Com 207 deputados, Centrão perde força, mas será indispensável para próximo presidente

A insatisfação dos brasileiros com a política impôs a maior renovação desde a redemocratização brasileira, em 1986, na Câmara dos Deputados no primeiro turno das eleições deste ano. Partidos tradicionais perderam espaço e emergiram novas forças. As mudanças foram profundas, mas será inescapável ao próximo presidente, seja Jair Bolsonaro (PSL) ou Fernando Haddad (PT), negociar com legendas que apoiaram todos…