Três nomes ganham força para presidir a AL-CE

Entre os cotados para presidir a Assembleia Legislativa do Ceará (AL-CE) a partir do ano que vem, três nomes ganharam força nas últimas semanas: os deputados estaduais Evandro Leitão, Tin Gomes e o atual chefe da Casa, Zezinho Albuquerque – todos do PDT, partido com a maior bancada.

A cerca de dois meses da eleição, marcada para 1º de fevereiro de 2019, os postulantes já trabalham articulação com os parlamentares para se cacifarem na corrida pela chefia da mesa.

Nessas negociações, dois pré-candidatos reuniriam mais condições para chegar ao comando da Assembleia: Tin, que teria bom trânsito entre os colegas; e o próprio Zezinho, pelo capital construído ao longo de três mandatos na presidência.

A longa permanência nesse posto, no entanto, é definida como um entrave aos planos do pedetista. Em conversa com a reportagem, Zezinho disse que as discussões ainda estão se iniciando.

“Precisamos conversar muito com os presidentes de partidos, o governador, saber qual o pensamento de cada um”, respondeu o deputado. “Estou procurando amigos, lideranças, pra ver se o melhor é eu continuar. Não há nada definido.”

Nessa briga silenciosa, deputados ouvidos pela reportagem apontaram vantagem para Tin. “O governador disse que acolheria o nome consensualmente indicado pela Assembleia”, falou um deles. “O Tin é o que tem mais proximidade entre a gente. É o mais simpático aos deputados.”

Uma parlamentar ressalvou ainda que, para que Zezinho retirasse seu nome da disputa pela presidência da AL-CE, teria de ser compensado. “E seria uma recompensa alta”, sugeriu, em seguida acrescentando que o pedetista poderia assumir uma secretaria no segundo mandato de Camilo. “Tudo depende da conversa”, resumiu.

Tin admite que tem procurado deputados para tratar sobre a sua candidatura e que a reação “tem sido muito receptiva”. Segundo ele, o mais importante é chegar a um nome que represente não apenas o PDT, mas a maioria da Casa.

“A intenção é evitar divisão, como aconteceu naquela outra vez”, enfatizou, referindo-se à última eleição, quando a postulação do deputado Sérgio Aguiar (PDT) contra Zezinho abriu uma crise na base que teria como efeito direto a extinção do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) pela AL.

Desde a última segunda-feira, Camilo tem recebido os deputados da base  para diálogos. Na próxima semana, o governador tem reunião acertada com o presidente estadual do PSD e deputado federal, Domingos Neto. Na pauta, está o espaço que a legenda pode vir a ter no novo desenho do secretariado do petista.

Atual presidente da sigla, Neto vai ceder o comando do PSD no Ceará para o pai, Domingos Filho.

Tentamos contato com o deputado Evandro Leitão, mas não obtivemos retorno.

 

Com informações: O Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *