Votação aberta para presidente do Senado é casuísmo, diz Cid Gomes

O ex-governador Cid Gomes (PDT-CE) se prepara para assumir seu primeiro mandato no Congresso Nacional como um dos líderes do recém-criado bloco oposicionista formado por PDT, PSB, Rede e PPS. O primeiro desafio, brinca, é conseguir reunir senadores no recesso. “Vim a Brasília [na semana passada] e só consegui encontrar dois.”

Mas a grande tarefa inicial é construir uma candidatura à presidência do Senado que concilie, segundo ele, o sentimento predominante na Casa: alguém que não pregue oposição radical ao governo, nem seja alinhado automaticamente ao presidente Jair Bolsonaro. Pelo primeiro motivo, o grupo quer se desvencilhar do PT. E, com o receio de incorrer em uma situação ou outra, não quer a volta de Renan Calheiros (MDB-AL) ao comando do Senado.

Na próxima sexta-feira (25) o bloco vai se reunir em Brasília na busca de um nome de consenso para enfrentar Renan – até agora o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) é o mais cotado para encarnar esse papel. Cid defende que a discussão seja feita sem maniqueísmos e casuísmos. “Não vou fazer disso um cavalo de batalha. Não é o Major Olimpio que é o bonzão, nem o Renan que é o péssimo”, afirma, em referência ao senador eleito pelo PSL que se lançou à disputa como nome do governo.

Segundo Cid Gomes, é preciso tomar cuidado com o discurso de que quem está entrando na política agora, com bandeiras moralistas, é melhor do que quem já exerce funções públicas há mais tempo.

“Não tenho menor vocação para o maniqueísmo. Agora o Alexandre Frota é o protótipo do bom político? E o Rodrigo Maia o da política antiga? Me perdoe. Kim não sei das quantas é protótipo da nova política? Joice Hasselmann é protótipo da nova política?”, indaga. “Quando se fala do protótipo da nova política boto os cinco pés atrás para ver se não é oportunismo ou casuísmo de quem está querendo autoritarismo no poder”, acrescenta em entrevista exclusiva ao Congresso em Foco.

Camisas negras

Cid afirma que nos últimos dias teve de trocar de telefone por causa de ataques sucessivos que vinha recebendo daqueles que ele chama de “camisas negras” – termo utilizado em referência ao fascismo – para que o Senado eleja seu próximo presidente, no dia 1º de fevereiro, em votação aberta. De acordo com o ex-governador, outros colegas também têm sofrido pressão dessa natureza.

O Movimento Brasil Livre, fundado pelo deputado eleito Kim Kataguiri (DEM-SP), mencionado acima, de maneira irônica, pelo senador eleito, faz campanha sistemática pela abertura do voto nas duas casas legislativas. Embora haja o entendimento generalizado de que a votação secreta favoreça a volta de Renan à presidência do Senado pela quinta vez, Cid afirma que é contra qualquer iniciativa para abrir o voto por entender que essa é a regra regimental.

“A gente segue o regimento. Se está insatisfeito, mude o regimento. Não dá para mudar no dia da votação. São pseudopolêmicas.” Há duas semanas o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, determinou que a votação seja secreta.

Para o pedetista, o novo presidente do Senado deve zelar pela independência da Casa em relação ao Executivo e assegurar o papel do Parlamento pelos próximos anos dada a “imponderabilidade e a instabilidade” do novo governo.

O início da atual gestão, de acordo com o senador eleito, já demonstra o que vem pela frente. “Há muita trapalhada. Mas elas devem ser vistas com alguma tolerância porque, afinal de contas, tem muita gente que não teve experiência na administração pública que agora está na frente dela. Temos de ter tolerância”, defende o irmão do ex-presidenciável Ciro Gomes (PDT), que declarou “apoio crítico” a Fernando Haddad (PT) no segundo turno contra Bolsonaro.

Lua de mel

Cid Gomes acredita que parte do eleitorado já se sente frustrada com o novo presidente e alerta para o risco de a tradicional lua de mel entre Executivo e Legislativo, que costuma caracterizar o início de governos, ser encurtada.

“Isso vai depender também da quantidade de frustrações, da quantidade de incoerências que o governo praticar. O governo que vivia falando do filho do Lula e bota o filho do Mourão começa a despertar nas pessoas que é mais do mesmo. Não sou adepto das teses moralistas. Geralmente por trás de defensores delas tem santos de pau oco. Estou falando só da incoerência.”

Governador do Ceará por dois mandatos, ex-prefeito de Sobral (CE) e ex-deputado estadual, Cid terá sua segunda experiência política em Brasília – a primeira foi sua passagem relâmpago pelo Ministério da Educação. Dois meses após ter assumido o cargo, ele foi convocado pela Câmara, então presidida por Eduardo Cunha (MDB-RJ), para explicar a declaração de que a “Câmara tinha de 300 a 400 achacadores”. Em vez de se desculpar, como os parlamentares esperavam, aumentou a artilharia e pediu demissão do cargo. Em outubro de 2018, Cid foi eleito senador com 41,62% dos votos válidos para o Senado.

Veja a entrevista de Cid Gomes ao Congresso em Foco:

Congresso em Foco – O que falta para o bloco PDT, PSB, PPS e Rede definir seu candidato à presidência do Senado?

Antes mesmo de assumir o mandato, já percebi que a coisa mais difícil que existe é reunir senadores. Não temos nos reunido, mas temos conversado pelo telefone. Teremos agora uma reunião no dia 25.

Na reunião será definido um nome para enfrentar o senador Renan Calheiros?

Eu critico essa coisa de você ter luta, batalha, bandeira contra alguém. A nossa não é contra ninguém. O que penso só é que a gente tem um espaço aí que não é nem oposição sistemática nem situação automática. Creio que seja esse o clima predominante no Senado. Gente que não quer ser base do governo, mas que também não quer postura de oposição só porque a iniciativa foi de Bolsonaro. Esse é o sentimento dominante na Casa e que está muito fortemente presente em nosso grupo, com 15 senadores. No bloco que o PT está construindo tem 11 senadores. No PSDB, que tem oito senadores, também prevalece majoritariamente esse sentimento. No PSD, com sete, e no DEM, com seis, também. Nem situação automática nem oposição sistemática. Não seria a coisa mais radical.

O que vai ser levado na definição do candidato?

Temos de fazer uma discussão sobre o papel do Senado, o que é o novo presidente teria como prioridade. Eu, por exemplo, defendo que a gente altere o regimento para descentralizar mais o poder do Senado. É uma casa muito imperial. Depois de processo de discussão, de busca de compromissos futuros, de atendimento de expectativas das bancadas e comissões, é que deveria se dar a eleição da Mesa. E, por último, a escolha do presidente. É o oposto da lógica atual do regimento, que prevê a eleição primeiro do presidente, depois dos demais integrantes da Mesa, definição dos líderes, que vão indicar comissões, que vão eleger seus presidentes. E só aí vai ver o que fazer. Defendo o contrário, que a gente tenha visão do papel do Senado. Mas não está fácil encontrar senador nem pra propor isso. Estou em Brasília [entrevista dada na quinta passada] e só consegui falar com dois.

O senhor defende que a votação para presidente do Senado seja aberta, como advogam opositores de Renan?

Não temos como fugir do regimento. Não vou entrar nessas polêmicas. Não tenho menor vocação para o casuísmo. Tal coisa é melhor para fulano, essa outra é melhor para o outro. A gente segue o regimento. Se está insatisfeito, mude o regimento. Não dá pra mudar no dia da votação. São pseudopolêmicas. Há um bando de camisas negras fazendo verdadeiras invasões de telefone. Estou com outro telefone, porque não consigo usar o meu. Essa turma é fascista. Se tiver discussão para mudar o regimento, aí me pronuncio. Até agrediram a senadora Kátia Abreu. Estão jogando pesado.

Ela tem demonstrado simpatia pela candidatura de Renan. É voto isolado dentro do bloco?

O bloco não é feito em função de uma candidatura contra a favor de ninguém. Trata-se de nosso posicionamento no Senado. A presidência será um tópico, assim como Mesa, comissões, lideranças. Há mais afinidades do que divergências entre nós.

Qual o perfil do novo presidente do Senado que o grupo busca?

Alguém que represente esse sentimento, que zele pela independência do Senado em relação ao Executivo, que preze pela importância de um papel que o Parlamento terá nos próximos quatro anos dada a imponderabilidade e a instabilidade do governo. Não é pouca coisa.

Alguém que defenda e represente a renovação das práticas políticas?

Não tenho menor vocação para maniqueísmo. Agora o Alexandre Frota é o protótipo do bom político? E o Rodrigo Maia da política antiga? Me perdoe. Kim não sei das quantas é protótipo da nova política? Joice Hasselmann é protótipo da nova política?

Muitos senadores questionam o passado e as investigações contra Renan…

Isso são pré-requisitos. Não é para ninguém apresentar ou buscar atestado dos outros. Isso acaba cumprindo o que querem esses camisas negras, que acham que o projeto deles é o certo, que vão brigar no meio da rua. Não aceita a visão do outro. Quando falam do protótipo da nova política, boto os cinco pés atrás pra ver se não é oportunismo ou casuísmo de quem está querendo autoritarismo no poder.

Com base em que o senhor não apoia Renan?

Manifestei pessoalmente minha opinião para o Renan, tête-à-tête. Disse a ele que não sou maniqueísta, mas que agora não é uma boa oportunidade pra ele. Me sinto no dever de ser sincero. É minha opinião. Não vou fazer disso um cavalo de batalha. Não é o Major Olimpio que agora é o bonzão, e ele, o péssimo. As coisas não são maniqueístas.

Como o senhor avalia o início do governo Bolsonaro?

Há muita trapalhada. Mas elas devem ser vistas com tolerância porque, afinal de contas, muita gente que não teve experiencia na administração pública está agora na frente dela. Tem de ter tolerância.

Até quando vai a lua de mel do Congresso e da oposição com o novo governo?

Vai depender também da quantidade de frustrações, da quantidade de incoerências que o governo praticar. O governo que vivia falando do filho do Lula e bota o filho do Mourão começa a despertar nas pessoas que é mais do mesmo. Não sou adepto das teses moralistas. Geralmente por trás de defensores delas tem santos de pau oco. Estou falando só da incoerência. Muita gente votou achando que, com ele, seria diferente, porque ele dizia que não era político. Está botando em prática a mesma coisa. Pega um amigo e põe na gerência da Petrobras. Incoerências… Criaram-se expectativas. No caso da posse das armas, por exemplo, desagradou a quem é contra e frustrou quem é a favor. Muitos achavam que iam poder andar com uma .7 no cinto. Essas frustrações é que vão mensurar o prazo de lua de mel.

O senhor é aliado do governador do Ceará, Camilo Santana. Como tem avaliado a relação do governo federal com o estadual no enfrentamento aos ataques das facções criminosas no estado?

Quem pode falar isso é o Camilo. Mas ele não tem tido nada a reclamar. Ele tem sido enfático ao dizer que o governo federal atendeu a seus pedidos. Ele tem mais solicitações, tem insistido na presença das Forças Armadas. Mas está havendo diálogo. Ele é quem está fazendo esse juízo.

 

Com informações: Congresso em Foco

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *