Há 55 anos, pai do senador Fernando Collor matava colega no Congresso

No dia 4 de dezembro de 1963, o senador Arnon de Mello (Foto acima), pai do senador e ex-presidente do Brasil, Fernando Collor de Melo, matou um colega no Senado durante discussão com seu desafeto,  o também senador à época Silvestre Péricles de Goés. Ambos representavam o Estado de Alagoas e estavam armados. Durante discurso na tribuna, Arnon desafiou Péricles, afirmando que seu adversário o havia ameaçado de morte, o que fez com que o inimigo político revidasse.

Durante as trocas de farpas, Arnon sacou um revólver e disparou contra o outro senador, que revidou. Os tiros, porém, não atingiram Silvestre, que também estava armado. Dois tiros, no entanto, acertaram José Kairala, senador do PSD do Acre, que tentava separar os brigões.

Kairala, de 39 anos, era suplente e substituía José Guiomard, também do PSD. Eram suas últimas horas como senador, pois ele devolveria o cargo no dia seguinte ao titular. O parlamentar, que nada tinha com a desavença entre os políticos de Alagoas, foi baleado no abdômen na frente do filho pequeno, da esposa e da mãe, que o prestigiavam no último dia de trabalho. Kailara morreu no mesmo dia, poucas horas depois.

Arnon e Péricles foram condenados à prisão, mas logo foram soltos e declarados inocentes, no ano seguinte pelo Tribunal do Júri de Brasília. Em 1970, o executor, pai de Fernando Collor de Melo, foi, mais uma vez, nomeado para o Senado Federal, onde representou Alagoas como senador até a data de sua morte, em 1983. Seis anos depois da morte de Arnon, seu filho foi eleito presidente da República Federativa do Brasil.

 

Com informações: Diário do Nordeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *