsa Família não apenas já existe, como é de autoria de um parlamentar do PT.

Lindbergh Farias (PT-RJ) protocolou o projeto de lei 256/2017 em 9 de setembro do ano passado. A partir daí, a medida passou a tramitar na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE).

Antes, porém, Marina Silva (Rede) já havia apresentado a proposta durante as eleições de 2014.

Em vídeo gravado com os deputados federais eleitos Dayane Pimentel (PSL-BA) e Heitor Freire (PSL-CE) e divulgado na terça-feira passada, Bolsonaro promete conceder a 13ª mensalidade do Bolsa Família.

O presidenciável então informa que havia sido procurado por Mourão, que submeteu a novidade ao assessor econômico Paulo Guedes.

“Essa despesa a mais”, afirma o candidato, “nós vamos tirar combatendo a fraude nesse programa, que, para muita gente, é essencial”.

No mesmo vídeo, o ex-militar se defende de acusações segundo as quais ele iria eliminar o programa assistencial criado nos governos do PT.

“Falar de tirar o Bolsa Família é um ato de desumanidade”, critica o postulante do PSL. “Pelo contrário. Vamos fortalecer e dar pra quem necessita. Nordeste, aquele abraço.”

Em declaração recente a uma plateia de empresários na CDL de Uruguaiana (RS), Mourão chegou a dizer que o 13º salário, previsto na Consolidação das Leis Trabalhistas, era uma “jabuticaba”.

O vice foi desautorizado por Bolsonaro no mesmo dia. Pelo Twitter, o candidato criticou o companheiro de chapa e garantiu a manutenção do direito.

A concessão de 13º para cadastrados no Bolsa Família já havia causado polêmica ao entrar na campanha eleitoral deste ano.

Em Pernambuco, os candidatos Armando Monteiro (PTB) e Paulo Câmara (PSB), que disputavam o Governo do Estado, expuseram a proposta em seus programas como se fosse deles.

Câmara, atual governador, acabou reeleito ainda no primeiro turno.

Com informações: Blog de Política O Povo

Jair Bolsonaro não virá ao Ceará no segundo turno da campanha

O presidenciável Jair Bolsonaro, do PSL, não virá ao Ceará durante  a campanha neste segundo turno das eleições à Presidência da República. A informação foi repassada pelo presidente deu seu partido no Estado, Heitor Freire. Já o petista Fernando Haddad, de acordo com lideranças da legenda, tem o Nordeste como principal local de campanha nos próximos dias, além de Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo.

Segundo informou Freire,  Bolsonaro não virá ao Estado, pois depende de avaliação médica para ser liberado para a campanha, o que acontecerá somente na próxima semana.  O presidenciável já cancelou algumas agendas de campanha, como por exemplo, participação em debates políticos. Durante o primeiro turno, ele também não veio ao Ceará, visto que sofreu atentado à faca durante caminhada em Minas Gerais.

No primeiro turno, a vinda do candidato estava marcada para o fim de setembro, o que não aconteceu. A última vez em que ele esteve no Ceará foi no final de junho, ainda no período de pré-campanha. Heitor Freire brincou, dizendo que o presidenciável virá ao Estado, provavelmente, em novembro “após vencer as eleições presidenciais”. “Lembrando que o Ceará tem um lugar especial no coração do Bolsonaro devido à família de sua esposa, que é do Estado. O Ceará terá um olhar diferenciado por ele quando for presidente”, disse.

Com o objetivo de atrair o maior número de votos para Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL), aliados dos presidenciáveis estão se articulando, no Ceará, em eventos que terão início já na próxima semana. O governador Camilo Santana marcou para a segunda-feira, à noite, uma reunião com todos os candidatos de sua coligação eleitos, para agradecer os votos recebidos, mas, principalmente, fazer chamamento a todos em prol da candidatura de Haddad.

Camilo quer aproveitar a popularidade e o bom desempenho nas urnas para atrair o maior número de eleitores ao candidato do Partido dos Trabalhadores.  Por outro lado, os aliados de Bolsonaro, em sua maioria membros do PSL e PROS, estão se articulando para que o candidato tenha maior representatividade no Ceará, a partir dos próximos dias.

Heitor Freire, que preside o PSL do Ceará, esteve nos últimos dias no Rio de Janeiro com o capitão da reserva, e tinha como ideia principal agendar visita de Bolsonaro ao Ceará neste segundo turno das eleições.  Outro que esteve com Bolsonaro foi o deputado federal eleito, Capitão Wagner. O deputado confirmou que alguns tucanos cearenses devem apoiar o candidato do PSL, como é o caso de Roberto Pessoa, eleito deputado federal.

Leonardo Araújo, do MDB também deve apoiar Bolsonaro, ainda que o MDB tenha defendido neutralidade de seus filiados. Como não há verticalização que obrigue que os membros de partidos no Estado fiquem obrigados a votar de acordo com a determinação da executiva nacional, muitos políticos devem apoiar as candidaturas do PT e PSL, de acordo com a consciência de cada um.

Com informações: Diário do Nordeste

Erika visita Câmara Municipal de Caucaia e agradece os 86 mil “votos de esperança”

Em sua primeira aparição pública depois do resultado da eleição, a deputada estadual eleita Erika Amorim visitou a Câmara Municipal de Caucaia nesta quinta-feira (11/10). A convite dos parlamentares, ela participou da 54ª sessão ordinária e agradeceu os “86.320 votos de esperança” que recebeu em 170 municípios do Ceará.

Erika foi a deputada estadual mais votada do Estado, a deputada estadual mais votada da história de Caucaia, a segunda deputada estadual mais votada da história do Ceará e a deputada estadual mais votada da coligação a qual pertencia. No ranking geral, foi a sétima com mais eleitores.

Candidata de primeira viagem, a primeira-dama dos caucaienses ficou à frente de nomes que tentavam a reeleição e de lideranças conhecidas do eleitorado. “A gente não constrói nada sozinho. Muitas pessoas se uniram a nós nessa caminhada e muitas nos fortaleceram em oração. Por isso, essa vitória não é só minha. É de todos nós. E eu quero retribuir com dada dia dos quatro anos do meu mandato com muito foco e muito trabalho”, declarou.

Ela comemorou o desempenho em Caucaia, onde conseguiu votos suficientes para eleger-se. Foram 42.982 apoios. “Saí de algumas comunidades de coração dilacerado. É muita responsabilidade porque essas pessoas nos veem como uma esperança. Mas Caucaia agora tem um prefeito que ama a cidade, uma deputada eleita em casa e um deputado federal (Domingos Neto) amigo. Juntos, com vontade de resolver, a gente vai ter dias melhores”, pontuou Erika.

A trajetória da deputada eleita foi enaltecida por todos os 13 vereadores em plenário. “Sua votação expressiva é fruto de um trabalho. Nada vem à toa. Vossa Excelência sempre foi uma primeira-dama ativa. Desejo que some ainda mais forças ao prefeito para melhorar nosso município”, disse a presidente da Câmara, vereadora Natécia Campos.

Muitos parlamentares destacaram a eleição de Erika como a abertura de um importante canal de diálogo de Caucaia com o Governo do Estado. “Sua vitória é uma vitória do povo”, afirmou o vice-presidente do Legislativo, vereador Mersinho. “A senhora colocou os pés no chão e foi em busca de voto. Não se acovardou e vai ser a voz das pessoas que hoje não têm voz no parlamento estadual”, acrescentou o líder do Governo na Casa, vereador Fábio Herlândio.

Até quem não esteve ao lado de Erika na campanha parabenizou-a pela votação histórica. Somados, os três principais concorrentes dela no pleito não chegaram a metade dos votos alcançados pela candidata. “Vossa Excelência é a prova viva de que todo trabalho bem feito é recompensado”, declarou o vereador Neto do Planalto.

 

Com informações: Bruno de Castro

TRE-CE disponibiliza dados detalhados da votação

Já estão disponíveis os dados detalhados da votação dos candidatos no primeiro turno em cada município, zona eleitoral e seção do estado do Ceará. Basta o interessado acessar o site do TRE-CE, em “Eleitor e Eleições” / “Eleições”/ “Resultados” ou http://apps.tre-ce.jus.br/tre/eleicoes/resultados/2018/.

Em breve, serão disponibilizados novos relatórios.

Os eleitores também pode verificar, no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os boletins de urna (BUs) com o quantitativo de votos apurados no primeiro turno das Eleições 2018. O link Boletim de urna na web permite consultar os resultados de cada urna em qualquer parte do país e do exterior. Para efetuar a pesquisa, basta preencher os campos unidade da federação, município, zona e seção. Para consultar as urnas do exterior, basta selecionar no campo “UF” a sigla ZZ.

Com informações: ASCOM do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Ceará

Tasso e Eduardo Girão devem definir trabalho conjunto na bancada

O senador Tasso Jereissati (PSDB) e o senador eleito Eduardo Girão (PROS) deverão ter encontro para discutir um trabalho integrado na bancada cearense no Senado, a partir de fevereiro de 2019. No início da semana, eles conversaram pelo telefone, quando Tasso parabenizou Eduardo pela vitória. Nestas eleições, PSDB e PROS integraram a aliança de oposição no Estado.

Eduardo tem mantido encontros com lideranças do PROS, nos quais avalia a sua eleição. Em entrevistas, Capitão Wagner – eleito deputado federal – tem admitido a necessidade de um trabalho estratégico das oposições com vistas às eleições municipais de 2020, em especial na sucessão de Fortaleza.

 

Com informações: Eliomar de Lima

 

Partido de Ciro Gomes anuncia apoio a Haddad contra “derrocada da democracia”

Está definido mais um apoio ao candidato do PT, Fernando Haddad. O maior detentor de votos além dos dois candidatos no segundo turno, o PDT de Ciro Gomes anunciou na tarte dessa quarta-feira, 10, um “apoio crítico” ao petista no segundo turno.

O apoio era quase certo, já que o presidenciável Ciro Gomes havia falado, logo após a apuração dos votos confirmar disputa em segundo turno, que não apoiaria Jair Bolsonaro (PSL) – a quem se referiu durante a campanha como “Hitlerzinho tropical”.

Já o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, afirmou no mesmo dia que o partido “jamais” apoiaria o capitão da reserva. No primeiro turno, Ciro recebeu mais de 13 milhões de votos e foi terceiro colocado no pleito.

Confira a nota divulgada pelo PDT em seu site:

A Executiva Nacional do PDT reunida nesta quarta-feira na sede nacional do partido, em Brasília, declara seu apoio crítico à candidatura de Fernando Haddad para evitar a vitória das forças mais reacionárias e atrasadas do Brasil e a derrocada da Democracia.

Com informações: Blog de Política O Povo

Derrotas em redutos de aliados tiraram Eunício do Senado

Derrotas em redutos dominados por candidatos da base aliada foram decisivas para o fracasso de Eunício Oliveira (MDB) contra Eduardo Girão (Pros) na disputa pelo Senado. Entre os 33 municípios do Ceará onde o emedebista perdeu para o adversário, apenas dois não deram votações expressivas para deputados eleitos aliados de Camilo Santana (PT).

Em todos os outros, pelo menos um candidato próximo do governo foi eleito com grande votação que não se refletiu em votos para Eunício. Observando o mapa das vitórias de Girão, real empenho de deputados da base pela vitória do emedebista fica sob suspeita. Durante a campanha, foram vários os rumores sobre “traições” de aliados contra Eunício.

 

Em alguns casos, municípios que deram votações expressivas para mais de um deputado da base só arregimentaram poucos votos para o emedebista. Apesar de ter conseguido a maior parte da votação na Região Metropolitana de Fortaleza, Eduardo Girão teve municípios do Interior como “fiéis da balança” para os menos de 12 mil votos que lhe garantiram a vitória.

Segundo o coronel Plauto de Lima, um dos articuladores da campanha de Girão, não houve qualquer tipo de acordo entre o candidato do Pros e deputados da base. Ele destaca, no entanto, ter notado perceptível movimento de lideranças locais em “abrir” o 2º voto para o Senado, sem pedir apoio a Eunício. “Deram uma de Pôncio Pilatos: lavaram as mãos”.

Casos notáveis envolvem os deputados José Guimarães (PT) Dr. Sarto (PDT). Em três municípios onde eles foram os mais votados, Eunício teve pequena votação e acabou derrotado. “A rigor, não fiz campanha para o Eunício. Deixei as bases à vontade, só tinha um senador, que era o Cid”, admite Sarto, que em setembro prometia pedir votos ao emedebista.

“Meu grupo ficou chateado com apoio de Eunício a grupos opostos em Acopiara (base do deputado), então acabou optando por outra candidatura. Ainda ponderei que Camilo e Cid tinham pedido pelo Eunício, mas não deu”, explica Sarto. “Ele tentou puxar voto para aliados na base de outros, então criou uma ambiência muito ruim. Foi muito pouco hábil”, disse.

Plauto destaca ainda que, em várias regiões, líderes locais mesmo os ligados à base aliada enxergaram a disputa entre Eunício e Girão como oportunidade de fazer uma “prévia” da eleição municipal de 2020. “Como o MDB tinha muitos desses prefeitos, muita gente da oposição viu nisso uma oportunidade de ver as chances para 2020”, diz.

Em Quixeramobim, reduto histórico de José Guimarães e onde Girão venceu por mais de 10 mil votos de diferença, pesou nesse sentido racha entre o prefeito, Clébio Pavone (SD), e o vice, Sargento Rogério (Pros). Em cidades como Santa Quitéria, circularam adesivos que uniam Camilo, Guimarães, o deputado estadual Bruno Pedrosa (PP) e Eduardo Girão.

A reportagem tentou entrar em contato com José Guimarães para falar sobre o caso. O deputado, no entanto, não atendeu ligações. A assessoria de Eunício Oliveira disse que ele não irá se manifestar sobre o assunto.

Com informações: O Povo