Camilo admite que foi infeliz ao falar sobre mortes de reféns e diz que pediu desculpas às famílias

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), admitiu em entrevista coletiva nesta segunda-feira, 10, que foi infeliz em sua fala sobre os reféns mortos durante troca de tiros entre policiais e suspeitos de tentar atacar agências bancárias em Milagres, no Cariri. No dia da ação policial que resultou em 14 mortes, entre assaltantes e inocentes, sexta-feira, 7, Camilo participou da inauguração do Centro de Inteligência Policial. Quando questionado sobre o caso, o governador respondeu que não sabia da existência de reféns e que era “estranho um refém de madrugada num banco”.

“O fato é que estavam preparados para assaltar dois bancos e não assaltaram nenhum”, disse também o governador na sexta-feira. Ele explicou que, no momento em que foi questionado, não tinha conhecimento sobre a identificação dos corpos, portanto não sabia das informações sobre as mortes de inocentes. Camilo disse também que sua primeira declaração foi “mal interpretada” pela mídia.

Contato com os prefeitos de Milagres, onde aconteceu a tragédia, de Brejo Santo e Serra Talhada (PE), de onde eram os reféns mortos, também foi feito pelo governador.

O governador afirmou que pediu desculpas às famílias, reiterou solidariedade com as vítimas e defendeu a posição de “respeito com pessoas e com a vida”.

Camilo informou que 12 policiais envolvidos na ação já foram afastados de suas atividades externas e vão passar a atuar em processos administrativos até o fim das investigações sobre o caso. A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) e a Controladoria Geral de Disciplina (CGD) irão integrar as investigações do fato com pelo menos 40 agentes. Além disso, equipes que prestam serviços para famílias envolvidas em situações de violência foram acionadas pelo Estado.

 

Com informações: O Povo

Vice-prefeito de Apuiarés é preso em “Operação 10%” do MPCE

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por meio da Promotoria de Justiça de Apuiarés, deflagrou, na manhã desta segunda-feira (10/12), a “Operação 10%”, que resultou na prisão do vice-prefeito do Município de Apuiarés, Antonio Abidias Ferreira de Abreu, e do ex-chefe de gabinete dele, o empresário Raimundo Nonato Alves Soares. Os mandados de prisões foram expedidos pelo juiz de Direito Caio Lima Barroso, sendo na modalidade preventiva para Antonio Abidias, e temporária para Raimundo Nonato.

De acordo com a investigação da Promotoria, o vice-prefeito, exercendo o cargo de prefeito interino por 180 dias, exigiu de José Darlan o percentual de 10% do valor do contrato de prestação de serviços de limpeza urbana que o empresário tinha com a Prefeitura, o que correspondia a cerca de R$ 9 mil por mês. A referida quantia era paga com o intuito de manutenção do contrato e a entrega do dinheiro era feita em Fortaleza, no restaurante do sogro do empresário.

“Quando Abidias não podia buscar as quantias, ele mandava o seu então chefe de gabinete, Raimundo Nonato, vulgo Edmundo, ir ao encontro do empresário em Fortaleza. Nota-se a audácia de Abidias no esquema, pois, mesmo em condições de interino, exercendo o cargo por 180 dias, já estava fortemente envolvido em esquemas de corrupção, angariando propinas”, detalha o promotor de Justiça Jairo Pequeno Neto, que comandou a Operação. O promotor ressalta, ainda, que o MPCE seguirá com as investigações a fim de desmontar todo e qualquer esquema de corrupção no âmbito das Prefeituras das respectivas comarcas de atuação.

A Operação 10% é um desdobramento da Operação Malabares, também coordenada pelo promotor de Justiça Jairo Pequeno Neto. Na época, o MPCE descortinou um esquema de corrupção envolvendo agentes públicos e empresários no município de Apuiarés. Em depoimento coletado na época, o empresário José Darlan Pereira Barreto apresentou novas informações acerca de um outro esquema de corrupção que estava instalado no município de Apuiarés, o que culminou na Operação 10%.

Na foto, o prefeito Abidias Ferreira (de boné) recebe a propina do empresário José Darlan, em restaurante na Avenida José Bastos, em Fortaleza.

 

Com informações: ASCOM do Ministério Público do Estado do Ceará

Secretário de Segurança do Ceará não esclarece ação da polícia em Milagres

Em entrevista exclusiva ao Fantástico neste domingo (9), o secretário da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), André Costa, se eximiu de fazer qualquer juízo de valor sobre a ação da polícia na cidade de Milagres, interior do Ceará. Na última sexta-feira (7), um grupo de criminosos armados e com reféns tentou assaltar duas agências bancárias da cidade localizada na Região do Cariri do Ceará. Houve intensa troca de tiros e 14 pessoas morreram. Das 14 vítimas, seis foram identificadas como reféns e oito como criminosos.

“A gente precisa aguardar a dinâmica e a apuração do que aconteceu realmente. É uma investigação isenta, imparcial, séria, técnica. Então, é feita pela Polícia Civil essa investigação. E também sempre com suporte fundamental, e o trabalho técnico e científico da Pefoce. O exame de local de crime, o exame de imagens do que tem na cidade. A gente precisa aguardar a conclusão dessas imagens e das investigações para emitir algum juízo de valor”, afirmou.

André Costa não antecipou se houve erro na operação e não deu qualquer detalhe sobre o plano de ação da polícia naquela madrugada de sexta.

“São informações bastante estratégicas de como a polícia atua, de como a polícia planeja suas ações táticas, operacionais. É importante a gente preservar esses dados como reservados até contra medidas por parte de bandidos em outras ações”, comentou.

“A dinâmica do fato ainda não está bem estabelecida. Isso tudo é objeto de investigação. A investigação está sendo conduzida por alguns delegados, com suporte. Não apenas delegado da cidade. Inclusive a Delegacia Especializada de Roubos e Furtos está dando esse suporte. A gente precisa aguardar a investigação e o trabalho pericial para tirar alguma conclusão sobre a conduta que foi realizada”, completou.

Sobre os reféns

Segundo André Costa, a investigação tramita em Sergipe e é feita pela Polícia Civil do estado. Ele não teria autorização para repassar dados sobre a investigação que é conduzida por aquele estado. Ele também afirmou que nenhuma informação foi repassada sobre reféns.

“Nada foi repassado em relação a reféns. Nas informações da investigação que vieram de Sergipe, nada foi tratado acerca da existência de reféns”, enfatizou.

A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública (CGD) abriu investigação preliminar para apurar o ocorrido. Até o momento, segundo o governador Camilo Santana, oito suspeitos já foram presos em flagrante e 24 pessoas foram ouvidas. As armas dos suspeitos e dos policiais envolvidos na ação foram recolhidas pela Polícia Civil para serem periciadas, informou o governador. André Costa comentou sobre o antecedente dos criminosos.

“Detalhes da ação específica também têm de ser preservados, por ora, sigilo da investigação em Sergipe. O que a gente pode antecipar é que boa parte desses criminosos que foram presos e mortos já identificados são pessoas já com diversos antecedentes criminais, inclusive por outros roubos, por tráfico e outros crimes. São pessoas já dadas à prática criminosa. Então, o que a gente pode repassar sobre o caso específico e sobre essas pessoas é isso. Inclusive, o envolvimento deles em outros roubos a banco, na Bahia, Sergipe. Já eram pessoas que já praticavam reiteradamente esse tipo de crime. Por isso, vinham sendo investigadas há cerca de três, quatro meses pela Polícia Civil de Sergipe”, disse.

Governador do Ceará garante operação rigorosa e isenta após ocorrido em Milagres

O governador do Ceará, Camilo Santana, anunciou, na tarde deste domingo (9), por uma rede social, a criação de um grupo especial de investigação para a operação policial que resultou na morte de 14 pessoas, entre elas seis reféns, na tentativa de assalto a banco em Milagres, na última sexta-feira (7). Além disso, na página oficial do Facebook, o chefe do executivo estadual enfatizou que a operação será rigorosa e isenta.

Governador Camilo Santana — Foto: Reprodução

“Atualizando as informações sobre o lamentável fato ocorrido em Milagres, na Região do Cariri, informo que foi criado um grupo especial de investigação para o caso, com a Delegacia Regional de Brejo Santo, Delegacia Municipal de Milagres e apoio da Delegacia de Roubos e Furtos e do Departamento de Polícia do Interior Sul”, afirmou.
Ainda segundo Camilo, a Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública (CGD) abriu investigação preliminar para apurar o ocorrido. Até o momento, segundo o governador, oito suspeitos já foram presos em flagrante e 24 pessoas foram ouvidas. As armas dos suspeitos e dos policiais envolvidos na ação foram recolhidas pela Polícia Civil para serem periciadas, informou.

“Reforço que, desde o momento do fato, minha determinação tem sido de investigação rigorosa e isenta, para que toda a ação e suas responsabilidades sejam devidamente apuradas. Nenhuma ação da polícia cearense é feita com a intenção deliberada de tirar vidas, muito menos de vítimas inocentes, que devem sempre ser protegidas em primeiro lugar. Reitero minha solidariedade às famílias das vítimas. Este momento nos coloca um dever ainda maior de proteger vidas e fortalecer a paz”, completou.

Com informações: G1 Ceará

Perícia identifica oito dos 14 mortos durante tentativa de assalto a bancos em Milagres; seis são reféns

A Secretaria da Seguraça Pública do Ceará confirmou a identificação de 8 das 14 pessoas mortas após um tiroteio entre policiais e criminosos durante uma tentativa de assalto a dois bancos na cidade de Milagres, interior do estado. Das 14 vítimas do tiroteio, seis eram reféns e outras oito são suspeitos de participação da quadrilha que tentou roubar as agências. Três criminosos foram presos.

A tentativa de roubo aconteceu na madrugada desta sexta-feira (7), no Centro de Milagres. De acordo com a Secretaria de Segurança, durante a tentativa de furto cinco criminosos foram baleados nas proximidades das agências e morreram. Outros dois homens foram atingidos por disparos de arma de fogo e foram encaminhados a unidades de saúde da região, mas não resistiram aos ferimentos e morreram no hospital. Um oitavo suspeito foi localizado no município de Barro, no interior do Ceará, onde entrou em confronto com policiais militares, e também faleceu.

A quadrilha levou seis pessoas como reféns, de duas famílias, até o centro de Milagres, onde ficam as agências do Banco do Brasil e Bradesco. Durante o confronto policial, os seis reféns foram baleados e morreram. Destas seis, cinco são os membros de uma família de Serra Talhada (PE) e um de uma família natural de Brejo Santo. Os corpos das cinco pessoas estão sendo sepultados em Serra Talhada, no Sertão de Pernambuco.

Criminosos fizeram reféns em direção a bancos em Milagres — Foto: Arte/G1

Os reféns mortos são:

  • João Batista Campos Magalhães (49), natural de Serra Talhada (PE);
  • Vinícius de Souza Magalhães (14), natural de São Paulo (SP); filho de João Batista;
  • Cícero Tenório dos Santos, 60 anos, natural de Maceió (AL) ;
  • Claudineide Campos de Souza, 41 anos, natural de São José do Belomonte (PE) – mulher de Cícero Tenório;
  • Gustavo Tenório dos Santos, 13 anos, natural São Paulo (SP), filho de Claudineide e Cìcero;
  • Francisca Edneide da Cruz Santos (49), natural de Brejo Santo (CE).

Os suspeitos mortos são:

  • Mackson Junior Serafim da Silva, 26 anos, natural de Capela (SE),
  • Lucas Torquato Loiola Reis, 18 anos, natural de Delmiro Gouveia (AL).
Ida a Juazeiro do Norte
De acordo com familiares, João Batista e o filho Vinícius de Souza tinham ido a Juazeiro do Norte, no Ceará, por volta 21h30, buscar os três parentes que estavam vindo de São Paulo para passar os festejos de fim de ano em Pernambuco. O voo deles chegou na cidade às 23h.
Quando o empresário voltava para Serra Talhada passou pelo local onde estava acontecendo a tentativa de assalto. Os criminosos tomaram o carro e fizeram o empresário, o adolescente e as três pessoas vindas de São Paulo de reféns, conforme informaram os familiares.

O núcleo da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), em Juazeiro do Norte, para onde os corpos foram levados, até as 8h deste sábado, ainda ainda não havia divulgado a identificação das outras pessoas mortas no confronto. A Polícia Civil vai ouvir o depoimento dos detidos para tentar identificar o restante da quadrilha, de acordo com a Polícia Militar de Milagres.

Após o ocorrido, a segurança na cidade Milagres foi reforçada. Agentes do Grupo de Ações Táticas Especial (Gate), do Comando Tático Rural (Cotar), da Força Tática (FT) e do Batalhão de Divisas realizam buscas na região para tentar localizar os outros assaltantes que fugiram após a ação. Equipes da Delegacia de Furtos e Roubos (DRF) e do Departamento de Polícia do Interior Sul (DPI Sul) também colaboram com os trabalhos de investigação.

Madrugada de terror

A quadrilha que tentou assaltar os dois bancos usou um caminhão para bloquear a rodovia BR-116, na altura do quilômetro 495, e fazer reféns. Com isso eles entraram na cidade e trocaram tiros com a polícia. Veja como ocorreu a tentativa de assalto que resultou nas 14 mortes

  • Por volta de 21h30, uma família sai de Serra Talhada, em Pernambuco, para pegar familiares que viajavam de São Paulo para Juazeiro do Norte, no Ceará. João Batista foi junto com o filho, Vinícius, para receber a cunhada, Cleoneide; o marido dela, Cícero Bertolone; e o filho do casal, Gustavo
  • Uma segunda família, de Brejo Santo, no Ceará, também segue a aeroporto de Juazeiro do Norte para receber familiar
  • As duas famílias saem juntas, em dois veículos, de Juazeiro do Norte de volta as suas respectivas cidades, uma para Serra Talhada e outra para Brejo Santo
  • Na BR-116, na altura da ponte sobre o riacho Tamandu, que dá acesso à cidade de Milagres, e trecho em comum de ambas as famílias, criminosos usam um caminhão bloqueando a estrada e faz as duas famílias reféns
  • Oito pessoas, das duas famílias, são levadas como reféns até o centro de Milagres, onde ficam as agências do Banco do Brasil e Bradesco
  • Durante o crime, o pai de um homem identificado como Genário, de Brejo Santo, passa mal, e o filho pede para que ele cuide do pai; ambos são liberados pelos criminosos. A irmã de Genário, Francisca Edenice, continua como refém dos criminosos
  • Os cinco membros da família de Serra Talhada continuam como reféns
  • Policiais militares chegam ao local do crime e trocam tiros com os criminosos. Catorze pessoas morrem, sendo pelo menos seis reféns e pelo menos seis criminosos. Destas seis, cinco são os membros da família de Serra Talhada (PE) e um da família de Brejo Santo.

Com informações: G1 Ceará

Tentativa de assalto a bancos com reféns deixa 13 mortos após tiroteio com a polícia no Ceará

Um grupo de criminosos armados e com reféns tentou assaltar duas agências bancárias da cidade de Milagres, na Região do Cariri do Ceará, na madrugada desta sexta-feira (7). Houve intensa troca de tiros e pelo menos 13 pessoas morreram, segundo informou a Coordenadoria de Medicina Legal (Comel) da Perícia Forense (antigo IML) da cidade de Juazeiro do Norte, que recolheu os corpos.

De acordo o prefeito de Milagres, Lielson Landim, entre os mortos estão duas crianças, entre 10 e 13 anos, que eram feitas reféns pelo grupo criminoso. No total, seis reféns morreram no confronto, sendo cinco da mesma família, conforme a polícia. A polícia ainda não conseguiu identificar todos os mortos no confronto.

A família vítima dos bandidos vinha da cidade de Serra Talhada, em Pernambuco, quando foi abordada na rodovia BR-116. A quadrilha utilizou um caminhão para bloquear a via e parar o veículo das vítimas.

A tentativa de roubo aconteceu por volta de 2h17 da madrugada. Houve confronto entre os policiais e os criminosos. Diversos carros da PM foram usados para conter a quadrilha. Devido à ação da Polícia Militar, o grupo criminoso não conseguiu levar o dinheiro de nenhum dos estabelecimentos bancários. Os dois bancos ficam na Rua Presidente Vargas, no Centro do município, que tem 28 mil habitantes.

Agentes da Perícia Forense do Ceará informaram que dois veículos foram acionados para recolher os corpos e, em seguida, realizar a identificação das pessoas. A Polícia Militar acrescentou que equipes realizam investigações na região, com objetivo de identificar e prender o restante do grupo, que conseguiu fugir.

Durante essas buscas, um homem com um colete balístico foi encontrado morto dentro de uma caminhonete. Ele ainda não foi identificado, mas a polícia suspeita que ele seja um dos assaltantes que tentou fugir.

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) do Ceará ainda não se pronunciou oficialmente sobre o ocorrido. O titular da pasta, delegado André Costa, deve falar sobre o assunto nesta manhã, durante um evento de lançamento de um equipamento de segurança.

10 corpos foram recolhidos após o confronto entre a polícia e os criminosos — Foto: Edson Freitas
‘Madrugada de horror’

Segundo o comerciante e agricultor Mendonça de Santa Helena, a troca de tiros durou cerca de 20 minutos. “Nunca tinha visto algo parecido. Eu fiquei dentro de casa abaixado e com medo. Ouvi gritaria e pessoas chorando. Foi horrível”, relatou o comerciante.

Ainda segundo Mendonça, depois que o grupo fugiu, deu para perceber que, pelo menos, seis pessoas estavam no chão e apresentando sangramentos. No início do dia, segundo o comerciante, policiais que realizam a segurança da cidade, afirmaram que dez pessoas deram entrada no Hospital Municipal de Milagres, vítimas do tiroteio.

“Um policial afirmou para gente que, pelo menos, dez pessoas estavam no hospital. Pelo menos uns sete já tinham morrido e outros em estado muito grave”, disse.

Tiroteio deixou 13 pessoas mortas durante confronto em Milagres. — Foto: Arte/G1

Rodovia bloqueada

A Polícia Rodoviária Federal do Ceará (PRF-CE) solicitou que os motoristas evitassem a rodovia BR-116, que dá acesso à entrada ao município de Milagres. Conforme a PRF, um caminhão foi abandonado pelo grupo na via para impedir o tráfego de veículos.

Uma das alternativas é a CE-384. Ainda não há confirmação de que esse bloqueio tenha ligação com a tentativa de assalto às agências bancárias da cidade.

2º ataque na madrugada

Ainda durante a madrugada, um outro grupo armado explodiu uma agência bancária no município de Itatira, que fica no Sertão Central do Ceará. Segundo informações da Polícia Militar, cerca de 15 homens participaram do crime. A polícia informou que o grupo estava armado de fuzis, pistolas, espingardas e explodiram a agência por volta da 3 horas.

Com informações: G1 Ceará

Número de mortes violentas no Ceará cai pelo oitavo mês consecutivo

O total de Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs) apresentou redução de 30,6% em novembro no Ceará, configurando o oitavo mês consecutivo de queda de mortes violentas no Estado. No mês, foram 326 casos. No mesmo período do ano passado, foram 470. O acumulado do ano, de janeiro a novembro, também é considerado positivo, com redução de 10,5%. Esta é a maior redução do

Com esta atualização, novembro se torna o mês que mais reduziu homicídios em 2018. A redução foi puxada pela Capital, com 42,6%. Fortaleza também foi o local de maior queda no acumulado dos 11 meses, com 1.799 mortes em novembro de 2017 ante 1.387 neste ano.  Apenas o Interior Norte do Estado não reduziu CVLIs, aumentando em 3,8% os homicídios no penúltimo mês do ano e em 13,8% no acumulado.

O Estado tem registrado quedas seguidas de homicídios desde abril. No último levantamento, sobre outubro, a redução foi de 29,8%, até então a mais significativa.

O norte do Ceará também teve índices negativos de Crimes Violentos Contra o Patrimônio tipo 2 (CVP-02), que engloba roubos a banco, a residência,  de carga, de veículo e roubo com restrição de liberdade. De 97 crimes desta natureza no ano passado o número passou para 143, um aumento de 47,4%. No geral, as ocorrências de CVP-02 caíram em 18,9% em novembro e 15,6% no acumulado.

As informações foram divulgadas pelo secretário da segurança André Costa em coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira, 6 na sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) e incluem estatísticas de homicídios, lesões corporais seguidas de morte e latrocínios.

Latrocínio 

Casos de roubo seguido de morte, latrocínio, um dos componentes dos CVLIs, diminuíram em 50%. Neste mês foram 42 casos enquanto o mesmo período do ano passado teve 84 ocorrências.

 

Com informações: O Povo

Palocci diz que Lula renovou MP em troca de dinheiro para filho

Em depoimento à Justiça Federal nesta quinta-feira (6), o ex-ministro da Fazenda do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, Antonio Palocci, afirmou que o ex-presidente renovou uma medida provisória em troca de dinheiro para o filho Luís Claudio Lula da Silva.

A compra de medidas provisórias é investigada na Operação Zelotes, deflagrada em 2015, que também apura irregularidades em decisões do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), órgão vinculado ao Ministério da Fazenda que julga processos das empresas envolvendo questões tributárias.

A defesa do ex-presidente Lula disse que as declarações de Palocci tem “nítido objetivo de atacar a honra e a reputação” dele e de seu filho, Luís Claudio. Ainda segundo a defesa de Lula, Palocci sabe que suas afirmações “são mentirosas” e “não poderão ser confirmadas por qualquer testemunha”.

No depoimento desta quinta, Palocci disse que recebeu o filho do ex-presidente em seu escritório de consultoria entre o final de 2013 e o início de 2014.

Segundo o ex-ministro, ele pediu apoio para fechar o orçamento de um evento que organizaria em 2014. O valor pedido seria em torno de R$ 2 e R$ 3 milhões. “Tenho testemunhas, registro de telefonema dele, agendas”, afirmou o ex-ministro.

Palocci disse que sempre falava com Lula quando alguém o procurava com pedidos. E que, neste caso, Lula disse que já estava resolvido porque já tinha falado com Mauro Marcondes.

Mauro Marcondes era dono da Marcondes e Mautoni que, segundo relatório da Polícia Federal (PF), repassou R$ 2,5 milhões à LFT Marketing Esportivo, empresa de Luís Claudio Lula da Silva, por uma consultoria. Ainda segunda a PF, o conteúdo da consultoria foi copiado da internet. Esse pagamento está sendo investigado na Operação Zelotes.

“Eu fui falar com o ex-presidente Lula para ver se ele me autorizava a fazer isso. Sempre que alguém pedia em nome do ex-presidente Lula eu consultava o ex-presidente Lula. Aí que o presidente Lula me falou que não precisa atender o Luís Claudio, porque eu já resolvi esse problema com o Mauro Marcondes”, explicou Palocci. Marcondes chegou a ser preso, em 2016, em uma das fases da Operação Zelotes.

“Aí eu perguntei inclusive: Mas então porque ele me procurou? Ai o ex-presidente disse: porque ele não sabe que eu fiz isso. Mas pode esquecer que eu já resolvi o problema”, completou.

“Aí ele e me contou que foi através da renovação da 471 [medida provisória], que foi feita através de uma emenda parlamentar, na Câmara dos Deputados, que renovou os benefícios da Caoa e da Mitsibushi a partir daquele ano. E que ele tinha pedido uma contribuição, para que o Mauro Marcondes pedisse uma contribuição às empresas, e essa contribuição seria transferida ao filho dele”, concluiu Palocci durante depoimento à Justiça Federal.

Operação Zelotes

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), Lula editou a medida provisória para favorecer empresas do setor automotivo em troca de recebimento de propina.

Ele é réu por corrupção passiva nesta ação penal desde setembro de 2017. Também são réus o ex-ministro e chefe do gabinete de Lula, Gilberto Carvalho, e outras cinco pessoas.

A defesa do ex-presidente afirmou que o petista jamais praticou qualquer ato ilícito e que é alvo de perseguição política.

Em novembro do ano passado, o Ministério Público Federal de Brasília pediu para a Justiça o bloqueio de R$ 24 milhões em bens e valores do ex-presidente e de seu filho, Luís Cláudio.

 

Com informações: G1

Camocim: Prefeitura publica nota de esclarecimento mas não mostra provas de que não houve prejuízo

A prefeitura de Camocim publicou uma nota  tentando explicar sobre a fraude que sofreu na última sexta-feira (30), no qual foram transferidos ilegalmente dinheiro dos cofres públicos para golpistas. Em resumo, a prefeita diz que não “houve prejuízo ao município”  porque houve “bloqueio dos valores envolvidos”.

Ocorre que a nota de poucas linhas da gestora  é insuficiente para atender o clamor da população, que deseja ter certeza de que não ocorreu, de fato, prejuízo ao erário público. Neste sentido, desafiamos a prefeita Monica Aguiar a apresentar o extrato bancário da saída e da volta do dinheiro, mostrando o crédito de volta.

Essa nota da  prefeita mostra apenas sua tentativa de obstruir a justiça, mentido e cometendo outra fraude, para acalmar o Ministério Público e a sociedade em geral. Isso não se sustenta. A prefeita precisa ser afastada até que a verdade dos fatos chegue de forma cristalina.

Eis a nota da prefeita. 

“A Prefeitura Municipal de Camocim vem por meio desta, informar que as contas da Prefeitura sofreram uma tentativa de fraude, fato que vem sendo cometido por uma organização criminosa e que está sendo investigado pelas autoridades policiais.

Informamos que a Gestão adotou todas as medidas judiciais cabíveis junto ao Poder Judiciário do Estado do Ceará e da Polícia Civil, resultando no bloqueio dos valores envolvidos nas tentativas de transações financeiras, não tendo sido gerado nenhum prejuízo ao Município.

A Prefeitura Municipal de Camocim ressalta que os valores envolvidos nesta fraude não fazem parte dos recursos provenientes do FUNDEB, e sim de Recurso Próprio Municipal”.

Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Camocim

História mal contada sobre transferências terem sido bloqueadas a tempo. 

A história sobre o golpe de WhatsApp na prefeitura de Camocim está muito mal contada. O procurador do Município de Camocim, Alexandre Maia, disse que as transferências ilegais foram bloqueadas a tempo. Como? Vejamos:

1- O próprio programador Financeiro do Município, Felipe Veras, disse ter feito as transferências legais por volta das 13h de sexta-feira, dia 30 de novembro e que só confirmou  o golpe somente após as 17h da mesma sexta-feira. Ou seja,  neste horário o expediente bancário já havia sido encerrado. Por tanto, não houve nenhuma movimentação no sentido de impedir a concretização do golpe.

3 – O próprio procurador do Município informou que foi somente na tarde de domingo, dia 02 de dezembro, no expediente de plantão da Justiça, que a prefeitura conseguiu uma liminar que bloqueou a transferência dos recursos para as contas repassadas pelos fraudadores.

4 – Como pode ter bloqueado a tempo, 40 horas depois?

5 – Todos sabem que nestas ações, os bandidos ficam na boca do caixa esperando o dinheiro entrar para fazer os saques.

O procurador do Município, Alexandre Maia, deve estar mentindo para evitar repercussão maior deste absurdo. Porém, desafio a prefeita Monica  a mostrar os extratos bancários com estorno dos valores.

Diante de tais fatos, nos resta fazer as seguintes indagações: 

1- como pode um programador financeiro do município ter acesso direto as contas do FUNDEB, transferindo ao seu bel prazer dinheiro público, sem, contudo, haver documentos comprobatórios indispensáveis da suposta prestação de serviço, ou até mesmo de uma autorização formal do contador oficial do município?

2- Será que o programador financeiro do município tem competência para realizar transferências de recursos do FUNDEB diretamente para contas de terceiros?

3- Será que foi a primeira vez que o referido programador financeiro transferiu dinheiro público do município respaldado em uma simples mensagem de watts app da Chefe do Poder Executivo, Sra. Mônica Gomes Aguiar?

4- Será que o programador financeiro quando realizou as transferências ilegais acima apontadas já não estava acostumado a cumprir ordens da Prefeita Mônica Aguiar pelo watts app, sem se valer das cautelas mínimas exigidas por lei?

5- Quem garante que o programador financeiro do município de Camocim já não realizou outras transferências a terceiros com recursos públicos visando honrar algum compromisso pessoal?

6- Qual a sanção que o programador financeiro terá pela frente diante de tal atitude imoral e ilegal?

7- Será que mais uma vez os munícipes terão que pagar a conta da desastrosa administração da Prefeita Mônica Aguiar ?

A Prefeita Monica Aguiar incorreu em crime de responsabilidade e deve ser imediatamente afastada de sua funções até que tudo seja devida e rigorosamente apurado. Está claro que o modus operandi na Prefeitura de Camocim é fazer pagamentos sem processo físico, sem licitação, sem ordem de empenho, sem previsão orçamentária, sem nota fiscal, sem atesto da execução dos serviços, sem pedido formal do Secretário ordenador de despesas, sem certidões negativas. Isso tudo é Crime contra a administração pública.

Com a palavra o Ministério Público Federal, Procuradoria Geral de Justiça, Procap e Polícia Federal.

Com informações: Carlos Jardel 

Operação da PF encontra R$ 123 mil em caixas de sapato na casa do prefeito de Granjeiro

A Polícia Federal, com o apoio da Controladoria Geral da União, deflagrou na manhã desta quarta-feira (21), a “Operação Bricolagem”, que investiga fraudes em licitações de obras em escolas municipais da prefeitura de Granjeiro. Na casa do prefeito de Granjeiro, os agentes encontraram cerca de R$ 123 mil escondidos em caixas de sapatos.

Ao todo, foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão, nas cidades em Fortaleza e nas cidades de Granjeiro, Caririaçu, Aurora e Juazeiro do Norte/CE. Cerca de 60 policiais federais e oito servidores da CGU participaram da operação.

As buscas foram realizadas na prefeitura de Granjeiro, na casa do gestor do município, onde foi encontrado o dinheiro, e nas residências de empresários, funcionários públicos.

Durante as investigações, foi constatado que empresas de fachada ganhavam as licitações para reforma ou construção de escolas, entretanto, as obras eram feitas por funcionários contratados da prefeitura e o dinheiro recebido pelas empresas ganhadoras.

Além do dinheiro, foram apreendidos diversos documentos e mídias, um veículo. A PF investiga a origem da quantia e o restante do material apreendido.

Conforme a PF, os envolvidos responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de fraudes em licitações e desvio de verbas federais.

Com informações: Diário do Nordeste