Com quase 100 dias de governo, Bolsonaro tem apoio apenas do próprio partido

Perto de completar 100 dias no cargo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ) tem governado com o apoio apenas do seu partido político no Congresso Nacional. Por enquanto, nenhuma legenda assumiu um compromisso com o Palácio do Planalto.

Precisando votar a reforma da Previdência, Bolsonaro segue sem construir uma base forte para aprovar uma matéria de desgaste no Parlamento. Entre as lideranças, sobram queixas sobre essa articulação.

Desde o início do seu mandato, o presidente estabeleceu uma política de aliança com as bancadas temáticas, como da Bala, da Bíblia e a Ruralista, resistindo às negociações com as siglas. Até a formação do primeiro escalão, Bolsonaro manteve esse discurso, adotado ainda na campanha eleitoral, indicando nomes técnicos e ligados a essas frentes. E deu espaços estratégicos para os militares em ministérios e estatais.

Somente o DEM foi contemplado com três Pastas importantes – Casa Civil, Saúde e Agricultura -, ainda assim não foram indicações do partido. Tanto que, apesar da posição de destaque na Esplanada dos Ministérios, o Democratas não aderiu à base governista e está dividido.

A relação entre o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), e Bolsonaro começou a azedar com as cobranças públicas que o parlamentar faz para o Governo organizar a base.

Reclamações

O líder do Pros na Câmara, deputado Toninho Wandscheer, prova essa insatisfação. Ele diz que a sigla está sendo “excluída” pelo Governo e critica o despreparo na articulação política.

“A gente está sendo deixado de lado. Em dezembro, ele marcou uma reunião e cancelou. Em janeiro marcou, cancelou. Em fevereiro, marcou outra e cancelou. A gente não está entendendo qual a importância do partido para o Governo”, esbravejou.

Assim como o Pros, o Solidariedade não definiu um posicionamento em relação ao Governo. O líder do partido, deputado Augusto Coutinho, é claro: se não existe uma base no Legislativo, a culpa é do Executivo. “Ele não construiu nenhuma relação partidária por opção própria. Isso é péssimo, porque em qualquer democracia um Governo tem que ter uma base e hoje aqui na Câmara você não vê um partido ao lado do presidente, e a oposição já está formalizada”, alertou.

Negociações

Os parlamentares têm pressionado o Governo pela liberação de emendas e cargos federais nos estados em troca de apoio. Interlocutores de Bolsonaro iniciaram as negociações com as bancadas, mas ainda sem êxito. Ao contrário, o presidente tem travado esse processo ao extinguir mais de 23 mil cargos e fixar regras para as nomeações.

Para o cientista político Marco Antônio Carvalho, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o governo vai ter de mudar a tática. “Vai ter que sucumbir a essa lógica do Legislativo. É um processo que não é fácil e não se muda a partir do resultado de uma eleição, porque boa parte dos apoiadores são da lógica anterior. Para o Governo fazer uma boa articulação ele tem que somar, não dividir”, argumenta.

Reforma

Enquanto as conversas não prosperam, os partidos não prometem apoio à reforma da Previdência que requer, no mínimo, 308 votos para aprovação. Apesar de não integrar a base governista, o líder do PR, deputado José Rocha, nega que os partidos, mesmo insatisfeitos, se articulem para barrar a proposta. “A reforma é suprapartidária, não é do presidente. Não vejo que nenhum partido queira obstruir um projeto importante”.

Até nas bancadas temáticas, que são alinhadas ao presidente Bolsonaro, o clima é de chateação. O deputado Jhonatan de Jesus, líder do PRB, partido ligado à Igreja Universal, escancara as queixas. “Não posso querer namorar alguém que não quer contato com a gente. Conversa tem toda hora, mas é reunião pra marcar a próxima reunião”.

Já na bancada agropecuária, um de seus principais expoentes, o deputado federal Alceu Moreira (MDB-RS), garante que o grupo está coeso no apoio ao Governo Bolsonaro. “Pode ter uma discordância, é natural, mas a nossa tendência é de apoiar”.

O deputado federal, delegado Pablo (PSL-AM), por outro lado, diz que a formação da base está em curso. “Passamos 16 anos com um Governo de esquerda e agora essa é a primeira vez que ocorre uma transição verdadeira, então, como toda transição, requer uma nova construção da base do seu governo”.

Tentativas para formar base
4/12/18: Bolsonaro se reúne com MDB, PRB e defende mudança na ‘forma de fazer política’
5/12/18: Com PSDB e PR, sinaliza que ouviria os partidos para formar o segundo escalão
11/12/18: Bolsonaro se reuniu com o PSD e Podemos, mas não conseguiu apoio formal
26/02/19: Em reunião com líderes partidários, ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, fala em distribuição de cargos e emendas
11/03/19: Governo liberou R$ 1 bilhão em emendas após envio da reforma da Previdência
12/03/19: Início das reuniões para negociar cargos, mas os parlamentares não saíram satisfeitos
13/03/19: Extinção de 21 mil cargos, funções de confiança e gratificações na máquina pública
14/03/19: Bolsonaro afirma a jornalistas que tem ‘poder de veto’ em nomeações
18/03/19: Presidente edita decreto com critérios para ocupação de cargos e funções de confiança

 

Com informações: Diário do Nordeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *