Chico Vaulino rompe com deputado Romeu Aldigueri 4 meses depois das eleições – Por Miquéias Santos

Em 1976, Fernando Mendes transformou em hino, uma música de letra simples, porém verdadeira e exemplo do momento político de Camocim.

O mesmo dizia: “Não adianta ir a igreja rezar e fazer tudo errado. Você quer a frente das coisas, olhando de lado”.

E acabou ou acabaram? Eis a questão!

O que para muitos parecia impossível aconteceu, aliás, várias coisas aconteceram…

No último fim de semana, o deputado Romeu Aldigueri, como já tinha anunciado várias vezes e inclusive nesse microfone aqui, disponibilizou a sua residência, para um encontro de lideranças da base de oposição da cidade de Camocim. Até ai tudo bem, tudo normal e tranquilo, só que o casal mais interessado, simplesmente não compareceu: Chico Vaulino e Euvaldete Ferro, disseram que não iriam e como sabemos, realmente não foram.

O encontro em questão era o momento de unir todas as forças políticas que não aceitam o jeito Aguiar de comandar a cidade de Camocim.

Presidente de partidos, aliados, lideranças, vereadores, suplentes de vereadores, enfim, uma forma de todos se juntarem para fazer um grande debate em prol dos rumos da cidade.

E como é sabido por todos, o encontro, era sim, para ratificar o apoio irrestrito por esse grupo, a pré-candidatura de Euvaldete Ferro.

Porém, por orientação de duas figuras nefastas e sombrias de Camocim, Chico, simplesmente não foi. Mesmo com sua ausência, foram feitos vídeos de pessoas que lá estavam ratificando o apoio a Evaldete e em momento algum se levantou outro nome a cabeça de chapa.

Até ai, o movimento constante e natural, seria de mais uma aliança, não a cantada em verso e prosa, e sim uma aliança verdadeira, pautada na ética e na moralidade de quem se auto define como servo de Deus.

Entretanto as falácias deixaram os corredores e a mesa do café e se fizeram presentes do fim da tarde de domingo, em um vídeo, onde o ex prefeito Chico Vaulino com o semblante totalmente diferente daquele sorridente moço do interior que prega a palavra divina, a ética, a moralidade e a esperança, parte para o ataque, ataque esse preparado a fio pelos dois conselheiros que citamos a pouco.

Além de desfazer tudo aquilo que os 95% da oposição fizeram na tarde anterior, Chico, simplesmente partiu para o ataque, e desqualificou todos que há menos de dois dias, lutavam para o apoio total da candidatura de Euvaldete.

Já que estamos falando de semblante e de religiosidade, em uma audiência recente com os fiéis, Papa Francisco demonstrou mais uma vez o compromisso com a criação de uma sociedade mais consciente ao afirmar que é melhor viver como ateu do que ir todos os dias à igreja e passar a vida a odiar e criticar os outros.

“Quantas vezes vemos o escândalo dessas pessoas que passam o dia na igreja, ou que lá vão todos os dias, e depois vivem a odiar ou a falar mal dos outros”, falou o Papa com muita sabedoria.

Além disso, ele afirmou que as pessoas que escolhem agir dessa maneira estão melhores sem ir para a Igreja: “Vive como um ateu. Se vais à igreja, então vive como filho, como irmão, dá um verdadeiro exemplo”, enfatizou.

Papa Francisco apoiou o seu discurso no evangelho de São Mateus, que fala sobre as pessoas hipócritas que apenas rezam para conseguirem popularidade, “para ser vistos pelas pessoas”.

Isso exemplifica o que aconteceu ontem. É como todos nós sabemos, a facada foi dada naquele que tentou e juntou todos ao redor da candidatura de sua esposa.

Facada essa, que o ferimento não foi carnal, mais sim moral. Facada essa desferida, naquele que se disponibilizou a ajudar, a andar de mãos dadas.

Não à toa Sérgio Aguiar e seu grupo comemoram, pois sabem o mal que foi causado não a Romeu, mais sim ao município de Camocim. Assim sendo, Chico Vaulino, ex-prefeito por dois mandatos, entra de cabeça no rol daqueles que não olham o bem maior de um município: o seu povo!

E passa de líder a comandado por seus dois assessores, que mostraram e demonstraram que o bom não é a união, mais sim a discórdia, pois onde há discórdia, os tolos se lambuzam.

O que Chico mais condenava, o fez: traição! Pois quem traiu não foi quem juntou todos para ajudar e sim quem não aceitou e assim partiu para o ataque, porém, sem soldados, que são os generais da guerra.

Abram a mente, pois Camocim renascerá, não nas mãos dos Aguiar, nem muito menos das mãos daquele que dita, mais sim das mãos do seu povo bom, humilde e trabalhador.

Como diria Geraldo Vandré: “vem vamos embora, que esperar não é saber, quem sabe faz a hora, não espera acontecer”.

 

Por Miquéias Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *