DER constrói via provisória para substituir estrada destruída pela água no litoral oeste do Ceará

O Departamento Estadual de Rodovias (DER) está construindo uma via provisória neste domingo (24), para servir como opção de passagem para veículos até que a Rodovia CE-176, que dá acesso ao litoral oeste do Ceará, seja recuperada.

Parte do trecho da rodovia, que fica em cima de um braço de um rio, ficou destruída neste sábado (23), após as fortes chuvas que chegaram na região. A via dá acesso às praias de Icaraí de Amontada e Moitas.

Conforme o prefeito de Amontada, Valdir Herbster Filho, o Governo do Estado se prontificou em resolver o problema o quanto antes.

Segundo o superintendente do DER, Sérgio Azevedo, a previsão para que rodovia seja consertada é até o dia 10 de abril. A cratera aberta tem aproximadamente 80 metros de comprimento e cinco metros de profundidade.

Para os motoristas, o percurso até as praias e para outras comunidades tem que ser realizado pela localidade de Picada, acrescentando 10 km ao deslocamento.

Açude Caldeirões, em Saboeiro, é o 21° a sangrar no Ceará em 2019

Subiu para 21 o número de açudes no estado que atingiram 100% do volume total, conforme a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh). O açude de Caldeirões, em Saboeiro, no Alto Jaguaribe, transbordou neste domingo (24), sendo a última localidade monitorada pelo órgão a atingir a capacidade máxima.

O reservatório, de acordo com a Cogerh, tem a capacidade de 1,13 milhões de metros cúbicos.

O último açude a atingir mais de 100% da capacidade foi o de Angicos, no município de Coreaú, interior do Ceará, com volume de 56,05 milhões de metros cúbicos que sangrou na sexta-feira (22).

Outros 23 açudes estão com capacidade acima de 90%. Por outro lado, existem 95 açudes que estão com volume inferior a 30%, ainda segundo a Cogerh.

Confira os demais açudes que estão com volume superior à capacidade máxima:

  1. São Vicente, em Santana do Acaraú (volume de 9,84 milhões m³)
  2. Quandú, em Itapipoca (volume de 3,37 milhões m³)
  3. S. Pedro Timbaúba, em Miraíma (volume de 15,768 milhões m³)
  4. Gavião, em Pacatuba (volume de 33,3 milhões m³)
  5. Itapebussu, em Maranguape (volume de 12,43 milhões m³)
  6. Acaraú Mirim, em Massapê (volume de 36,71 milhões de m³);
  7. Jenipapo, em Meruoca (volume de 3,5 milhões de m³);
  8. São José I, em Boa Viagem (volume de 7,67 milhões de m³);
  9. Diamantino II, em Marco (volume de 18,04 milhões de m³);
  10. Itaúna, em Granja (volume de 72,58 milhões de m³);
  11. Gangorra, em Granja (volume de 54,4 milhões de m³)
  12. Tucunduba, em Senador Sá (volume de 41,43 milhões de m³);
  13. Gameleira, em Itapipoca (volume de 52,64 milhões de m³);
  14. Batente, em Ocara (volume de 37 milhões de m³);
  15. Cauipe, em Caucaia (volume de 12 milhões de m³);
  16. Cocó, em Fortaleza (volume de 5,1 milhões de m³);
  17. Germinal, em Palmácia (volume de 2,107 milhões de m³);
  18. Maranguapinho, em Maranguape (volume de 9,35 milhões de m³);
  19. Tijuquinha, em Baturité (volume de 421.067 m³)

 

Com informações: G1 Ceará

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *