Morte de Roni, mascote Tutuba, do Ferroviário, foi por agressão policial, dizem testemunhas

A morte de Ronierbson Gomes e Silva, que trabalhava como o mascote do Ferroviário, o Tutuba, teria sido motivada por agressão policial, e não por um acidente de carro. As informações são de moradores dos arredores de onde Ronierbson bateu o carro, no bairro Cristo Redentor.

O acidente aconteceu na segunda-feira (5), quando o a vítima voltava da comemoração do título da Taça Fares Lopes, conquistada pelo time. Ronierbson colidiu com um poste.

Nova Versão

Segundo moradores que optaram por não se identificar, Ronierbson saiu do veículo andando, caminhou cerca de 150 metros e parou em uma pizzaria, onde teria pedido ajuda. Logo uma viatura da Polícia Militar chegou, mas Ronierbson, que estava alcoolizado, negou a ajuda dos PMs.

Os oficiais, então, segundo as testemunhas, começaram a agredir Robierson com pontapés. “Quando chegou na pizzaria, arrastaram ele para fora e começou a agressão. Eu e outros populares pedimos pra não bater no rapaz. Mas, eles não deram a mínima”, conta uma mulher que presenciou a violência.

Após alguns minutos de agressão, os agentes o colocaram dentro da viatura. Tutuba foi levado para o Instituto Doutor José Frota (IJF), onde chegou sangrando bastante e com fortes dores abdominais.

Um fato inusitado é que o veículo onde Ronierbson estava na hora do acidente não teve nenhuma marca de sangue.

A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD) instaurou procedimento disciplinar referente à denúncia citada.

 

Com informações: Diário do Nordeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *