Número de homicídios no Ceará cai em julho; primeiros sete meses de 2018 têm 2.758 assassinatos

O número de homicídios em julho no Ceará caiu 20,3% se comparado com igual mês de 2017. Foram 378 assassinatos em julho deste ano e 474 em julho de 2017, conforme números divulgados nesta quarta-feira (8) pela secretaria da Segurança Pública. É o quarto mês consecutivo que o estado apresenta redução de homicídios.

Comparando com julho do ano passado, a queda foi registrada em todas as regiões: capital, Região Metropolitana de Fortaleza, interior Norte e Sul.

Os primeiros sete meses do ano acumulam 2.758 assassinados, 0,5% a menos que no mesmo período de 2017 (2.773), ano em que o Ceará terminou com um recorde de violência.

Houve redução dos crimes de roubo a pessoa, roubo de carga, a residência, de veículo e a banco, e nos furtos.

  • Roubo a pessoas: ocorreram 4.515 em julho de 2018, contra 5.673 em julho de 2017
  • Roubo de carga, residência, veículo e banco: foram 810 em julho de 2018, contra 1.105 em julho de 2017
  • Furto, são 5.067 casos em julho de 2018, contra 5.557 em julho de 2017

“O mês de julho, tradicionalmente, é um mês em que a gente têm dificuldades na redução dos assaltos, muito fluxo turístico, férias, mas ainda assim houve uma redução forte. São vários dados positivos, fruto de um esforço da secretaria e do governo, através dos investimentos que foram realizados, diferentes do que a gente vê no resto do país, investimentos focados em tecnologia para apoiar as investigações, a inteligência e as ações de campo”, comentou o secretário de Segurança do Ceará, André Costa.

Capital e interior

Em Fortaleza, o decréscimo de crimes em julho foi de 29,3%, com 130 mortes em 2018, contra 184 em 2017. Na Região Metropolitana, a redução foi de 23% (104 casos em 2018/ 135 em 2017).

Já no acúmulo de casos de janeiro a julho, houve aumento de crimes na Região Metropolitana, com 766 casos em 2018 contra 681 no ano passado, e no Norte do estado, com 586 crimes registrados este ano, contra 470 registrados em 2017.

Investimento

De acordo com o secretário, o investimento em tecnologias para trabalhar a serviço da polícia no estado e o estudo da segurança pública têm contribuído para a redução dos números.

“A gente tá tratando a segurança pública no Estado do Ceará como uma ciência. O primeiro Big Data da segurança pública do país está sendo construído aqui no Ceará, que é um painel analítico, com tecnologia de inteligência artificial”, frisou.

A ampliação do videomonitoramento também é um dos elementos que reflete na redução dos crimes, defende o secretário. “Hoje tem mais de 2 mil câmeras de videomonitoramento, até o final do ano vão ser mais de 3.200, sendo 2.500 só em Fortaleza. Câmeras que podem detectar a presença de veículos roubados e pessoas com antecedentes criminais nas ruas. Nos próximos anos isso vai ser modelo pro restante do país”, destacou o secretário.

Estudos sobre a motivação dos homicídios também estão entre as medidas recentes da secretaria de Segurança. “A gente entrevistou familiares das pessoas que foram mortas, no caso, em Fortaleza, e estamos concluindo o estudo da Região Metropolitana. Ficou demonstrado que cerca de 85% dessas mortes em Fortaleza são de pessoas que tinham algum histórico com drogas, ou eram traficantes ou usuários. Isso é importante pro estado saber que precisa ter investimentos na prevenção ao uso de drogas.”

Mulheres no crime

Sobre o aumento da participação de mulheres no crime, o secretário comenta os dados de 2017, que revelam um aumento de 30% no número de prisões, no entanto, se analisados os mesmos dados em relação somente às mulheres, o aumento chega a 70%.

“Infelizmente a gente tem visto mais mulheres se envolvendo com o crime e com o tráfico de drogas, e isso tem sido realmente o maior motivador de mortes envolvendo mulheres”, disse.

Os dados da Secretaria de Segurança não incluem assassinatos ocorridos dentro de presídios nem mortes em decorrência de ação policial.

Ataques criminosos

No fim de julho, o Ceará registrou a segunda onda de ataques a ônibus e equipamentos públicos e privados do ano. As ações, ocorridas em março e julho, foram represálias de facções criminosas, de acordo com órgãos e entidades que participam ou acompanham as investigações.

Nas duas sequências de ataques do ano, o modo de atuação foi semelhante. Especialistas afirmam que a situação se agravou em 2015 com uma reconfiguração dos quatro grupos criminosos que atuam no estado.

Sobre o trabalho de investigação da polícia em relação aos últimos casos, o secretário afirmou que os responsáveis estão sendo presos. A secretaria da Segurança efetuou nove prisões em julho relativas aos ataques. De acordo com o órgão, quatro dos presos também são investigados por ataques anteriores.

Com informações: G1 Ceará

Nova onda de ataques a equipamentos públicos atinge Grande Fortaleza

Em pouco mais de 72 horas, 24 ataques contra ônibus, prédios públicos e instituições financeiras foram registrados na Grande Fortaleza. As ações, segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), foram em represália à morte de três suspeitos de envolvimento em assaltos a ônibus e carros-forte na quinta-feira, 26, em Amontada, a 168 Km de Fortaleza.
Motivação
Francisco Adriano Martins da Silva, 33, conhecido como Macumbeiro, Francinei Nobre da Silva, 46, o Gangão, e José Sílvio dos Santos Vieira , 39, mortos na quinta-feira, 26, estavam foragidos e com mandados de prisão em aberto. “Os envolvidos na ocorrência (em Amontada) eram pessoas com largos antecedentes criminais, uma história longa no crime, tinham uma certa posição de chefia ligada a um grupo criminoso aqui no Ceará”, explicou o secretário André Costa.
Modus operandi
As retaliações ocorrem principalmente durante a noite. Grupos de jovens param os coletivos, ordenam que os passageiros abandonem o veículo enquanto despejam combustível e iniciam o incêndio. Nos atentados aos prédios, os criminosos disparam contra a fachada dos locais e fogem logo em seguida. Até a noite de domingo, 29, a SSPDS contabilizada 22 casos. Nesta segunda-feira, 30, mais dois registros: uma granada foi deixada na porta do 28º Distrito Policial, em Maracanaú. Durante a madrugada, um coquetel molotov foi jogado contra o Batalhão Policial Militar Ambiental (BMPA), localizada na avenida Raul Babrbosa, atingindo um veículo da unidade.
Ataques
Na sexta-feira, 27, além de nove coletivos atacados, houve disparos de armas de fogo contra a agência dos Correios, no bairro Jacarecanga, prédio do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), no São Gerardo, na sede da Secretaria Municipal de Segurança Cidadã, no Vila União. Também houve ataques contra a Regional IV, na Serrinha, e uma agência bancária, no Carlito Pamplona.
Sábado
Já no sábado, 28, três veículos foram incendiados nos bairros Passaré, Carlito Pamplona e Cristo Redentor. Uma agência do banco Itaú, na av. Washington Soares, a Delegacia de Chorozinho e a sede da Pefoce também sofreram ataques.
Domingo
No domingo, 29, um ônibus foi incendiado e alvejado no KM 23, na localidade de Boqueirão, em Caucaia. No bairro Bonsucesso, em Fortaleza, a SSPDS confirmou outra ação contra um coletivo, totalizando 14 ônibus depredados pelos bandidos.
Prisões
Até agora, dez suspeitos foram presos. Gean Patrick Aguiar Lima, 19, foi capturado na tarde de sábado com um galão de gasolina, no Bairro Vila Ellery. Oderison dos Anjos Oliveira, 19, foi preso ao infringir o perímetro permitido pelo uso de tornozeleira eletrônica, na Sapiranga. Pedro Henrique Mesquita de Sousa, 27, foi apreendido no Cristo Redentor,com uma arma de fogo calibre 12 de fabricação artesanal. Os outros sete suspeitos ouvidos não foram presos por falta de “elementos para flagrante” mas continuam sob investigação.
Com informações: O Povo

Governo adquire helicóptero usado na morte de membros do PCC

O helicóptero utilizado nas mortes de Rogério Jeremias de Simone, o “Gegê do Mangue”, e Fabiano Alves de Souza, o “Paca” fará parte da frota de aeronaves da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado(SSPDS). O anúncio foi feito pelo governador Camilo Santana, neste sábado (28), durante evento no município de Eusébio.

Camilo informou que a Justiça Federal autorizou que o helicóptero seja utilizado pela Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer). A aeronave foi localizada no dia 2 de março, no interior de São Paulo.

Gegê do Mangue e Paca eram membros do Primeiro Comando da Capital (PCC). Eles foram mortos em uma reserva indígena localizada no município de Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza, no dia 15 de fevereiro deste ano.

Segundo investigações do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), de São Paulo, o helicóptero estava no nome do piloto Felipe Ramos Moraes, suspeito de comandar a aeronave no dia do crime.

O helicóptero usado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), está avaliado em R$ 3 milhões e está em nome de uma empresa cujo endereço não existe. O empreendimento seria de um homem, que foi interditado pela Justiça em julho de 2008, por “doença mental”, segundo laudo pericial da época.

A aeronave era guardada em um hangar no Guarujá e foi comprado em setembro do ano passado, mesmo período em que Felipe esteve no Ceará.

Com informações: CNews

Polícia deflagra megaoperação de caça a bandidos em Fortaleza, Caucaia e Maracanaú

Uma megaoperação policial foi desencadeada no começo da manhã desta quinta-feira (12), pela Secretaria da Segurança Pública e defesa Social (SSPDS), mobilizando dezenas de equipes das polícias Civil e Militar, além do reforço de profissionais da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), Corpo de Bombeiros Militar (CBM) e de aeronaves da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer). O objetivo é o cumprimento de, ao menos, 40 mandados de prisão, além de busca e apreensão em Fortaleza e nas cidades de Caucaia e Maracanaú.

As equipes começaram a se reunir a partir das 4 horas no pátio interno da Sede da SSPDS, na Avenida Bezerra de Menezes, no bairro São Gerardo. Ali, foram distribuídos os envelopes com os mandados judiciais e os respectivos endereços dos “alvos”. A operação visa prender pessoas acusadas de envolvimento em crimes diversos, como roubo, tráfico de drogas e, principalmente, assassinatos, além dos atentados recentes contra órgãos públicos e contra o sistema de transporte coletivo da Capital, com o incêndio de vários ônibus há três semanas.

O trabalho faz parte de investigações que vinham sendo realizadas de forma sigilosa pela Polícia Civil com o apoio do Ministério Público Estadual (MPE) e da Justiça. Que expediu as ordens de prisão e de busca e apreensão nos três Municípios. O próprio secretário da Segurança Pública, delegado federal André Costa, está acompanhando o desenrolar dos cumprimentos das ordens judiciais. Os detidos na operação são levados, inicialmente, para a própria Polícia Civil e, depois, serão encaminhados aos presídios da Grande Fortaleza.

Tráfico e mortes

Investigações realizadas pelas autoridades apontaram os suspeitos de vários assassinatos na Grande Fortaleza. Crimes que estão relacionados à disputa de território entre traficantes e seus “soldados” ligados à facções criminosas que dominam a periferia de Fortaleza e de cidades da sua Região Metropolitana (RMF).

Ainda nesta quinta-feira, a SSPDS deverá divulgar – em nota à Imprensa ou entrevista coletiva – o resultado da operação iniciada no fim da madrugada.

Com informações: Jornalista Fernando Ribeiro