Guimarães sofre pressão da Executiva Nacional para permanecer na Câmara. Petista recebeu convite para Secretariado de Camilo

Integrantes da Executiva Nacional do PT querem que o deputado José Nobre Guimarães, reeleito, neste ano, para o quarto mandato consecutivo, permaneça em Brasília e não assuma cargo no primeiro escalão do Governo do Estado. A cúpula nacional considera que Guimarães continuará cumprindo importante papel na Câmara, principalmente, com o novo ciclo de poder que começa a partir de primeiro de janeiro de 2029.

Guimarães recebeu convite do Governador Camilo Santana e ficaria com a Secretaria do Desenvolvimento Agrário.

Experiente e com fama de bom articulador, Guimarães acha que, mesmo com todas as adversidades, chegou a hora de um voo mais alto e o cargo de secretário o daria visibilidade para sonhar com uma vaga majoritária na sucessão de Camilo. A Secretaria de Desenvolvimento Agrário seria o melhor caminho para 2022 – seja no sonho de entrar na chapa majoritária ou mesmo tentar a reeleição com menos dificuldades.

A fonte secou. O Guimarães precisa renovar as bases, trabalhar para consolidar a votação que recebeu nas eleições deste ano e, em 2022, a realidade, sem Governo Federal, será outra. A reeleição deste ano, com os mais de 173 mil votos, ainda foi capitalizada pela herança dos Governos Lula e Dilma. A Secretaria o daria fôlego, avalia um pedetista, que acompanha de perto os bastidores do Palácio da Abolição. Se Guimarães aceitar assumir o cargo de secretário, a primeira suplente à Câmara Federal, Gorete Pereira (PR), assumirá o mandato logo no início de 2019.

 

Com informações: Ceará Agora

Governadores do Nordeste discutem segurança pública e novos investimentos em Brasília

O governador Camilo Santana participou nesta terça-feira (4), em Brasília, da reunião do Fórum dos Governadores do Nordeste. Estiveram na pauta o bônus de assinatura das novas reservas de exploração do pré-sal, a securitização da dívida dos estados para o aumento da capacidade de investimento, a garantia federal de ações em Segurança Pública, dentre outros assuntos que serão tratados com a equipe do presidente da República eleito, Jair Bolsonaro. Para o encontro, também foram convidados os governadores da região Norte.

Além do chefe do Executivo no Ceará, estiveram presentes o governador do Pernambuco, Paulo Câmara, o governador do Piauí, Wellington Dias, o governador eleito da Paraíba, João Azevedo, o vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão, a governadora eleita do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, o governador do Alagoas, Renan Filho, o governador da Bahia, Rui Costa, e o governador do Amapá, Waldez Goes.

Camilo Santana destacou a importância de juntar as pautas dos estados do Nordeste e do Norte, no intuito de evoluir na aprovação de mais benefícios para a população das regiões. “Nós compreendemos que são duas regiões com muitos temas em comum. O nosso fórum tem se reunido todos os anos para discutir temas importantes. Consideramos que unificar as pautas é importante, exatamente para que a gente possa pensar nos mandatos dos próximos quatro anos. Todos nós queremos contribuir com o melhor para o país”, afirmou.

Demandas

A primeira pauta discutida entre os governadores foi o bônus de assinatura das novas reservas do pré-sal, que atualmente está no Senado Federal. “Compreendemos ser importante distribuir esse bônus com os estados e municípios, dentro do princípio federativo da divisão. Teremos audiência com o presidente do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira, para tratar desse tema. É uma negociação entre o Congresso, o atual governo e o novo governo”, explicou Camilo.

Além disso, os governadores se empenharam em buscar a garantia de resolução para o projeto de securitização das dívidas dos estados do Brasil, reivindicação antiga dos estados, além de organizar as questões que serão tratadas em reunião no próximo dia 12 junto ao futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro. “Queremos apresentar uma proposta do Nordeste brasileiro para melhorias em Segurança Pública”, revelou o governador cearense.

Pedido por prioridades

No último dia 21, Camilo já havia participado de uma reunião em Brasília com os governadores do Nordeste, para listar reivindicações dos estados e municípios por investimento e auxílio da União em áreas prioritárias. O encontro resultou em carta destinada ao presidente da República eleito, assinada por todas as autoridades nordestinas. O documento solicitou ainda uma audiência para tratar de temas relacionados à liberação de investimentos federais, além de ações em Segurança Pública, Saúde e Educação.

 

Com informações: ASCOM do Governo do Estado do Ceará

Com força política e contas do Estado em dia, Camilo sonha alto e quer herdar espólio de Lula

Com a posse marcada para o dia primeiro de janeiro de 2019 quando começa o segundo mandato, o Governador Camilo Santana (PT) vai trabalhar para ocupar espaços no cenário político nacional e disputará o espólio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Camilo se sente credenciado para essa missão por ter sido reeleito com quase 80% (79,94%) dos votos dos cearenses – percentual bem acima da média dos demais governadores eleitos ou reeleitos. A estratégia de Camilo Santana começou a ser executada a partir da reunião dos governadores do Nordeste, na semana passada, em Brasília.

Os articuladores políticos e assessores mais próximos ao governador cearense o venderam como o articulador do encontro dos Chefes dos Executivos do Nordeste – uma divulgação para expor Camilo como o protagonista da relação com o presidente eleito Jair Bolsonaro. Após o encontro, os tentaram, mas não conseguiram uma audiência com Bolsonaro.

Além do resultado das eleições, que precisa ser atribuído, principalmente, a força dos irmãos Cid e Ciro Gomes que o apoiaram, Camilo Santana soma a seu favor outros dois fatores: a votação do candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, no Ceará que, no segundo turno, somou 3.407.526 votos – 71,11% dos votos válidos, e o equilíbrio fiscal e financeiro do Estado que o projeta entre os poucos governadores que, nos últimos quatro anos, mantiveram a folha salarial dos servidores e o compromisso com fornecedores em dia. ‘’Ele tem força, tem boa vontade, mas é preciso saber que, dentro do PT, tem uma fila e, nessa fila, temos o ex-candidato Haddad, que atraiu o apoio, no segundo turno, de 47.040.906 de eleitores’’, disse, nessa terça-feira, 27, nos bastidores da Assembleia Legislativa, um petista que se divide entre cargos na administração estadual e a fidelidade ao alto comando nacional do PT, ao se referir as pretensões desenhadas na agenda de Camilo Santana.

Com informações: Ceará Agora

Aliado de Bolsonaro diz que Camilo Santana precisa mesmo se preparar para o pior cenário

Se depender de pesos pesados da cúpula do PSL de Jair Bolsonaro no Ceará, o governador Camilo Santana (PT), que disse se preparar “para o pior cenário”, deve mesmo ficar atento. “Ele (Camilo) tem que se preparar mesmo, porque acabou essa corrupção desenfreada e institucional que o partido dele criou. Acabou esse negócio de caixa 2 e toma lá, dá cá”, foi o que afirmou o presidente estadual e deputado federal eleito Heitor Freire.

E disparou mais: “Camilo tem que se preparar porque o juiz Sergio Moro, futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, vai investigar e vai prender muita gente. Essas obras faraônicas no Ceará, por exemplo, serão investigadas. Agora, o povo cearense se prepare para o melhor, porque nosso compromisso é fortalecer a economia, trazer novas empresas e indústrias, trabalhar junto com empresário que gera emprego e renda”.

Freire reiterou que Camilo e seu grupo “é que têm que estar preocupados porque a Lava Jato agora é que vai andar.” Não poupou: “Um governador, que se alia a muito partido, terá que criar cabide de empregos, pois está devendo muitos favores. Como foi uma das campanhas mais caras do Brasil, deve também muito dinheiro!”

Eita.

 

Com informações: Eliomar de Lima

Camilo e governadores do Nordeste cobram “recomposição e ampliação” do Mais Médicos

O governador reeleito do Ceará, Camilo Santana (PT), se reuniu nesta quarta-feira, 21, com os demais governadores do Nordeste, em Brasília. Na ocasião, foi elaborada uma carta elencando pontos prioritários para região, os quais devem ser apresentados e cobrados ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Um dos temas citados é a “imediata recomposição e ampliação” do Programa Mais Médicos.

No documento, os governadores abordam a “preocupação com o vazio assistencial que pode se produzir nos municípios, com a diminuição do contingente de profissionais do Programa Mais Médicos”.

O encontro aconteceu na sede da representação do Ceará, na capital federal. Anfitrião do evento, Camilo Santana declarou que o programa “leva médicos a lugares onde não havia atendimento”. Com fim da parceria com Cuba, o Estado deve perder 448 médicos.

Além desse tema, o Fórum de Governadores também cobra medidas como a “retomada urgente de obras federais” no Nordeste, o que permitiria a recuperação do crescimento econômico na região e a geração de empregos. Os governadores destacaram obras rodoviárias, de segurança hídrica e habitacionais.

O documento foi assinado pelos governadores Rui Costa (PT-BA), Paulo Câmara (PSB-PE), Wellington Dias (PT-PI), Belivaldo Chagas (PSD-SE) e Flávio Dino (PCdoB-MA); vice-governador de Alagoas, Luciano Barbosa (MDB); os eleitos João Azevêdo (PSB-PB) e Fátima Bezerra (PT-RN); a vice-governadora eleita de Pernambuco, Luciana Santos (PCdoB); além de Camilo Santana. Na primeira fase da reunião, que aconteceu na sede do escritório de representação do Estado do Ceará, em Brasília, os governadores receberam o presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (MDB-CE).

Camilo não participou do primeiro encontro dos governadores eleitos e reeleitos com o próximo presidente Jair Bolsonaro, realizado recentemente. Ele estava em missão oficial à Europa. Se a audiência concedida por Bolsonaro aos governadores do Nordeste acontecer até o fim deste mês, Camilo novamente não vai estar presente, pois sua nova viagem ao exterior vai até o último dia deste mês.

Leia texto completo

“CARTA DOS GOVERNADORES DO NORDESTE

Exmo. Presidente Eleito Jair Bolsonaro,

Os Governadores eleitos do Nordeste vêm solicitar uma audiência com V.Exa. para tratar prioritariamente acerca dos seguintes itens:

1. Retomada urgente de obras federais no Nordeste, visando ao crescimento econômico e à geração de empregos, com especial destaque para obras rodoviárias, de segurança hídrica e habitacional;

2. Celebração de um Pacto Nacional pela Segurança Pública, em que o Governo Federal assuma a coordenação e a execução de ações concretas no combate à criminalidade interestadual, a exemplo de assaltos a bancos, tráfico de armas e explosivos, atuação de facções criminosas, etc;

3. A viabilização de fontes financeiras para reequilíbrio do pacto federativo, uma vez que Estados e Municípios sofreram drasticamente com a recessão econômica que deteriorou FPE e FPM. Nesse sentido, importante pautar a Reforma Tributária que corrija distorções, como a tributação de bancos e de rendas do capital;

4. Desbloqueio das operações de créditos dos Estados, para viabilização de investimentos e pagamentos de precatórios judiciais;

5. Debate acerca da prorrogação e ampliação da participação financeira da União no FUNDEB (Novo FUNDEB);

6. Preocupação com o vazio assistencial que pode se produzir nos Municípios, com a diminuição do contingente de profissionais do Programa Mais Médicos, sendo fundamental a imediata recomposição e ampliação do citado Programa.

Ratificamos os nossos cumprimentos pela vitória eleitoral de V. Exa., registrando que estamos totalmente comprometidos com a luta por bons destinos para a nossa Pátria e à disposição para o diálogo e o entendimento nacional.”

Com informações: O Povo / Agência Brasil

Camilo diz se preparar para pior cenário

O governador do Ceará Camilo Santana (PT) afirmou ontem, em entrevista durante a inauguração da rádio O POVO/CBN Cariri, que fará reestruturação da máquina pública logo no início de seu novo mandato. A reforma, disse, vem em função da eleição de Jair Bolsonaro (PSL) e o quadro que se apresenta a partir disso. “Estou me preparando para o pior cenário”, afirmou.

Conforme já noticiado, o secretário do Planejamento e Gestão, Maia Junior, já havia apresentado proposta de ajuste fiscal no Ceará. Havia a indicação de que 11 pastas poderiam ser extintas.

Para o líder do Governo do Estado na Assembleia Legislativa, Evandro Leitão (PDT), com a declaração, o governador quis dizer que será um ano difícil para todos os estados do Brasil, interpretação que o deputado compartilha. “Temos que ter muita prudência para tomar decisões acertadas”.

Ele afirma ainda que a saída do senador Eunício Oliveira (MDB) do Congresso Nacional será um desafio na tentativa de construir um bom trânsito com Brasília. Assim, ele diz esperar atuação participativa não só dos senadores eleitos, mas dos deputados federais que estarão na Câmara dos Deputados.

Sobre o convívio de Camilo Santana (PT) com o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), Leitão diz acreditar que se dará de modo respeitoso, “em busca de melhorias para o nosso Estado”.

Já o secretário Maia Junior afirma que Camilo quis expressar que o alinhamento de qualquer governador do Nordeste com o Governo Federal é difícil. Em relação a Bolsonaro, adicionou que o que ele fará com o Nordeste é uma “incógnita”.

Ponderou, entretanto, que de toda a cadeia federativa espera-se espírito republicano, além de classificar o chefe do Executivo estadual como pessoa tranquila. “O que não quer dizer que tenhamos alinhamentos do ponto de vista político”. Além da incompatibilidade política, Maia acredita que a expressão “pior cenário” se deve aos quadros econômicos nacional e internacional, que “não animam ninguém”.

Com a saída de Eunício – considerada grande perda por Camilo – e de José Pimentel (PT), que “prestaram grandes serviços ao Ceará”, Maia diz esperar que os eleitos Cid Gomes (PDT) e Eduardo Girão (Pros) adquiram rapidamente experiência e conhecimento dos mecanismos de funcionamento do Senado para que mediem a relação entre governo Estadual e Federal. “Somado ao espírito público de Tasso, o Ceará terá boa representatividade”.

Por meio de nota, o senador eleito Eduardo Girão (Pros), que declarou voto em Bolsonaro na reta final da campanha, afirmou que não é hora para ter uma atitude derrotista. “Entendo que cada um precisa fazer a sua parte em todos os níveis, inclusive através de uma gestão que busca a racionalização e otimização dos recursos públicos, sem desperdícios”, defendeu.

Na opinião de Girão, o grande aliado do governador, diante da liberação de recursos ao Estado, foi o atual presidente Michel Temer, “desafeto do partido dele”. Por isso, acrescenta que a articulação no Congresso pode ser feita por qualquer senador ou deputado federal. “Se o governador quer a aproximação com o novo Governo Federal, poderia já estar participando das reuniões de governadores com o presidente eleito, por exemplo”, alfinetou. O senador eleito afirmou ainda ser importante “moderar o discurso, pacificar e unir esforços olhando pra frente”.

Braço direito de Bolsonaro no Ceará, o deputado federal eleito Heitor Freire (PSL) atendeu duas vezes as chamadas da reportagem, mas disse que estava ocupado, em reunião. Um dos compromissos de Freire foi a presença no anúncio do futuro ministro da Saúde, o deputado Henrique Mandetta (DEM-MS). Capitão Wagner (Pros) não atendeu as ligações.

O governador Camilo Santana também foi procurado por meio da assessoria de comunicação e do gabinete, que não se manifestaram sobre a declaração de Camilo até o fechamento desta matéria. A assessoria de Eunício também não retornou.

 

Com informações: O Povo

Eunício deve comandar Cidades no Governo de Camilo

Os dirigentes de partidos que apoiaram a reeleição de Camilo Santana (PT) ao governo do Ceará aguardam reuniões com o chefe do Executivo para definirem como vão participar do futuro governo. Uma viagem do governador ao exterior nesta semana sinaliza que as conversas devem ser intensificadas apenas em dezembro.

Contudo, a proximidade administrativa e eleitoral entre o governador Camilo Santana e o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB), pode render à sigla emedebista a Secretaria das Cidades. Danniel Oliveira (MDB), deputado estadual e sobrinho de Eunício, é cotado para comandar a Pasta.

Na reeleição, Camilo recebeu o apoio de 24 partidos e terá a missão de organizar a nova gestão com aliados que já sinalizam interesse em ajudá-lo no segundo mandato.

Com informações: Brasil 247

Camilo pode fundir Sefaz e Seplag

No fim de semana que passou, Egídio Serpa conversou com gestores públicos e com executivos de grupos privados sobre a intenção do governador Camilo Santana de fundir as secretarias da Fazenda (Sefaz) e do Planejamento e Gestão (Seplag) em uma só. Todos, sem exceção, consideraram correta a ideia.

Explicaram que a fusão servirá para facilitar a interlocução do Governo do Ceará com o da União, que, a partir de 1º de janeiro de 2019, será comandado pelo presidente Jair Bolsonaro. A administração Bolsonaro já anunciou a criação do Ministério da Economia, que absorverá os do Planejamento e da Indústria e Comércio. Será um superministério a ser liderado pelo economista Paulo Guedes.

Com a fusão da Sefaz e Seplag no que poderá vir a ser a Secretaria de Fazenda, Planejamento e Gestão, o governador Camilo Santana adequaria a estrutura administrativa do seu Governo à da União.

Mas alguns dos gestores ouvidos pelo blog levantaram a questão da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, que ficaria de fora da fusão. Uma fonte do Governo estadual cearense explicou que a pasta hoje chefiada pelo economista César Ribeiro, tem objetivos específicos, entre os quais os ligados à atração de investimentos e aos grandes projetos estruturantes, entre os quais o Complexo Industrial e Portuário do Pecém, que ganhará o reforço de capital e de expertise do Porto de Roterdã, e a Zona de Processamento para Exportação (ZPE).

E quem será o super-secretário da Fazenda, Planejamento e Gestão? Para esta pergunta  não há resposta neste momento. Mas há um detalhe: o desenho da nova estrutura da máquina administrativa estadual está sendo feito por uma equipe liderada pelo secretário Maia Júnior, titular da Seplag.

 

Com informações: Egídio Serpa

Camilo manifesta preocupação com saída de cubanos do Programa Mais Médicos

O governador Camilo Santana (PT) manifestou preocupação, nesta sexta-feira, em sua página no Facebook, sobre a decisão do futuro governo de Jair Bolsonaro de não renovar o Programa Mais Médicos, sob ameaça de perder os profissionais cubanos. Para ele, o fim dessa parceria significará “um enorme prejuízo” principalmente na assistência à população mais pobre do País.

O Ceará conta com 118 municípios que garantem assistência médica com profissionais de Cuba. Confira:

Vejo com muita preocupação a repentina saída dos médicos cubanos do Programa Mais Médicos, que vem tendo um importante papel de assistência, sobretudo à população mais pobre do Brasil e do nosso Estado. Isso deverá causar um enorme prejuízo, principalmente em alguns municípios onde os médicos cubanos desempenham importante papel nas unidades básicas de saúde. Não se pode tomar medidas de tamanha relevância e impacto à revelia de estados, municípios e, principalmente, do povo que é diretamente atingido.

 

Com informações: Eliomar de Lima

Possíveis alianças de cearenses com Bolsonaro podem favorecer CE

Enquanto os partidos negociam compor ou não a base do futuro Governo Bolsonaro (PSL), representantes dessas siglas, que estão aliadas ao governador Camilo Santana (PT), tentam se aproximar do próximo presidente, de olho em ocupar o posto de interlocutores entre o Estado e a União. Essas movimentações são vistas como estratégicas para eles se cacifarem, politicamente, nos dois “lados”, principalmente na hora de pleitear demandas.

Mas também a “disputa” por influência política no Congresso Nacional vem a calhar para o governo cearense, se ele quiser transitar com mais facilidade entre os ministérios e obter a liberação de recursos. Isso porque o governador Camilo, reeleito para o segundo mandato, estará no campo de oposição a Bolsonaro.

Embora afirme ser independente, uma vez que o seu partido ainda não definiu como atuará no Governo Bolsonaro, o deputado federal reeleito, Domingos Neto, presidente do PSD no Estado, já costura relações com aliados do futuro mandatário do País. Dias antes da eleição do segundo turno, ele se reuniu com o presidente estadual do PSL, deputado federal eleito Heitor Freire, para articular a formação de um bloco para a disputa da Mesa-Diretora da Câmara.

“Eu não estou declarando apoio (ao Bolsonaro), agora, o Brasil precisa que a gente possa ter uma postura de apoiar o projeto que seja bom para o Brasil. O Governo Camilo precisa de Brasília e precisa construir pontes. O senador Eunício é do partido de Michel Temer, que votou a favor do impeachment, e foi apoiado pelo Camilo. Naquele momento, foi estratégico para o Estado”.

O Solidariedade é outro partido que permaneceu neutro no segundo turno da eleição presidencial. O presidente estadual da legenda, deputado federal reeleito Genecias Noronha, ao ser questionado sobre possível apoio ao próximo presidente da República, ele sinaliza que sim, mesmo que, no Estado, ele seja aliado a um governo petista. “O Camilo precisa de alguém que faça interlocução entre ele e o Governo Federal, o Ceará não pode ser prejudicado, porque é de oposição, mas a decisão não é nacional, quem vai tratar são os interlocutores partidários. Eu quero conversar com os deputados”, disse.

O deputado federal eleito do PR, pastor Jaziel Pereira, compõe a base de apoio do Governo Camilo Santana, mas declarou apoio à candidatura de Jair Bolsonaro na reta final da disputa e participou de atividades do comitê de Bolsonaro em Fortaleza. Ele, no entanto, não vê “dubiedade” em manter essa relação. “O governador Camilo, pra mim, é um petista que não é petista nato. Ele foi bem avaliado por 80% dos eleitores que votaram nele. No que diz respeito ao Bolsonaro, nós temos uma afinidade de pensamentos, então a nossa linha é a seguinte: se tiver coerência, está conosco”.

Enquanto isso o deputado federal eleito, Heitor Freire, um dos fortes aliados de Bolsonaro no Ceará, disse que pretende iniciar uma investida aos parlamentares da bancada cearense para alargar a base de Bolsonaro na Câmara.

“Se um deputado quiser levar um projeto de asfalto, uma emenda, tem que ser por intermédio do Governo Federal, se quiser sobreviver, tem que vir pro Governo Federal”, sustentou Freire.

Fusão

Deputado eleito para primeiro mandato, Júnior Mano, do Patriotas, afirmou que a tendência é que ele siga os mesmos passos de seus colegas: apoiar Bolsonaro no nível federal e estar ao lado de Camilo, no Ceará. “Estamos tendo conversa avançada com a base do Bolsonaro, em Brasília, e aqui no Estado, aguardando a definição do governador. Em nível de Estado, o Patriotas é da base do Camilo”, explicou.

Ele informou ainda que a definição de apoio local dependerá de uma possível fusão do Patriotas com outra legenda, uma vez que a sigla não atingiu o percentual estipulado pela cláusula de desempenho. Segundo ele, o secretário-chefe da Casa Civil, Nelson Martins, esteve dialogando com ele há alguns dias. “Vamos trabalhar para trazer o melhor para o Ceará. Se for para ajudar com emendas, com recursos, tudo bem. Mas se for para atrapalhar, sou contra”.

A tendência do Partido Progressista (PP) também é se alinhar com o presidente eleito. No Estado, a legenda elegeu só um representante, AJ Albuquerque, filho do presidente da Assembleia Legislativa, Zezinho Albuquerque (PDT), um dos principais aliados de Camilo. O MDB já definiu apoio ao novo Governo de Camilo, mas não há definição quanto a Bolsonaro. O partido reelegeu o deputado Moses Rodrigues.

 

Com informações: Diário do Nordeste