“Wagner tentou todos e não conseguiu nenhum”, diz Sarto

Após receber declarações de apoio de sete dos oito partidos que deixaram a disputa pela Prefeitura de Fortaleza após o primeiro turno, o candidato do PDT, José Sarto, rebateu críticas de Capitão Wagner (Pros) sobre as adesões. Em entrevistas recentes, o militar tem associado as alianças com promessa de cargos na gestão e disse que tem “conversado com o eleitor”.

“Meu adversário não conseguiu, então ele desdenha de quem conseguiu. Ele tentou, com todos os partidos, e não conseguiu nenhum. E aí agora vem com essa de que está conversando com a população”, rebateu ontem Sarto, em entrevista coletiva após receber apoio do candidato derrotado do PV, deputado Célio Studart, na campanha.

“São dois pesos e quatro medidas. Na campanha passada, o meu adversário tinha mais tempo que o do nosso candidato do PDT, e agora reclama de falta de tempo. Na eleição passada, ele tinha partidos grandes que estavam o apoiando, e que hoje não estão mais. Por que será? É um projeto isolado, sem adesão e sem equipe”, disse o candidato pedetista.

O candidato diz ainda que as adesões não envolveram qualquer promessa de cargos ou negociação para participação no governo. “Tenho conversado com todos os partidos desde o 1º turno e nenhum, absolutamente nenhum, colocou nenhuma condição para esses apoios. Não há nenhuma conversa não republicana, mas sim de debate da cidade”, afirma.

Inicialmente com dez candidatos na coligação, Sarto já recebeu desde domingo apoios do PCdoB, UP, PV, Patriota, Solidariedade, PT e Psol. Esses dois últimos atualmente fazem oposição ao prefeito Roberto Cláudio (PDT) e prometem manter linha crítica caso Sarto seja eleito. Eles creditam o apoio ao pedetista ao do presidente Jair Bolsonaro a Wagner.

O leque de apoios engloba até partidos de pontos opostos no espectro ideológico, como DEM, PSDB e Psol. Até agora, único partido que teve candidatura majoritária no 1º turno e que ainda não se manifestou para a nova etapa da disputa é o PSL, que lançou o deputado Heitor Freire. Apesar de o Solidariedade ter anunciado apoio a Sarto, o candidato Heitor Férrer declarou neutralidade na disputa.

Declaração de apoio no mesmo sentimento contra Jair Bolsonaro foi feita ontem por Célio Studart, que apoiou Capitão Wagner em 2016 contra Roberto Cláudio e chegou até a gravar programas de TV com o candidato no 2º turno. “O Bolsonaro ganhar em Fortaleza é ele fazer um palanque e uma base para sua reeleição. Eu e o PV aqui jamais poderíamos concordar”, diz.

“Não podemos deixar que Fortaleza possa ser um terreno fértil, uma terra para a reeleição de Bolsonaro, ou uma terra de intolerância, preconceito, discriminação, da falta de respeito (…) poderia até ser conveniente ficar neutro, mas não adianta ficar neutro agora e chorar depois”, disse o deputado, que ficou na 5ª posição do 1º turno com 45,3 mil votos (3,54%).

 

Com informações: O Povo

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *