Bolsonaro em campanha para minimizar denúncias contra o filho

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), está em uma campanha clara para minimizar as denúncias contra o filho e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), cujo ex-assessor movimentou, de forma suspeita, R$ 1,2 milhão em conta-corrente. Não é para menos. O futuro chefe do Palácio do Planalto está com a popularidade nas mãos e quer, no mínimo, mantê-la. Pesquisa divulgada ontem pelo Ibope mostra que 75% da população acha que o governo eleito está no “caminho certo”. A expectativa de 64% da sociedade é de que a gestão será ótima ou boa.

Os números respaldam a popularidade de Bolsonaro, que precisa disso para ter população e o Congresso como fiadores da aprovação da agenda econômica. Mas a costura pela governabilidade não será simples. Além das suspeitas envolvendo Flávio, a falta de unidade dentro do próprio PSL coloca em xeque a desenvoltura da articulação da bancada por espaços com partidos aliados.

Em transmissão ao vivo nas redes sociais na noite de quarta-feira, Bolsonaro disse que “pagará a conta”, caso haja algo errado com ele ou o filho na suspeita envolvendo o ex-assessor Queiroz. “Temos problema com um ex-assessor nosso, do Flávio, com movimentação atípica. Vai ser ouvido na semana que vem. (…) Que paguemos a conta, se algo estiver errado comigo ou com meu filho, mas nós não somos investigados”, destacou.

O futuro ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, foi outro que saiu em defesa aos envolvidos. Em entrevista exibida na madrugada de ontem pelo programa Conversa com Bial, da TV Globo, absolveu o presidente eleito de responsabilidade no caso e disse que o valor movimentado à conta de Bolsonaro é “irrisório”. “O presidente está isento disso aí porque não teve participação. O que apareceu dele é irrisório, uma quantia pequena, e ele mesmo já explicou. Acredito que não vá atingi-lo”, ponderou.

O vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão (PRTB), admite que “causa incômodo” a demora de Queiroz em dar explicação sobre a movimentação bancária. Mas, ontem, também isentou o presidente eleito e Flávio de envolvimento em qualquer suspeita. “Óbvio que toda vez que você tem de dar explicação, isso incomoda, é desagradável. Mas volto a dizer: tenho plena confiança no presidente e no Flávio. Confio nos dois”.

Esclarecimentos

A força-tarefa mobilizada por Flávio e o governo eleito para dar justificativas é bem avaliada por aliados. Em reuniões com as bancadas, Bolsonaro prometeu transparência. “É uma questão envolvendo Flávio, e não o presidente, mas todos esperamos esclarecimentos. Qualquer sinal de fragilidade e perspectiva de o governo não ser a mudança que a população espera seria algo ruim”, ponderou o deputado e senador eleito Izalci Lucas (PSDB-DF).

Se, por um lado, o governo eleito procura um modo de tranquilizar a base aliada que começa a ser construída, por outro, a bancada do PSL não ajuda. A reunião com Bolsonaro na quarta-feira foi complicada. “Confundiram a reunião da bancada com o encontro com o presidente. Não discutimos pautas importantes e não houve votação para a costura da liderança que representará o partido na articulação com a Câmara”, disse um parlamentar eleito da legenda.

É natural que, em um partido com muitos parlamentares de primeira viagem, haja desentendimentos, admite Izalci. Para ele, é questão de tempo até o PSL construir uma unidade. No momento, o padrão de comportamento de divisão interna gera insegurança e insatisfação a alguns políticos. “Estão afoitos querendo abraçar o mundo. É preciso calma”, recomendou.

Cirurgia no fim de janeiro

Após ser avaliado ontem pela equipe médica do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, Jair Bolsonaro deverá ser submetido à cirurgia de fechamento da colostomia em 28 de janeiro. O procedimento, que chegou a ser agendado para a última quarta-feira, foi remarcado depois que uma inflamação foi detectada. Com isso, o futuro presidente ficará livre para participar do Fórum Econômico Mundial, de 22 a 25 de janeiro, em Davos, na Suíça. A equipe médica, que tem atendido Bolsonaro desde o ataque em Juiz de Fora (MG), em setembro, apontou, no exame de rotina realizado ontem, que o paciente está em condições excelentes de recuperação.

Com informações: Correio Braziliense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *